Existe lésbica boazinha? – Parte 2

No post anterior já descobrimos que não há lésbica boazinha. E só-pra-me-contrariar surgiu comentários “eu sou boazinha”, mas ahã, acreditei. Garotas boazinhas não dizem que são boazinhas! É que nem uma regra que eu tenho de nunca, NUNCA, confiar em alguém que diga “pode confiar em mim”.

Agora nos resta saber por que diabos não existe lésbica boazinha. Pensei, refleti, flexionei e pensei mais um pouco e achei três teorias:

O Meio Nos Torna Assim

Quando estava em início de carreira lésbica, você, colega, era a pessoa mais boazinha do mundo. Só pensava na sua namorada, fazia de tudo para tentar agradá-la, dava toda a atenção para os dramas dela, se corrigia em coisas das quais ela não gostava muito em você… Enfim, você era uma alma pura, bondosa e ingênua. E sua namorada já era uma raposa felpuda do meio lésbico e já tinha certo passado. Mas você preferiu ignorar essas evidências e acreditar que as coisas entre vocês iriam dar certo. Mas elas não deram.

Então veio a segunda namorada e você pensou consigo: “vou ser mais boazinha, vou tentar melhorar e dessa vez vai dar certo.” Mas as coisas também não deram certo. Aí você chegou a conclusão que ser boazinha não adiantava na-da.

E você começa a reproduzir o comportamento bitch aprendido com suas namoradas. E começa a partir corações puros, bondoso e ingênuos também. E esse comportamento vai se reproduzindo, reproduzindo e reproduzindo igual pobre sem TV.

(Mas, se serve de consolo (cof), quem te tornou bitch também é uma vítima do sistema).

Lei da Oferta e da Procura

Você, colega, era originalmente boazinha. Não pegava ninguém só por pegar, não tentava fazer ciúmes para sua namorada, não pagava de pegadora no orkut, ligava para a sua peguete quando dizia que ia ligar. Um anjo de candura!

Mas então um belo dia, sua namorada decide terminar com você. E ela certamente usou um discurso com algumas dessas frase:

-“O problema não é com você, é comigo”. (Essa frase é tão batida – inclusive no meio hetero – que existem as variantes como “eu não estou numa boa fase”, “eu não te mereço”, “não acho justo você se dedicar tanto a essa relação e eu não” e qualquer frase que ponha a culpa em quem está terminando);

-“Eu gosto de você. Mesmo. Mas não desse jeito.”

-“Se eu pudesse escolher, me apaixonaria por você. Mas a gente não manda no coração.”

E você tenta entender e se recompor do término.

Duas semanas depois você a vê com outra. E a vê sofrendo pela outra. Ela terminou o namoro com você, que era a boazinha da relação, para ser a boazinha da outra relação. E a nova namorada da sua ex é uma bitch de marca maior.

E você compreende que mulher gosta de mulher cafajeste. Daquelas que te fazem chorar três dias seguidos para te dar um presentinho no quarto (…”quarto” de “quarto dia”, claro) e você se sentir na nuvens com um pouco de atenção.

Logo, para você ter uma mulher nas suas mãos e poder manté-la por um tempo consideravel, você precisa virar bitch também. Você precisa se adaptar para sobreviver! [/Darwin Lamarck alguma teoria biológica]

Desprendimento dos Padrões Impostos Pela Sociedade

Quando você estiver voltando para seu lar com outra mulher e sua vizinha de 84 anos ver vocês duas juntas, não fará muita diferença se vocês estiverem de mãos dadas discutindo sobre terem filhos ou se estiverem se agarrando lascivamente.

Honey, a sociedade já te odeia por você ser lésbica. Não faz diferença se você for lésbica boazinha ou uma baita bitch.

Você pode sair por aí e piriguetiar à vontade e se bobear ainda sai com fama de pegadora. Agora, se você fosse hetero, sua fama ia ser de algo entre fácil e piranha-galinha-vaca-cachorra-llama-arara.

Talvez  uma dessas três teorias esteja certa, ou seja o conjunto ou talvez uma quarta teoria.

Claro que eu estou generalizando e talvez haja uma (ou até duas!) lésbica boazinha (maior de 18 anos), mas é FATO que a grande maioria não é.

O que vocês acham? Existe sim lésbica boazinha? Não existe? Por quê?

Compartilhe com a irmandade!Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on TumblrShare on Google+Email this to someone
Esta entrada foi publicada em Classificações, Reflexões e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

32 respostas para Existe lésbica boazinha? – Parte 2

  1. Camilíssima. disse:

    Aiai ri TANTO com esse post…e acho que eu me perdi nessa classificação de ‘lésbica boazinha’…talvez porque julgar não caiba, porque cedo ou tarde estaremos “tragadas pelo sistema”, como você mesma já disse em outras palavras aqui…
    Enfim, vamos “Viva La Vida” *-*

  2. Dora disse:

    Senti indiretas no ar 0.O

  3. Gabriela disse:

    Primeira vez que venho ler e curti ^^ mas, resposta à sua pergunta… não acho que exista nem lésbica e nenhuma outra pessoa inteiramente boazinha. Acho que depende. Pq, às vezes, um comportamento ruim pra mim, pode não ser tão ruim pra vc. E de repente, quem acabo achando uma super-vaca, pra vc nem é. Ah… e não sei se vc concorda, mas tem atitudes que as pessoas tomam com a gente e achamos horríveis, mas aí vem a vida e coloca na mesma situação… e pra surpresa, acabamos agindo como agiram conosco, justamento por começar a entender o que fez aquela pessoa agir daquela forma qdo foi a nossa vez. Mas que é horrível de ouvir “não é nada com vc, é comigo…”, isso é. =]
    Curti! Vou acompanhar sempre =D

  4. carol barbosa disse:

    posso acrescentar uma frase q é ótema p termino de namoro, independentemente da sua opção sexual….

    “minha vida tá complicada, mo correria…. (aqui usualmente vem a desculpa esfarrapada, trabalho, estudos, escalar o himalaia, whatever)”

    eu já escutei essa merda… (meu mundo hetero tem uma colidência de motivos com o lésbico q é sinistro) nem padre quevedo explica

  5. Gabriela disse:

    ah sim… e pior mesmo eh ouvir todas as frases citadas numa “terminada” só. haha

  6. Jac disse:

    Acho que é menos pior um término porco. Pelo menos vc é avisada que a relação acabou – sem ser por outros meios.

    Vou colocar Traição na minha lista de assuntos, mas confesso que não me sinto mto inspirada pra pensar mto no assunto por enqto xD

    (Tenho um assunto mais interessante pro próximo post =X hihihi)

  7. Angel disse:

    DEFINITIVAMENTE N-Ã-O’ EXISTE LÉSBICA BOAZINHA… SE FoR MEDIR POR PORCENTAGENS DE 100 LÉBICAS 1% É BOAZINHA VAAI, MAIS ESTAS SÃO AS QUE ESTÃO INICIANDO A CARREIRA LÉSBICA AGORA….PQ DEPOIS DE 1 ANO, ACHO ATÉ MUITO ELAS SERÃO EX’S BOAZINHAS QUE É O MEU CASO HOJE, SOU UMA EX BOAZINHA xD

  8. diariolesbico disse:

    Muito boa, ri pra caki…rs

  9. Beta disse:

    Existe hetero (homem) bonzinho??

    • Jac disse:

      Olha, homem não é bem minha especialidade, mas eu conheço um =) Meu melhor amigo não é assim um saaanto, mas é bem bonzinho ahahahahha

      ps. e tá namorando kkk

  10. Caroll disse:

    Todas as lesbicas que conheço – e é todas mesmo – são bitch, até minha ex é. Então realmente afirmo, não existe lésbicas bozinhas e em último caso, se estiver é 1 entre 1 milhão, então nem faz 0,00001%. O.O

  11. jOan disse:

    Acho que eu e minha namorada somos exceções. Pode ser pq somos iniciantes…
    Já temos mais de um ano de namoro e pensamos em casar.. =)
    Somos fofas! ^^

  12. su disse:

    Minha (e todas nós) querida Onassis… Ao longo de minha breve existência (pq velha é a vovozinha), fui uma “hetero” very má. Me “tornei” bi (posto “caiu na rede é peixe”) e desde entaum eu era uma lesboazinha, uma vez acreditar que minha (experiente) esposa era dessa categoria (lendária.. no sentido de NÃO EXISTENTE). Numa bela manhã de sol, descobri que minha gata é “Very, Very, Bad, Bad Girl” (Gaga)… desde entaum estou levemente inclinada à quebra de algumas regras sociais (se é que me faço entender). É muito chato descobrir que as pessoas são normais, porque SOMOS SIM naturalmente poligâmicos!

  13. su disse:

    OBS: Meninas boazinhas vão para o Céu… Meninas más vão para onde querem e desejam (é o que eu insisto em repetir para euzinhamesma!).

  14. Na minha opiniao so em começo mesmo de carreira que nos(lesbicas)somos boazinha depois da primeira relaçao geralmente agente num é mais nao BAD BAD BAD GIRL

  15. Biazinha disse:

    Jac..como vc sabi a historia da mh vida..???.
    Tipo aconteceu isso,a garota terminou comigo pra fikr com a maior piriguet…
    eu xorava q nem uma troxa né?sofria como jogo de FLA x FLU…
    dissi q nao dava,pq me amava mt mas tinha q terminar..e falou akele montes de mentiras..jurou q nao ia terminar p causa de mulher nenhum..enfim descobri q ela ja tinha outra,e eu nada d pegar as gatinhas p causa da vaca…um dia discutimos eu dissi q ela ia passar as mesma coisa q passei com ela..porem ela dissi q nao,q ela iria da p outra tudo q nao me deuuu…resumo ela se fudeu pq a outra trminou com ela,e parece a outra nao ta nem ai pra ela..

    Mas nem p isso dexei d tentar ser boazinha…soh nao sei se vou acertar na pessoa..mas vou tentar..!!!!

    Mas ta dificil,ta parecendo a caça as BRUXAS..porem lesbiks

  16. Desa disse:

    É verdade, não existe lésbica – ou qualquer outra pessoa, em qualquer classificação sexual – que seja um anjo! Todos tem segredos… Everybody lies!!!

  17. Mah disse:

    Fiquei com medo agora! Sou uma lésbica de inicio de carreira (=P) e, seguindo essa teoria, nunca vou achar uma menina que queira uma relação duradoura, com cumplicidade e tudo mais que os contos de fadas garantem que encontraremos em nosso grande amor .. rs
    Pois é, acho que o caso é virar bitch de uma vez, e assim pular as lágrimas, os poemas de amor, os sorrisos fora de contexto (tipo quando você anda na rua, com cara de idiota apaixonada, e encontra um conhecido que logo lhe pergunta qual música você está ouvindo, pra estar rindo sozinha) e aquele dramalhão todo de ‘amor da minha vida’ .. haushaushaus
    Difícil é conseguir driblar aquela voz, baixinha e insistente, que fica martelando: ‘mas e se (esse maldito ‘.. e se’) ELA for diferente’
    Mas, pensando agora .. e se duas meninas que nunca tiveram nenhum relacionamento se encontrarem e forem a primeira uma da outra, será que podemos ver ae um namoro de boazinhas? (seguindo a teoria de que bitchs se formam a partir de desilusões)

    Li vários posts já, porém é o primeiro que comento .. minhas flexões são fraquinhas, ainda uso os joelhos para elevar meu corpo .. rs
    Você é realmente incrível Super-Malhada-Jac =D

    • Priscila disse:

      Me identifiquei com o primeiro parágrafo desse comentário o_O mas prefiro não me tornar uma bitch pra não fazer as garotas o que eu não gostaria que elas fizessem comigo, parto sempre desse princípio, uma das minhas filosofias de vida 🙂

  18. Alice disse:

    bem isso mesmo, eu nunca namorei mas cada vez q eu ficava com alguem logo depois eu descobria q elas tinham namoradas, agora meus amigos me chamam de pegadora ( bem o q tu disse ai em cima, hsuahsahshahshashas) to bem bitch agora, mas sei lá eu ainda tenho esperanças q eu vou encontrar alguem fiel q queira um relacionamento sério, uma menina mais boazinha do que bitch 🙂
    e pode se dizer q eu estou em inicio de carreira! HSUAHSHAHSUAHUSAAS eu tenho 18 anos e “começei” em fevereiro desse ano e já estou assim :/
    aff, mas as esperanças são as ultimas q morrem não é?! xD
    e eu acho q eu não estou completamente “estragada” ainda e espero não ficar assim nunca *–*

  19. Joana disse:

    Eu sou um anjo, de verdade, bem boazinha, meiga, carinhosa, me importo com a pessoa que está comigo etc
    Mas deve ser pq to em início de carreira, na verdade ainda nem comecei 😀

  20. Bia disse:

    Eu li o post já pensando em contrariar de novo a sua teoria kkkk Mas na segunda parte analisando bem vi que vc tem razão. Eu estou namorando, e me considero 90% boazinha, pq cumpro a risca as regras dentro no namoro e mereço uma medalha por bom comportamento kkkkk minha namorada tb é do tipo boazinha, mas isso só acontece pq EU tb sou boazinha com ela. Eu disse 90% pq os outros 10% é a bitch que mora em mim e está de prontidão pra qualquer deslize dela, suposto ou confirmado. Ex: todas as possíveis peguetes, estão no time de reserva, e a qualquer sinal estão prontinhas pra cair nos meus braços kkkkk Ou seja, mulheres são sempre mulheres, e uma vez que tenham se decepcionado a primeira vez fica fácil ser uma bitch completa com as outras, mas isso não precisa necessariamente acontecer. Acho que é mais uma espécie de defesa nossa, pra não nos magoarmos muito, caso aconteça o pior.

  21. Amanda disse:

    “Honey, a sociedade já te odeia por você ser lésbica.” kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  22. loren disse:

    Eu sou boazinha e já fico com mulheres desde 16 sou sim ta!

  23. Káh disse:

    OK,que se foda!…eu sou estilo boazinha,e pretendo continuar agindo dessa forma,pois parto do seguinte principio,só namoro com com alguém se realmente gostar muito da pessoa,sendo assim procuro fazer de tudo pra o relacionamento da certo,porém se caso esta pessoa não compartilhar do mesmo sentimento e acabar me deixando pra ficar com uma cafageste,problema é dela,aí eu lavo minhas mãos e deixo ela ter as desiluções dela sozinha,não sou do tipo que fica correndo atrás,fez suas escolhas,arque com as consequências,afinal sou boazinha não idiota,posso até chorar por uma semana,mais não passa disso,tenho muito amor próprio pra me rebaixar por qualquer pessoa.

  24. Mari disse:

    As duas primeiras teorias fizeram o maior sentido pra mim.
    Estou cansada de ser boazinha e só me ferrar, enquanto as cafajestes se dão bem.
    O negócio é entrar na dança, infelizmente.

  25. Dani disse:

    Sou bem boazinha e minha namorada também…. (pelo menos é o que acredito…RS!!!)… Acho que agir de maneira diferente dessa é “fazer o jogo do opressor”, sabe?!? É agir da maneira como os preconceituosos esperam que a gente aja…
    Ok ter uma relação aberta…, ok sair com todas…, desde que todas saibam ser parte de um “todo maior”, sem moralismos…, mas desonestidade é desonestidade no mundo HT e HM…

  26. Catfish disse:

    Jac, essa história de mudar e deixar de ser boazinha (aqui leia “burra”) não é só com lésbicas.
    Sou hetero e mudei mto, após levar tanta porrada da vida, em relacionamentos amorosos, mas tbém pela vida em si, traições em âmbito profissional, de amigos q descobri não serem amigos.
    Especificamente no âmbito sentimental, creio q ser cafajeste é questão de sobrevivência para heteros tbém. Se eu não tivesse virado uma garota má digamos, teria me ferrado mto mais.
    Eu gostaria era de um amor de cinema, com um homem me amando e me trazendo flores no café da manhã. E eu nunca trairia ele. Mas é um segredo q guardo só pra mim 🙂
    Na vida real eu sou má. Bateu , levou e se vejo q vou me ferrar, ferro antes o cara. Assim vou vivendo. 🙂
    Imagino – ou não – como é mais forte isso p/ lésbicas. Me tocou bastante “a sociedade já te odeia pq vc é lesbica”. Mta força pra vcs.
    Q um dia tenhamos o direito d viver como nosso coração manda sem sermos odiadas por isso
    Bjos, mto legal seu blog 🙂

  27. carla disse:

    minha namorada é boazinha e eu sou meio bitch o que comprova sua teoria

  28. Larissa Souza disse:

    Complicadíssimo esse assunto… Essa transição de boazinha-de-início-de-carreira pra bitch acontece quando a pessoa agia com os outros em mente (seja a namoradinha ou a pequena parcela da sociedade [família/amigos] à qual ela “deve” algum tipo de satisfação) — pelo menos de acordo com a sua análise.
    Mas e quando a guria e “boazinha” porque se sente assim, faz parte dela, do jeito dela, independente do resto do mundo, de como as outras pessoas a veem, de como a afetam, etc.?
    Quando a guria é exclusivamente monogâmica porque sente que, pra ela mesma, é ideal, é mais satisfatório, independente de qualquer visão moral sobre o assunto (se é certo ou errado, tanto faz; o que importa é que eu não curto me relacionar com mais de uma pessoa ao mesmo tempo)?
    Quando a guria trata bem a namorada, é atenciosa, dá valor à relação, porque isso vai contribuir não só pra felicidade da parceira, mas pra felicidade dela também?
    Talvez vc simplesmente tenha usado o termo errado. Em vez de “boazinha”, vc tinha que ter colocado “perfeitinha”. Essa aí que não existe; aí é fato.
    Mas a “boazinha”, acho eu, existe.
    Me encaixo em todo o perfil que vc traçou como “boazinha”. Me sinto bem sendo assim. Não é um artifício pra atrair alguém (estou solteira há anos, porque simplesmente não vejo graça em pegação, e prefiro esperar por algo que valha a pena, me traga algum tipo de crescimento pessoal). Não é uma máscara para satisfação alheia.
    Faço parte de uma minoria, claro (raríssimo encontrar quem pense como eu). Mas as “boazinhas” existem.
    BTW, me assumi lésbica aos 17, e tenho agora 22 anos. (Só pra constar.)

  29. Valéria disse:

    Qual o problema de ser Boa”zinha”?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *