Chloe, Amanda Seyfried e piscóticas

Ontem vi o filme Chloe – O Preço da Traição. Vi, ouvi, senti com todos os átomos malditos do meu ser. Se não está familiarizada com o nome, é aquele em que a Amanda Seyfried e a Julianne Moore se pegam.

"Aaaahhh, lembrei!"

Fazia muito tempo que eu não via um filme de temática lésbica e eu simplesmente queria ver qualquer coisa, nem que fosse meia-boca. Então me decidi por ver Chloe e de meia-boca o filme não tem nada.

Pra quem não sabe o enredo é basicamente: “uma mulher desconfia que o marido a está traindo e contrata uma prostituta para provocá-lo”. Mas, graças a Deus, ela acaba se envolvendo com essa prostituta.
E o primeiro comentário que eu tenho que fazer aqui é que a maior parte das lésbicas acaba meio que vendo o filme mais por interesse na Julianne Moore. Eu simpatizo com ela, mas, sério, não entendo tamanha obsessão… desconfio que parte é por ela ser ruiva.

Mas eu basicamente amei o filme por duas únicas coisas: Amanda Seyfried e Chloe (sim, diferente das fãs sub-15 de Crepúsculo eu sei diferenciar atriz e personagem).

Começando pela Amanda Seyfried, ela já teria meu amor eterno só pelo fato de ter feito Mamma Mia (nota: sou obcecada por Abba).

(L)

Mas ela decidiu ir além e pensou “como eu posso fazer a Jac me amar mais ainda?”. Foi então que surgiu a idéia fazer um filme da Diablo Cody onde ela pega a Megan Fox.

Só que Amanda Seyfried não ia parar até virar minha atriz favorita. Então ela decidiu ser uma prostituta-lésbica-psicótica que pega a Julianne Moore.

Sim, ela é pegadora.

Como eu posso não amar ela?

E, curiosamente, eu não acho que ela tenha uma beleza nos padrões hollywoodianos. Ela tem um rosto meio awkward girl (o que não é necessariamente ruim). E curiosamente também meu gaydar não apita para ela – contrariando minha regra de que se uma atriz começa a se envolver com vários filmes de temática lésbica, ela provavelmente é lés/bi. (Nota: Julianne Moore também não faz meu gaydar apitar)

Agora sobre Chloe: como eu disse, ela basicamente é uma prostituta-lésbica-psicótica. E incrivelmente eu amo todas essas três caractéristicas!

Prostituta: Não sei por que, mas eu sempre tive uma certa fixação pela história da “prostituta que se apaixona” – até mesmo em histórias hetero. Não sei se é por ser altamente dramático (you know, lesbians just loooove drama) ou altamente romântico (a regeneração pelo amor verdadeiro) ou o quê. Provavelmente eu pergunte isso para minha futura psicanalista…

Lésbica: Aí está um grande motivo para eu ver o filme. Como se não bastasse ela ser uma prostituta que se apaixona, ela ainda se apaixona por uma mulher. Isso é tão irônico/interessante: ela pode teoricamente ter qualquer homem que ela quiser, mas ela acaba apaixonada por uma mulher. E, claro, é sempre mais interessante ver olhares apaixonados direcionados para uma mulher do que para um homem.

Psicótica: Preciso fazer uma confissão aqui: eu tenho uma quedinha por mulheres psicóticas. Minha voz interior racional diz que eu gosto porque nunca me envolvi com alguém assim, mas algo me diz que eu me apaixonaria.

Enfim, problemas psicológicos (meus) a parte, uma coisa vocês tem que concordar: filmes ficam mais interessantes com personagens psicóticos. Onde estaria o clímax da história se a Catherine dissesse “acabou” e a Chloe respondesse “então tá”?

Agora preciso ser sincera, o filme em si não é 100%. Se olhar pra outras coisas que não a Amanda/Chloe, ele acaba tendo algumas coisas meio irritantes:

[spoiler]

-A personagem da Julianne Moore é um saquinho, ela prefere aquele velho-feio-que-dá-em-cima-das-aluninhas a Chloe. E ainda aceita passivamente que ele “flerte” descaradamente com outras mulheres já que ele não “finaliza” a coisa.

-Aquele filho da Catherine também é um porre. Sei que é personagem secundário, mas me irrita personagens adolescentes-rebeldes-que-gritam-com-a-mamãe.

-A maquiagem. Sério, quantas vezes eu fiquei reparando naquela porcaria de sombra vermelha? Um filme bom não pode fazer você ficar reparando em coisas como maquiagem, som, iluminação, roupas, nem nada disso. Essas questões técnicas são como os pratos numa orquestra, se alguém repara neles é porque estão sendo mal tocados. Demitam a maquiadora já!

-O final. A coisa mais irritante é o final. Sabe aqueles filmes antigos (50,60,70) em que há uma lésbica (geralmente psicótica) que “desvirtua” a hetero da história e como punição tem que morrer no final para a hetero se regenerar? O final me deixou como se tivesse visto a mesma história numa versão moderna. Really, Hollywood? LEAVE THE PSYCHO-LESBIANs ALOOOONE!

[/spoiler]

(Colocando uma foto aleatória só para sensualizar)

Mas apesar dos pesares, eu super recomendo esse filme. Nem que seja única e exclusivamente para ver A cena mais interessante em seu contexto. E que cena! As contrações (interpretadas, CLARO) da Moore e os olhares da Seyfried……Ai, assistam!

(Nota: A cena de sexo é tão OOOHHH que eu não achei no YouTube nem no DailyMotion, então tive que recorrer a um site alternativo. Clique na imagem a seguir e aproveite 😉 )

Compartilhe com a irmandade!Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on TumblrShare on Google+Email this to someone
Esta entrada foi publicada em Mídia e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

30 respostas para Chloe, Amanda Seyfried e piscóticas

  1. analu disse:

    Desse jeito ate deu vontade… vou correr ver o filme
    Não tinha percebido no negócio d ruivas, mas acho q a culpa foi o estilo “executiva”, típico da Julianne.. (taraaa)

  2. Lariiss. disse:

    ”desconfio que parte é por ela ser ruiva”… e linda, fala serio. u.u
    amo sardas <3
    vi o filme tbm jah e como disse, o filme em si não é 100%
    e que final meia boca, fala serio.
    enfim. esses 49s sao preciosos hauhauhauhaa

  3. B. disse:

    eu gostei do filme… no final, sei lá… achei meio estranho, ela usar aquele objeto que era da chloe…

  4. Bel disse:

    Eitaa… Qro mto ver o filme!! A cena HOT eu nao aguentei e ja vi…kkkk

    To eu lendo o post e adorandoo, mas qdo olho os comentarios vejo a PATROA toda solta!!! Mané TARA Dona Analuu… Os corretivos em casa nao tao servindo de nada!

    xD

    • analu disse:

      Amorzão da minha vida… Tu sabe mto bem q minha maior tara é VOCÊ, e só você.. Cntg, Julianne Moore fik no chinelo..

  5. sheila disse:

    analu e bel enchendo o saco aki tb kkkkkkkkkk…amanda ta pegando gerallll rs

  6. Nina Ferri disse:

    Definitivamente essa é a análise mais completa e divertida sobre Chloe que eu já li. E, sim. Definitivamente mais cedo ou mais tarde você vai precisar de uma psicanalista. Com essa sua tara por mulheres psicóticas, não tem jeito. rsrsrsrs.
    O filme é realmente interessante. Claro que não é o melhor filme que já assisti na vida, mas vale a pena. Na comparação com o original, o francês Nathalie X, eu prefiro Chloe.

  7. M.n disse:

    A história é muito bem bolada. Vi o filme hoje (fiquei tentada a ver, por causa do seu post, confesso) e adorei. A Amanda Seyfried simplesmente arrasa! *-* A Chloe foi o papel mais atípico que ela fez… e o que fez melhor! Os gestos, os olhares apaixonados (desde o começo do filme), o tom sexy na voz (rs)… tudo maravilhosamente perfeito. ‘-‘ Mas efim, eu vi o filme duas vezes e tirei algumas conclusões:

    Tem uma cena no banheiro, onde a Catherine ouve a Chloe chorando e pergunta se ela está bem. Então a Chloe sai da cabine, olha para Catherine e sorri… depois oferece o prendedor que era da mãe dela. Acho que naquele momento surgiu o sentimento pela Catherine, pois foi ela quem se preocupou em ajudá-la… enquanto a maioria dos homens são “estúpidos” (como Chloe mesmo disse).
    Há outra cena, quando a Chloe se machuca andando de bicicleta (eu acho que esse acidente foi proposital .-.) e a Catherine cuida dela… enquanto a Chloe olha fixamente para ela. Ela mostra que gosta daquele carinho… daquela preocupação… e que não quer perder isso.
    Também tem o fato da Catherine ser uma mulher bem mais velha que a Chloe… a Chloe enxerga nela uma certa proteção, como enxergava na sua mãe.

    Enfim, o filme é “profundo” xD. Simplesmente adorei. Minha cena preferida é quando, depois da parte em que as duas fazem amor, aparece a Chloe no táxi dormindo com a cabeça no ombro da Catherine… e na parte que ela leva um buquê de flores no consultório dela. *-* Achei fofo. hUAHUAHUA.

    Meu “gaydar” não apita pra Julianne Moore (não mesmo). E não apitava pra Amanda Seyfried… até esse filme. *———* Se alguém tem dúvida de que ela é linda… vejam a entrevista que ela fez falando sobre o filme (está no youtube), simplesmente deslumbrante. *—*

    • Jac disse:

      Fico contente de ter incentivado alguém a ver o filme xD Agora comentando seu comentário (xD):

      “Acho que naquele momento surgiu o sentimento pela Catherine, pois foi ela quem se preocupou em ajudá-la…”

      Sim, foi nesse instante mesmo. O prendedor de cabelo (acho que tinha um nome mais especifico isso, mas nao lembro) é o símbolo do amor da Chloe. Quando a Chloe oferece o prendedor está oferecendo na verdade o amor (ai, que fofo).

      E aproveitando pra responder a B., no final quando a Catherine usa o prendedor significa a aceitação do amor da Chloe, mesmo com o destino que ela levou. E tbm é uma forma da Catherine levar sempre perto do corpo dela a representação da Chloe (sexy isso ahahahah).

      “a Chloe enxerga nela uma certa proteção, como enxergava na sua mãe.”
      Sim xD É uma espécie complexo de Édipo ahahahaha O filme começa com ela se arrumando e mexendo no prendedor de cabelo que era o que representava a mãe dela. Depois ela transfere os sentimentos pra Catherine que tinha um ar maternal xD

      “… e na parte que ela leva um buquê de flores no consultório dela. ”
      Foi só nessa cena que eu percebi que Chloe amava a Catherine. Antes ainda ficava aquela dúvida se elas tinham se pegado só por sexo. Bem, se eu dormisse com uma prostituta na condições que aconteceu no filme, eu não ia saber se foi algo “profissional” ou não xD Ia ser uma situação constrangedora ahahahaha

    • And disse:

      M.n tentei encontrar a entrevista da Amanda sobre sua personagem Chloe mas somente encontrei sem legenda,infelizmente meu inglês é precário.Dá para você me dizer se há a entrevista legendada ou se possível, o que ela falou você pode nos dizer! ?Ah! Tem também no youtube uma entrevista com a Julianne Moore. Alguém pode nos ajudar!

      • Jac disse:

        Então, qual vídeo exatamente?

        Bem, achei esse vídeo sobre a cena de sexo com a Julianne Moore (que imagino que seja a parte q o povo tem mais curiosidade) :
        http://www.youtube.com/watch?v=Vo2MX5GOpAk

        No vídeo ela diz que estava com muito medo. Aí ela meio que explica que intimidade é algo meio assutador pra maioria das pessoas e que elas tiveram que trabalhar como um time (aí ela ri). E ela conta que a mãe viu a cena, o que foi meio estranho, e que ela quer que os pais vejam o trabalho do qual ela é tão orgulhosa (no caso, o papel de Chloe, não exatamente a cena de sexo ahahahahaahahahah) mas não a cena de sexo (mas eles vão ver de qlqr jeito).

        • LIVIA disse:

          Jac… que legal, vc mudou, agora é um site e não mais um blog??
          Então assisti esse filmes já, há uns meses atrás. Eu já vi todos os filmes lésbicos possíveis…rssss
          O filme é perfeito, vc percebeu que no final a médica tem o prendedor em seu cabelo? Estranho não? “Quando se esquece rasga, não se rabisca a agenda” Porque ela não jogou fora?
          Ah e só um detalhe, eu sou piscótica.. por isso adoro esse filme e já assisti várias vezes bjossss

          • flexoeslesbicas disse:

            Lívia, o blog continua sendo blog, só que agora temos um endereço fodão (.com.br) ahahhahahahahah

            Se você notar no post eu comentei com cor mais clara sobre o prendedor =)

  8. And disse:

    Realmente concordo com Amanda, Chloe é um filme da qual ela tem de se orgulhar pois está perfeita. Todos os gestos, todos os olhares,o que está dito sem palavras, inclusive devo admitir que ela está mais concentrada e a vontade no papel do que a grande atriz Julianne Moore. Com li em um site sobre filmes “O Preço da Traição é muito mais um filme adulto pelo tema abordado do que por suas cenas eróticas que, filmadas com beleza ímpar – e nisso Julianne Moore só ajuda -, deveriam ser assistidas por adolescentes que acessam conteúdos impróprios na internet para quem sabe purificá-los com o que há de melhor nesse gênero cinematográfico.” Eu acrescentaria, além de Julianne o filme se engrandece com a presença de Amanda Seyfried que se entrega de corpo e alma ao personagem Chloe.

  9. and disse:

    Concordo com você em tudo sobre o filme Chloe. Estamos empatadas, pois a partir deste filme me apaixonei por Amanda, mas ela não sabe. Ela está estonteante, os olhos, a interpretação. Ai cadê meus sais!! Me abana!!!

  10. bella angels disse:

    esse filme é bom e muito engraçado
    chloe ela é uma safada + ela é fofa se apaixona incondicionalmente pela juli q amorr

  11. ingrid disse:

    eu tbm sempre tive uma queda por pscicopatinhas entao nao sou só eu? que bom agora me sinto mais normal ouuuuu eu e a jack precisamos de um psicólogo urgente!!!
    Eu acho que oq mais nos afascina nas pessoas psicopatas é que vc nunca sabe oq elas estão pensando realmente,elas sao um livro fechado,parece que nunca vamos poder decifrá-las,é sempre um suspense…elas são imprevisíveis e todas elas no fundo são motivadas pelo amor,óbvio traumatizadas,são obesessivas(que para uma pessoa carente é como um olho para um cego).
    E se pararmos para pensar o inverso das coisas citas acima é o fato principal da destruição dos relacionamentos…

    E querem coisa melhor que um psi (menos que ela nao te agrida)
    fazer uma loucura ou qualquer merda pq ta disturbado ta louca pirada de amor por vc (o meu gosto romântico e meio dramático) que seja.
    Bom eu vi esse post ontem e fiquei a noite refletindo no comentario que faria hoje pq a minha internet é aquelas tipo de chavinha que tem que pagar e tinha esgotado o tempo ..ai eu eu vi no noticiario uma noticia ..e tava escrito bem grande assim” pscicopatico tenta di ammazare la fidanzata italiana perché essa ha rifiutato il suo amore via internet” pscipata tenta matar a namorada italiana pq essa recusou o seu amor pela internet.
    AI eu comecei a dar risada que nem uma louka …e todo mundo olhou pra minha cara tipo!!! ( nao tem graça)
    aiii agora pra finalizar o post..DEUS ME LIVRE TER UMA PSICOPATA NA MINHA VIDA ..

  12. Ka disse:

    Oi girls, bem, já tinha visto em vários blogs e sites lesbicos sobre esse filme, + ñ empolguei em assistir o filme pq ñ tinha 1 romance entre elas….enfim depois d lê esse post fiquei curiosa p v esse filme, e oh, a loira é gata, adoooooooro ruivas + a ruiva parecia tão tensa na cena delas na cama….q nem romance sairia dali rsrs + eu achei bonitinho a loira toda sentimental c a ruiva, eu particularmente achei a cena delas na cama fraca, + gostei da atuação da loira, o filme em q ela fica c a Megan Fox, o bjo delas foi top rsr agora nesse filme a ruiva mal encostou na boquinha da loira, ôhhhhh boca carnuda viu rsrs boa p morde rsrsr enfim, o filme é legalsinho por causa da linda loira rsrs adoro a ruiva como atriz e ela tb é linda ne rsrs + nesse filme ai tadinha deu ñ rsrsrs a loirinha foi show de bola, toda romantica, gracinha ela rsrsrs

    P.S Jac curti d+ o blog, top d linha, qq hora eu posto minha historinha d recém chegada nesse muuuuuundo lésbico rsrsrs

  13. Hummmm. adorei como escreve, vou baixar esse flme para mim, do jeito que comentaste a sinopse, fiquei na vontade…

  14. Cristiane S disse:

    Se vc gosta de prostituta que se apaixona, vai gostar da novela espanhola tierra de lobos, da uma olhadinha no youtube o casal crisbel…

  15. Daniel disse:

    Se toda mulher no mundo virar lésbica assim como se todo homem virar gay nenhum pai e nenhuma mãe vai ser mais feliz não é mesmo? Não existirão mais netos, nem famílias, nem nada… mesmo se disser que se pode adotar crianças ainda assim essa criança foi feito por um casal hetero, ou seja homem com mulher, não tem jeito.

    Escolher isso pra si e dizer que é o certo é complicado… eu aceitaria mais se a pessoas que escolhessem isso falassem: escolhi mas é errado! Mas todo homossexual diz que isso é certo e pronto. Botam seu prazer em primeiro lugar e só pensam no seu próprio prazer… a um ano minha filha mais nova entrou nessa, diz ela que gosta de mulher! Se minha filha mais velha disser isso também acabou tudo, nunca terei netos! Será que isso é o correto mesmo? Será justo?

    Sou ateu, 46 anos, cabeça aberta, enfim… este nem é o lugar ideal pra postar isso eu sei, mas como vi tantas mulheres aqui dizendo que amam outras e sentem tesão em outras não me aguentei e postei isso. Se for publicado pela autora espero que ninguém se ofenda e nem me ofenda. Foi só um desabafo.

    • Ale disse:

      Que bonitinho o Daniel…

    • LIVIA disse:

      Daniel… acho que foi a maior besteira que já li em toda minha vida! Já que vc tocou no assunto da reprodução, irei contestar da mesma forma. Você sabe quantos somos hoje no mundo? Mais de 7 bilhões… tem noção disso? O mundo suporta somente 12 bilhões. Você prefere que as pessoas continuem transando e colocando dezenas de filhos no mundo? onde não há comida, emprego, moradia pra todos? Já leu sobre a Índia, China ( que agora tem a política do filho único, por causa da quantidade absurda de pessoas? ou seja as pessoas são punidas, caso tenham mais de um filho,) já leu sobre a África? É inacreditável, que você venha com esses argumentos, sem sentido, vc tem 46 anos? Tenho 25 anos e tenho bastante cultura. Fique tranquilo, que as pessoas não irão acabar, por causa da homosseualidade, até porque o fato de ser homossexual não nos torna inférteis. E tem mais, a homossexualidade existe desde que existe o mundo, e até hoje a população não acabou, ao contrário, continua crescendo em números desenfreados… Vai estudar um todo mundo tem o direito de dar opiniões, mas tem que ter um mínimo de embasamento e fundamento… a sua teoria não faz sentido, entende? bjinhosssss

  16. Aline disse:

    Sou louca pela Julianne desde a adolescência. Nem ligo se ela tem quase 30 anos a mais do que eu. E a Amanda também marcou uma ótima presença, rsss

  17. lerepi disse:

    Amei o post! Tô perdidamente apaixonada pela Julianne Moore pós esse filme. Concordo plenamente com a percepção da M.n. É notório o cuidado que Catharine tem por Chloe, quando ela caí da bicicleta (acho muito expressiva essa cena, pois Catherine fica seguindo ela com os olhos. Assim como fazia da janela do seu consultório), quando elas saem do quarto de hotel e Chloe espirrando. Amanda arrasou no filme! Moore aparentava desconforto, os beijos eram “feios” e cena do sexo foi mediana por conta dela.

    Não tinha entendido o simbolismo dela usar o “prendedor” da Chloe, achei lindíssima a explicação da Jac “no final quando a Catherine usa o prendedor significa a aceitação do amor da Chloe, mesmo com o destino que ela levou. E tbm é uma forma da Catherine levar sempre perto do corpo dela a representação da Chloe (sexy isso ahahahah).”

    No youtube tem dois vídeos que achei interessantes:: um com duas cenas que foram cortas (nome do vídeo Chloe – Deleted Scenes) e outro com dois finais alternativos (nome do vídeo Chloe Alternative Endings)

    http://www.youtube.com/watch?v=PNSJKHlHIOo&feature=watch_response

  18. lerepi disse:

    Tem dois vídeos no youtube interessantes sobre esse filme. Um com duas cenas que foram cortadas (nome do vídeo Chloe – Deleted Scenes) e o outro com dois finais alternativos (nome do vídeo Chloe Alternative Endings).

    http://www.youtube.com/watch?v=PNSJKHlHIOo&feature=watch_response

  19. Di disse:

    Esse fime foi escrito por uma mulher talentosa, Erin Cressida Wilson. Intrigou Egoyan (diretor) que viu nele “o estudo de um casamento”.
    “O preço da traição” baseou-se no filme francês “Natalie”, de 2003.

  20. :)) disse:

    Moore tem horas q atiça meu radar e tem horas q nada.

    A verdade é que ela participa da categoria foto-no-instagram-“malu-é-minha-mulher-bla-bla-bla-chama-o-fantastico”

  21. Poppy Lovely disse:

    Amo a Amanda, ainda não assisti esse filme, mas só de olhar esse rostinho o filme já vale a pena.
    Não sou lésbica nem bi, mas como diz Katy: “a beleza feminina é poderosa demais para passar despercebida”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *