The Real L Word – s01e01

Yey, saiu finalmente o primeiro episódio de The Real L Word!

Para começar o show calando a boca de quem disse que The Real L Word seria somente uma exploração do sexo lésbico os produtores decidem fazer  uma entresvista incial com as particpantes falando sobre… suas primeiras experiências sexuais lésbicas!

Rose: Não lembra do nome da mulher com quem ela teve a primeira experiência, mas ela  estava assustada. “Nunca tive um peito na minha boca ou nem próximo da minha cara.” E no final ela só queria aquela sensação mais e mais e mais.

Nikki: Ela foi a “agressora” já que a outra estava com receio sobre o que fazer com ela. Já sabemos quem manda na cama no Nikkill (Jillki? Ok, acho que não poderemos juntar o nome do casal).

Jill: Ela se perguntou se aquilo era certo e comparou com a vez que ela perdeu a virgindade. Mas o que eu realmente queria saber é se foi com a Nikki.

Tracy: Viu a luz no final do túnel e de repente tudo se encaixou. Provavelmente chorou na cama falando que as bolas verdes se tornaram folhas nas árvores e que ela precisava de óculos. Ou sou eu que estou me confundindo.

Whitney: Merece o depoimento com-ple-to:

“Eu tinha 9 anos, ela 11. Ela tinha peito. Nós estávamos tentando ser românticas e sexys. E eu estava “Oh, deixe-me colocar chantily por tudo e lamber.” Eu não tinha chantily, mas eu tinha sour cream (isso). Então eu coloquei sour cream nos peitos dela e pensei em deixar doce e colocar Fruity Pebbles (isso) por cima. Aí eu comi. Só estou falando.”

Mikey: Ela realmente estava “empolgada”, tanto no depoimento quanto na primeira vez. “I was super fucking horny.” “I was literally eating pussy the first fucking time”.

Impressionante, mas o que realmente tiveram coisas que me chamaram mais a atenção:

– As roupas que sobraram do closet (cof) de The L Word. Todo mundo estava fantasiado de Bette! Mas isso me fez perceber que eu tenho quedinha por mulheres de terninho branco…

– A entrada da Mikey que me deixou com vontade de me esconder em baixo da coberta de tamanha vergonha alheia que eu senti.

Em seguida às entrevistas, aparece a abertura.  Confesso que prefiro o tema de The L Word, mas enfim… Achei a abertura bem com cara de reality show apresentando as protagonistas com os nome e tal.

***Nikki e Jill***

Olha, geralmente eu não gosto muito de casais perfeitos, mas eu tenho que admitir que toda essa áurea familiar e de boas moças da Nikki e Jill me faz dizer “own” e desejar ter uma vida quase-hetero como a delas.

No começo do show, elas explicam a relação delas e mostram fotos da infância quando o irmão da Jill era namorado da Nikki e por aí vai.

E por “por aí vai” entenda-se “começam o serviço de pedicure in home”.

Tudo muito lindo, tudo muito familiar. E você pode estar se perguntando:

“Mas elas são lésbicas. Cadê o drama?!”

A-há. Há drama sim. Após uma rotina matinal conversando sobre a ansiedade da separação de malas (???) do Morgan (cachorrinho delas), elas sentam para discutir detalhes sobre o casamento ilegal. E é aí que a coisa fica preta.

Nikki: Olha, olha, olha! Achei o seu vestido.

Jill torce o nariz.

Jill: Bem, você tem que se sentir bonita e confortável, então…

Nikki: Por isso vou olhar agora os ternos brancos da D&G e Gucci.

Jill: Você…

Terno branco?

Nikki: Olha, baby love.

I'll make it wedding sexy.

Jill: Você ficaria linda, mas eu amaria ver você tentar um vestido.

Nikki: Eu não quero nós duas em vestidos brancos parecendo gêmeas pelo corredor.

E depois acham que é fácil ser lésbica!

I'm marrying you. It's so crazy.

***Mikey***

Para o meu desespero we meet Mikey. Ela é a única que provavelmente trabalha do show (enquanto as outras fazem sexo e planejam casamento).

A impressão que eu tive até esse momento é que Mikey se acha A fodona do pedaço. You know, dizendo frases feitas como:

“Muita gente acha que eu sou essa butch durona por causa das tatuagens. E na verdade eu sou macia por dentro [/tradução tosca]. Mas eu ainda vou te fuder se você cruzar meu caminho ^_^”

Mas depois de eu ver Mikey realmente trabalhando, meu conceito sobre ela foi de 0 até… uhm… 7.

-Ela inventou códigos para dizer para a assistente quando os modelos são ruins;

3 - Não é nem bonito, nem sabe desfilar.

-A única modelo que ela elogiou provavelmente é… bem, vai dizer que o gaydar não apita?

-Ela sabe engrossar com as pessoa. A agência de modelos estava mandando qualquer um fazer o casting o que fazia Mikey perder seu precioso tempo. Então ela liga para a agência e…

“Tem um mal-entendido aqui. Exato, eu… [escuta] Se eu fosse você, eu seria bem mais cuidadosa com a forma que você tem essa conversa comigo porque eu realmente sou boa em trabalhar sem nenhuma agência, e nós produzimos todo o LA Fashion Week. Você não precisa mandar ninguém aqui sem um book, e sem um comp card, okay? [escuta] Vem cá. Nós nunca mais vamos trabalhar com sua agência de merda. Nunca mais ligue pro meu showroom.”

E então ela expulsa-todas-as-modelos!

Models, out.

Tem como não amar depois dessa cena?

E a impressão que eu tive da namorada da Mikey não é das melhores… Que tipo de maquiadora profissional fica se maquiando no meio do trabalho?

***Tracy***

E finalmente a Tracy aparece. Ela começa a contar a história de como descobriu que era lésbica e rola um certo drama boring com a mãe dela, mas a parte mais interessante é essa mesmo:

Nada contra Tracy (jamais!), mas eu não sinto que ela tenha uma história mesmo no programa. Por exemplo, quando a namorada da Tracy aparece, é basicamente a história dela que está sendo contada.

Eu não estava imaginando que a Stamie tinha três filhos com outra mulher. Fiquei bem surpresa, imaginava que era de um casameno hetero. E por curiosidade: o filho mais velho é filho biológico da ex e os gêmeos são biológicos da Stamie.

Acho que Stamie tem uma história bem mais interessante para ser contada do que Tracy. You know… “mãe lésbica separada”. E a ex da Stamie cumpriu o papel de ex achando sapatos de salto-alto pelo gramado que obviamente não eram da Stamie.

Ah, sim, com relação a Tracy ela disse o previsível: não é fácil entrar numa relação com um pessoa com três crianças, mas que ela está se esforçando.

***Rose***

Definitivamente Rose é toda metida a baladeira e a bad girl. E ela é do tipo que griiiita. E eu não gosto de gente que griiiiita!

Mas após a uma noitada gritaaaando muito e não pegando ninguém (?), ela leva… rosas (!) para a namorada que preferiu ficar em casa dormindo. Isso é o que eu chamo de confiança.

E nós também temos certo drama com a mãe da Rose. Nenhuma mãe porto-riquenhas aceita uma filha lésbica? Enfim… o resto da família aceita. E o resto da família está bem contente com as mudanças provocadas na Rose pela namorada-boazinha-normal (aparentemente a ex causou alguns problemas). Por isso eles a adoram.

E para a Natalie agüentar a Rose pegadora-de-balada e agüentar tio da namorada cheio de simpatia pra cima dela, ela deve ser muito santa… ou gosta muito da Rose mesmo…

E então no meio de uma conversa-de-bêbado-da-visita-de-final-de-semana nós temos o melhor momento da Rose:

Tio-Bêbado: Ah, a vida é curta nós temos que aproveitar! Temos que fazer o melhor possível!

Natalie-Querendo-Dar-Indiretas: É, nós temos que fazer o melhor possível, nós temos que fazer bebês.

Rose-Chocada: Nós temos que o quê?

Natalie: Ter um bebê… Nós vamos engravidar.

A conversa começou a tomar o rumo sobre quem vai ser o doador quando Rose decidiu cortar. Mas you know… você não pode parar uma lésbica com instinto maternal batendo a porta.

Após todo o embarazo (cof cof) causado no jantar em família, elas vão para o Crown Bar como toda lésbica de L.A. Afinal, o que poderia dar errado na night que é o território da Rose, não é mesmo?Preciso dizer que estou amando a Natalie? Mas se mais alguém está torcendo para Roselie (Natase? Uhm, acho melhor Rosalie), não precisa se preocupar. Como diz a poeta Whitney:

“Uma coisa sobre as lésbicas é que você pode ir da briga pro sexo basicamente na mesma noite.”

***Whitney***

Whitney é sem dúvidas a rainha desse episódio.

A primeira “ação” do show é Whitney indo buscar duas amigas que estão vindo de San Francisco. Taylor é amiga dela há anos e Sara… bem… as duas tiveram um caso no passado e “potencialmente no presente”.

As três se encontram depois com mais amigos de SF para tomar chá e comer bolo e começam uma discussão sobre, vejam só, as lésbicas de L.A. Aí uma aleatória lá até que diz algo interessante:

Eu não encontrei nenhuma festa boa, garota, ou algo bom. Eu não quero ir a festas onde só é femme, femme, femme ou futch, sabe? Femmes que pensam que são butch. São só garotas com cabelo curto.

Como assim? Existe esse tipo de lésbica? Na minha cabeça ninguém gostaria de se passar por butch se não fosse realmente butch. Só para se mais discriminada? É como ser hetero e se passar por lésbica. Não faz sentido! Não existe gente assim!

Em depoimento Whitney responde que não diria que L.A. é cheia de femmes, mas de lésbicas mais polidas e ainda tira uma onda com as lésbicas de NY (que provavelmente será a próxima cidade de TRLW).

Depois disso, obviamente teve…

-Momentos nhenhenhe entre Whitney e Sara.

-Momentos de drama com ex que sai do bar chorando.

-Momentos dando-em-cima-de-colega-de-show-sem-saber. (Não falei que os cameramen recebiam treinamento ninja? Elas nem perceberam que tinha um seguindo a outra)

Prazer em te conhecer, gata!

-Momento ciúmes. (Acho a Sara mais bonita que a Tracy, #prontofalei)

-Momento sexo de reconciliação.

-Momento de partidas.

-Momento de novas chegadas.

Whitney é sem dúvidas a rainha desse episódio.

Compartilhe com a irmandade!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on Google+
Google+
Email this to someone
email
Esta entrada foi publicada em Mídia e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

11 respostas para The Real L Word – s01e01

  1. Dani disse:

    2 rápidos comentários, na verdade uma pergunta e um comentário :
    Mikey = shane ?
    Tracy= q mulher hein…

  2. Dora disse:

    Hummmmm. A coisa ta ficando interessante. (6)

  3. Bel disse:

    Se Tracy gosta de mãe solteira, diz pra ela q tem uma aki!!! xD

    Rose pode gritaa, mais akela cara de cafa dela é bem interessante…

  4. Y disse:

    Nesse você caprichou! Adorei ;] Ri muito com a sonoplastia!
    Já de férias? (oba, mais posts :D)

  5. Letícia disse:

    Acho que tô apaixonada na Tracy.

  6. ingrid disse:

    a foto que a tracy ta de óculos ela ta parecendo a demi moore e eu amo ela !!

  7. @ainatty disse:

    Whitney rocks. ever *=*

  8. Para a whit (intima ja) é mt complexa.
    Esses momentos de drama dela.. da vontade de corta a garganta !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *