The Real L Word – s01e04

Nikki e Jill acharam algum drama pra mostrar no episódio? Tracy prestou queixa na polícia por assédio sexual do filho da Stamie? Que diálogos românticos Rose e Natalie tiveram? Mikey fez quantas piadas sobre sua masculinidade? Whitney descobriu se a treinadora gostosa é do babado [/gíria gay anos 90]? Em que momento Romi vai surgir inesperadamente dessa vez?

Mesmo que a pergunta da entrevista dessa semana seja interessante, ela é basicamente voltada para o público hetero do show. Não que me surpreenda que TRLW também vise essa audiência, claro.

Sexo Lésbico: O que é? Como é? Existe?

Mikey: “Existe uma grande diferença entre sexo com um homem e com uma mulher. Um eu gosto, outro não.” Hi5, migá! “Quer dizer, tem muito de levantar, levantar pernas, muito de se pendurar no lustre.” Tem como não amar a Mikey?

Whitney: “Sexo lésbico é tudo o que você quer que seja, é por isso que é incrível.”

Jill: “Há muitas formas de fazer. Nós temos mãos, nós temos boca…”

Nikki: “Nós não somos one-hit wonders. Quer dizer, nós podemos fazer e fazer mais.” Tem como não amar a Nikki?

Tracy: “Sexo lésbico é quando duas vaginas se esfregam e não pegam fogo.” Aproveito a deixa para explicar que “sexo seguro” para lésbicas é ter um extintor de incêndio perto para emergências.

Rose: “A conexão entre duas mulheres… Há uma sensualidade. Essa é a razão pela qual sua namorada vai te largar por mim. É um pouco mais do que colocar seu p– na pussy dela.”

***Nikki e Jill***

Nikki e Jill recebem em casa as designers que ficaram de desenhar os vestidos delas. Sim, depois de pensar melhor Nikki decide que vai usar um vestido para se sentir como uma noiva mesmo.

AAAAAMEI, colega!

E depois de os esboços aprovados, as estilistas ficam de pesquisar preços e mandar o orçamento. Jill, como pessoa normal, fica meio preocupada porque ela é uma escritora, i.e. não tem dinheiro. Nikki, como boa milionária, não está nem aí para custos.

Eu ainda vou contar quantas vezes Nikki diz que é rica para ver se o número é maior do que as vezes em que Rose diz que é pegadora.

Mas quando chega um orçamento de $13.000,00 por dois vestidos, Nikki se esquece do seu nome do meio e começa a surtar. Então ela manda e-mail para as estilistas e liga para a Camilla, a planejadora do casamento, e diz que o casamento deve parecer mais caro do que realmente é e blablabla.

Mas o que eu acho fofo na verdade é a Nikki e a Jill gesticulando daquela forma “casalzinho” enquanto falam com a mulher.

No dia seguinte, Jill decide ligar de volta para Camilla para fechar negócio em “sete” (acho super elegante Jill evitando falar “sete mil”) e quando Nikki negocia com ela sente uma vibe estranha de que Camilla não quer mais trabalhar pra elas. Então Nikki começa a surtar dizendo que não deviam pedir para abaixarem o preço e que isso é uma ofensa para Camilla. Então ela liga de volta e pede mil perdões pela ofensa e diz que, se Camilla ainda quiser, ela fecha o acordo no preço original.

Super simpatizei com a Nikki. Também tenho uns surtos desses e sou do tipo “pago para não me incomodar”.

***Tracy Stamie***

Como de praxe, Tracy não faz muita coisa na parte dela no programa. Stamie, Tracy e um meio amigo, meio colega de trabalho da Stamie estão visitando uma casa (Stamie é corretora) e no meio de uma piadinhas, o cara decide fazer uma pergunta:

Ele: O que “dormir junto” signfica para lésbicas? Nós temos diferentes definições.
Tracy: Qual a sua definição?
Ele: Bem, “dormir junto” significa penetração. Intercurso sexual. Então quando uma garota diz “nós dorminos junto” para mim isso pode significar “nós dormimos de conchinha”.
Stamie: É tudo o que nós fazemos de qualquer forma. Só dormir de conchinha.
Ele: É tudo o que vocês fazem?
Stamie: Algumas vezes eu coloco minha cara nos peitos dela e faço assim.

Bem, caso vocês não tenham percebido antes, mas Stamie tem um show de comédia stand-up. E pra minha sorte, o episódio mostra um pouco do show:

Não pude deixar de reparar que as duas piadas que o episódio mostra, são meio que indiretamente sobre a ex da Stamie. Lésbicas são naturalmente obcecadas com Ex’s? Lésbicas sentem necessidade de serem más com a Ex? Taí uma coisa para se pensar.

Depois do show, Stamie apresenta Tracy para duas agentes com a intenção de torná-la uma modelo, já que Tracy não anda 100% satisfeita com o trabalho dela.

Eu ainda não tenho uma opinião formada sobre se isso é uma boa ou má jogada da Stamie. O lado bom seria o status de namorar uma modelo. O lado ruim seria falta de tempo e, bem, se meio mundo já deve dar em cima da Tracy, imagina se ela for modelo?

***Rose***

Natalie está querendo mudar de emprego como Tracy, e pede ajuda de Rose para montar o currículo. Mas como era de se esperar, as duas começam a se desentender.

Rose: Você tem que mudar seu endereço. Você vai usar esse endereço, ou o da sua mãe, ou o quê?
Natalie: Aonde eu moro?
Rose: Como assim?
Natalie: Aonde eu moro?
Rose: Você mora aqui.
Natalie: Okay.

E tenho que admitir, Rose tem seus momentos engraçados:

Então acontece algo que eu totalmente não esperava nesse programa: ver a Rose trabalhando. Não que sentar numa mesa em casa comendo sanduíches e falando no telefone seja bem o trabalho dela.

Nota: ela trabalha no mercado de imóveis. Aparentemente todas as lésbicas de L.A. ou lidam com imóveis (Stamie, Rose) ou são cabelereira/maquiadoras (Whitney, Sara, Romi, Raquel, Tor, Natalie).

No meio da conversa com o sócio dela, Rose reclama que precisa urgentemente de uma assistente quando de repente olha pro lado e…. ta-dã!

Não é a idéia mais genial do mundo Rose contratar Natalie como assistente? O que poderia dar errado, não é mesmo?

Natalie até tenta jogar um verde para se livrar, mas obviamente com Rose, a finura em pessoa, não colou.

Rose: Onde você vê seu futuro?
Natalie apontando pro anelar: Uhm… Eu vejo meu futuro…
Rose: Fazendo unhas?
Natalie: Não.
Rose: Do que você tá falando?
Natalie: Estou olhando pro meu dedo anelar.
Rose: É melhor para com essa merda.

Só eu achei isso muito hetero?

Ps: Esse foi o primeiro episódio que a Rose não diz que é/paga de pegadora tirando pela entrevista inicial . Aê, mais um pouco e a Rose fica suportável!

***Whitney***

Agenda da Whitney…

  • Dar explicações a Alyssa, que está tentando proteger a prima Tor, e receber em troca um sermão.

Whitney: É, eu fiquei na casa da Romi noite passada, mas nós não tivemos sexo completo.
Alyssa: Sua definição de “sexo completo” é meio confuso.
Whitney: Por quê?
Alyssa: Não sei, você que me diga. O que é “sexo completo”?
Whitney: Nós… nós não tivemos, tipo, troca de sexo oral.
Alyssa: Você não tem auto-controle.

  • DR com Tor para deixar as coisas claras.

“Você e eu não somos exclusivas.”

“Não quero que você pense que eu estou dizendo que eu não quero sexo nada com você.”

  • Plano para descobrir a orientação sexual da Miranda.

O plano não é orginal por si, mas visto que a tarefa de sondar sexualidade alheia é muito difícil, até que Whitney tem uma boa solução:

a) Conheça uma banda formada por lésbicas.
b) Convide o objeto de estudos para “uma apresentação de uma banda de umas “amigas”. Não cite nada sobre lésbicas.
c) Aponte para algumas lésbicas na festa e observe a reação do objeto.
d) Se ainda assim você não souber, faça a pergunta de forma indireta dizendo algo como: “Eu nem sei se você gosta de homens ou garotas.”

E depois dizem que Deus é contra a homossexuais.

  • DR com Romi, a Ex.

Como sempre, Romi está no mesmo bar/balada/discoteca que Whitney. E, como sempre, vira uma DR, mas, diferente das outras vezes, Whitney perde a paciência e dá um basta na situação.

Claro que eu acho que essa história não acabou por aí, afinal ex não some assim fácil.

E se você achou que Whitney já teve drama demais por uma noite…

  • DR com Tor no carro.

***Mikey***

Mikey precisa ir para Las Vegas a trabalho. No carro com Cecie (estagiária) e Shanna (cof) (assistente), o assunto acaba em “como é sexo entre duas mulheres”. Não ficaria chocada se soubesse que os produteres tivessem pedido para os figurantes do show perguntarem sobre sexo lésbico.

"Eu ainda tenho que descobrir."

Para Mikey sexo é quando você tem um orgasmo ou quando você é penetrada. Mas por via das dúvidas, ela decide ligar para Raquel para perguntar o que é sexo. E para Raquel strap-on conta como sexo, mas fingerbang (you know, dedos) não.

E o que a Shanna (cof) está achando da conversa?

Quando chega no hotel, Mikey se empolga com a chiqueza do quarto e decide ligar e pedir para Raquel vir para Vegas para elas poderem passar um tempo juntas.

Então Mikey tem uma idéia originalíssima: casar em cima da hora em Vegas. Ela manda as subalternas (que devem ganhar por hora) procurarem uma capela.

Incrivelmente não foi fácil encontrarem uma capela que realizasse a cerimônia gay (aparentemente é tipo um contrato de união estável da vida – Nevada não é um dos estados que reconhece casamento gay).  Como o AfterEllen disse, a cerimônia é reservada para um homem idiota com uma mulher bêbada.

Mas, apesar dos esforços remunerados, Mikey e Raquel não roubaram o posto de primeiro-casal-casado-ilegalmente de Nikki e Jill porque Raquel perdeu o voô daquela noite.

No dia seguinte, Raquel chega a Las Vegas e tem a brilhante idéia de “recriar a surpresa” da noite anterior: ela diz novamente para Mikey que não vai poder ir a Vegas e depois aparece do nada como se fosse a Romi na exposição onde Mikey estava tentando conseguir contatos. A reação da Mikey?

Você não precisa de um curso de especialização em linguagem corporal para perceber que ela não gostou nem um pouco da surpresa, né?

Como é de praxe no mundo lésbico, seguiu-se uma DR. E pouco tempo depois elas já estavam jogando um strip sinuca da vida…

… e “tomando banho” juntas na banheira do hotel. E pela cara da Raquel, nós sabemos quem que manda na hora H, apesar de toda a pose de macha da Mikey.

Espuminha se mexendo.

No final do dia, Mikey conta para Raquel dos planos de casamento e rola todo um momento nhenhenhe entre as duas.


Notas:

1- Na verdade o episódio em si foi bem chato. Eu podia tê-lo resumido assim:

Nikki e Jill lidam com os orçamentos do casamento. Stamie ajuda Tracy a procurar outro emprego. Rose pede para Natalie ser sua assistente. Whitney descobre que Miranda é bi. Mikey vai para Las Vegas e consegue um tempo para passar com Raquel.

2- O episódio se propõe a ser sobre sexo, mas eu senti muito mais vibe de Trabalho/Dinheiro. Sexo seria ideal para o próximo episódio…

3- Esqueci de comentar, mas a banda da amiga da Whitney é Love Darling, que toca a música de abertura Hazy. Viva a Máfia Lésbica.

Compartilhe com a irmandade!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on Google+
Google+
Email this to someone
email
Esta entrada foi publicada em Mídia e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

4 respostas para The Real L Word – s01e04

  1. Lei de Gaga disse:

    kkkkkkkkkkk
    Ri alto aqui com seu post!
    Adoro o tom de “objeto de pesquisa”, dissecando o mundinho lésbico e seus clichês.
    Parabéns pelo blog! ;D

  2. Daniela disse:

    aaah, nunca comentei aqui no seu blog…
    Mas eu leio todos os posts, e sempre fico esperando o proximo
    ADORO o jeito que você escreve, e muito muito original o nome do blog
    Continue assim,

    beeijos ♥

  3. Elis disse:

    Hahahaha
    Certeza que precisamos de um post sobre a obsessão de lésbicas com suas ex. o/
    Eu adorei sua ideia de fazer um spoiler da série, muito mais prático e rápido!
    É tipo o resumão da semana 1000X melhor e mais engraçado. =D

  4. Juliana Roam disse:

    A Stamie nao e normal. Se eu tivesse uma namo como a Tracy morria de trabalhar, mas trancafiava ela dentro de casa. Aff, dava casa, comida, roupa lavada e cartao de credito pra gastar com bobagem. Ta fazendo a mulher virar modelo? Obs. Gosto do jeitao tudo de bom da Mickey. Bj a todas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *