Indicativos de Homossexualidade na Infância

Sabe quando você dava pinta quando tinha menos de 10 anos? Sabe quando seus coleguinhas te chamavam de lésbica e você nem sabia o que isso significava?

Depois que você se descobre lésbica muita coisa muda na sua vida. Sua relação com amigos, com familiares, com a sociedade, sua vida sexual/amorosa, etc. Mas uma hora você decide repensar sua vida prévia e agora, com um novo olhar, consegue perceber que havia vários sinais que já indicavam que você se tornaria lésbica no futuro.

As pessoas muitas vezes não se dão conta de todo o subtexto dessas histórias até chegarem no momento da iluminação descoberta. Dificilmente na infância você já consegue perceber que algo era diferente dos seus amiguinhos.

Mãe delusional: “A Juliana é uma garota normal, ela gosta de ficar com as amiguinhas igual toda menina nessa idade!”

Existe um conceito muito importante a ser levado em consideração se tratando de homossexualidade na infância que se chama

Quem vê até pensa que eu entendo grandes coisa de sociologia.

Papel Social de Gênero é aquela coisa detestável que dita o que é “coisa de mulher” e “coisa de homem”. Ou seja, é o câncer da sociedade [/minha professora de filosofia lésbica], é o alimento do preconceito, machismo e homofobia.

Essa ditadura de gênero (acordei socióloga hoje, beijos) é ensinada para a gente na infância com muita, muita, muita ênfase.

Não é difícil imaginar o que são “brinquedos para meninas.” Bonecas bebês, bonecas para vestir, bonecas para passar maquiagem, fogão, batedeira, vassoura, etc. Porque você sabe né? Nada é mais divertido do que varrer a casa. Esses brinquedos ensinam o que é esperado de uma mulher na nossa sociedade: que ela seja bonita e atraente, que ela seja uma boa mãe e dona de casa.

“Só uma coisa é mais divertida do que cozinhar: lavar a louça depois!”

Já brinquedos de meninos são mais engenhosos: carrinhos, espaço naves, carro de bombeiros, brinquedos de montar, construir, etc. Além, é claro, dos brinquedos que ensinam os meninos a serem agressivos e violentos como espadas, armas, bonecos musculosos, etc.

“Deixa eu aprender a ser violento para agredir minha futura esposa se ela me trair… ou se ela não passar minha camisa direito.”

E depois as pessoas justificam o fato de não haverem tantas mulheres fazendo engenharia ou tanto homens professores primários devido a uma tendência natural.

Mas o que isso tem a ver com homossexualidade? Oras, pessoas homossexuais, só pelo fato de serem homossexuais, estão indo contra o papel de gênero.

Você pode só usar rosa, pintar as unhas, saber cozinhar, andar de salto alto, ser sustentada pela esposa, mas você está pegando uma mulher não é submissa a um homem ! Wrong, wrong, wrong! Quebrou o papel social de gênero!

Lésbicas e gays tem muito mais chances de não terem seguido papéis sociais quando crianças, como o exemplo da Garota 1:

* Quando criança (até uns 8 anos), eu sempre gostei mais de brinquedos de meninos: espada, caveiras, arcos e flexas, jogos tipo GTA, Tomb Raider (por causa da Lara Croft);

* Só fui ter bonecas e passar maquiagem com 12/13 anos, por influências do meio;

* Acho que eu tinha 6/7 anos na foto e tinha mania de usar as roupas e o tênis do meu tio.

Ou como a Garota 2:

Desde criancinha achava boneca sem graça. Minha mãe percebia isso e uma vez ganhei um brinquedo que era um carrinho de controle remoto e aí, apertando um botão lá, virava um robô o/

Uma das minhas preocupações em falar isso é não dar a entender “ah, a menina não gosta de usar rosa? então ela é lésbica!”. Conheço mulheres heteros que também desafiaram papéis de gênero na infância, como minha amiga Ana:

Desde bem pequena eu me lembro de que não era fã da “cor de menina” que a minha mãe insistia em acrescentar no meu vestuário. Como todas as meninas boazinhas, eu tive  minhas Barbies, bebezinhos e outras bonecas que compõem as brincadeiras criadas para treinar as garotinhas nas artes da submissão [nota: pelo termo logo se vê que é minha amiga], de forma a se tornarem boas mães, boas cozinheiras e dispensarem a diarista.

Entretanto, eu brincava muito com o meu irmão do meio (que é sete anos mais velho do que eu) e os amigos dele. Lembro-me de que trocava facilmente as “brincadeiras  domésticas” por arcos e flexas, espadas, baralho, jogos, vídeo game e faz de conta. Sempre gostei de empinar pipa também.

Adendo-rápido-antes-que-esse-post-se-perca-no-propósito: Homens também sofrem devido aos papéis sociais de gênero, como você pode ver aqui e na história do menino que se fantasiou de Daphne do Scooby Doo para o Halloween e teve que enfrentar preconceito por parte de mães de colegas aqui.

Além de enfrentar papéis de gênero existe um outro indicativo de homossexualidade na infância: a atração pelo mesmo sexo. Não estou insinuando que havia lá grandes malícia, mas toda lésbica se olhar para trás verá que sentia atração por outra mulher na infância, como a Garota 1:

* Quando eu tinha mais ou menos 5 anos, meu tio namorava uma garota e ela passava bastante tempo comigo. Eu tinha ciúmes dela. Um dia sonhei que estava nua numa cama com ela (com 5 anos! oO). E teve um vez que eu a espionei pelada (=x) [nota: ok, retiro o que eu disse sobre malícia]. Depois, passados uns 2 anos, ela terminou com meu tio e foi morar com uma mulher o/, mas eu nem suspeitava conscientemente que ela também gostava de meninas;

* Eu percebi que gostava de meninas com 13 anos, quando me vi apaixonada por uma colega de classe, demorou 1,5 anos para eu conseguir digerir isso, porque eu era muito ridícula e preconceituosa. Assumi-me pela primeira vez aos 16;

Ou como a garota 2:

Na primeira série, apesar de gostar de um ou outro menininho, meu interesse tinha sido despertado por uma coleguinha. O interesse durou anos, eu chegava a sonhar com ela, imaginar mil coisas. Algo muito instintivo me dizia que era melhor ficar quieta quanto àquilo… não sabia o que significava, mas me parecia muito natural. Chegava a “fantasiar” e acho, agora, impressionante como nunca tive conflitos naquela época e em nenhuma outra. Sempre me aceitei como, no mínimo, bissexual desde criancinha (apesar de não saber na infância, claro).

E ainda mais curioso era que nós lutávamos pelo nosso direito de amar já quando crianças. Quer coisa mais angry dyke do que isso? Vejam a história da Garota 3:

Quando eu tinha sete anos, em 1995, saiu aquela novela da globo, A próxima vitima. E eu me apaixonei pela atriz principal, a Viviane Pasmanter, lógico que não sabia q estava apaixonada, mas sabe aquilo que toda menininha hetero faz pelo galã? era eu com a viviane pasmanter, deixava de brincar pra ver ela na tv, queria saber sobre a vida dela, passava horas sonhando com ela. E comecei a escrever em vários papéisinhos “Vivi eu te amo” dentro de corações! Um dia minha mãe achou um desses papéis e veio conversar comigo, dizendo que mulher não amava mulher, amava homem e bla bla blá! e nisso ela jogou fora meu papel com coraçãozinho e eu fiquei muito brava! Me lembro até hoje, eu parada estática pensando: “eu amo a vivi, e nada vai me impedir de amá-la” UHAHUAHUAHUAHU

Sério, se essa história não é de futura-lésbica, eu não entendo mais nada sobre este mundo. Inclusive, a história me lembrou de quando um belo dia minha mãe veio me mostrar uma cartinha que era para eu ter entregue para minha prima dizendo que tinha sonhado que eu era o Batmana e ela o Robin [/gay] e que eu a amava muito e que nós devíamos FUGIR! (sim, com essa exata palavra). Born to be lesbian!

“Vamos pegar nossos brinquedos e fugir dessa sociedade que nunca aceitará nosso amor!”

E como eu sei que muitas lésbicas por aí tiveram seu primeiro beijo com a prima, ou “ensaiando” para beijar meninos com as amiguinha (ahã… tão ensaiando até hoje), vou contar a história do meu derradeiro primeiro beijo em mulher.

Na época em que eu sabia que era lésbica e minha mãe não, numa bela tarde ensolarada de sábado, minha mãe veio ao meu quarto com uma foto de eu bebê beijando alguém:

Mãe: Olha que bonitinha essa foto!

Eu-sem-o-menor-interesse: Quem é ele?

Mãe: É ela! Hihihi! Filha da nossa vizinha, Amanda o nome dela! Que bonitinhas vocês!

Óbvio que eu sou a Shane alí se esticando toda pra beijar a loira boazuda do apartamento do lado (y)

Bem, minha mãe certamente não ia achar a foto tão bonitinha se já soubesse que a filha é lésbica, mas o que importa é que a partir desse dia em que ela me mostrou a foto eu percebi que eu estava destinada a um futuro cheio de mulheres ser lésbica.

E você? Também já dava pinta de ser lésbica quando criança?

Notas e Agradecimentos:

-Vou postar os depoimentos completos que eu tive que cortar para caberem no post nos comentários;

-Obrigada a todas as mulheres que enviaram suas histórias de livre ou não tão livre assim vontade;

-Obrigada a Sadie pela montagem da imagem da “Eu amo a Vivi e nada vai me impedir de amá-la”;

-Obrigada a minha mãe por guardar todas as minhas fotos provando que eu era pegadora até os 4 anos;

-Caso tenha se interessado pelo assunto de papel de gênero na infância, aqui estão alguns links interessantes: Toy Ads and Learning Gender (legendado) e Criança e Consumo – Susan Linn (legendado);

-No próximo post:  Perspectivas Feministas e o Conceito de Patriarcado na Sociologia Clássica e o Pensamento Socio-Político Brasileiro. Beijos.

EDIT: A Garota 1 achou uma foto excelente da primeira paixãozinha dela da 1ª série. Reparem no eye fuck olhar delas.

“Te pego no recreio, gata!”

Compartilhe com a irmandade!Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on TumblrShare on Google+Email this to someone
Esta entrada foi publicada em Identidade, Pessoal e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

85 respostas para Indicativos de Homossexualidade na Infância

  1. Jac disse:

    Depoimento completo da minha amiga hetero Ana:

    “Desde bem pequena eu me lembro de que não era fã da “cor de menina” que a minha mãe insistia em acrescentar no meu vestuário. Como todas as meninas boazinhas, eu tive minhas Barbies, bebezinhos e outras bonecas que compõem as brincadeiras criadas para treinar as garotinhas nas artes da submissão, de forma a se tornarem boas mães, boas cozinheiras e dispensarem a diarista.
    Entretanto, eu brincava muito com o meu irmão do meio (que é sete anos mais velho do que eu) e os amigos dele. Lembro-me de que trocava facilmente as “brincadeiras domésticas” por arcos e flexas, espadas, baralho, jogos, vídeo game e faz de conta. Sempre gostei de empinar pipa também, embora não tivesse muita habilidade para a coisa.
    As pistolas de água e correria para o pega-pega também complementavam meu dia. Na escola, eu brincava com os garotos, coisa que minha mãe sequer poderia sonhar, pois “menina tem que brincar com menina”, como eu ouvia constantemente. Uma vez, inclusive, minha mãe passou na rua da escola cujos muros eram baixos na hora do intervalo e eis que ela me viu no meio de uma brincadeira.
    Fui chamada até o muro, levei uma bronca enorme e no outro dia lá estava ela reclamando com as mães dos meninos envolvidos. Até hoje eu sinto vergonha só de lembrar disso. Bem, posso dizer que isso não me impediu de continuar minhas escolhas “pouco convencionais para uma menina”. Ah sim, ainda mencionando a minha mãe, também ouvi várias vezes frases como “isso nem parece quarto de menina” e “se comporte como menina”.
    No meu repertório de brinquedos, havia carrinhos também. Sim, eu adorava colecionar carrinhos, barcos piratas e aqueles modelos de montar. Embora isso já seja algo mais “unissex”, eu também adorava os baldes de Lego e as possibilidades trazidas com eles. Com dez anos, eu aprendi a jogar sinuca e o fazia constantemente.
    Nunca “sonhei em ser uma princesa salva por um cavaleiro em armadura reluzente” e sempre torci pelos vilões. O lado negro da força, para mim sempre foi (e ainda é) muito mais atraente do que os princepezinhos boçais. Assistia a filmes de terror desde os seis anos (sim, eu senti medo nas primeiras vezes) e até hoje detesto com todas as minhas forças comédias românticas.
    Quando eu me tornei responsável pela escolha das roupas e cores, o preto passou a dominar o vestuário, enquanto os lençois e afins mudaram para o azul, branco e cores mais sóbrias. À medida que fiquei um pouquinho mais velha (e daí pra frente), o gênero musical voltado para o Rock, Punk e Metal (ou seja, rock mais pesado) também não contribuiram muito para a minha reputação.
    Mais adolescente, apesar de eu ser extremamente feminina, as camisetas de banda e o grupo de amigos composto praticamente só por homens não ajudavam muito. Ir em barzinhos e tomar cerveja com esse povo também “não pegava bem” às vistas de muitos “mais velhos” que não tem mais nada para fazer na vida além de meter o bico nas escolhas dos outros.
    Lembro-me de uma vez estar ouvindo Sepultura com um amigo meu e a mãe dele, que é uma pessoa muito querida para mim até hoje, perguntar “se eu gostava mesmo ou se era só por causa dos meninos”. Gostar de RPG e mestrar aventuras deste fascinante jogo também chamavam a atenção de maneira negativa.
    Sempre fui vidrada em instrumentos musicais, especialmente guitarra e bateria. Pena que nunca pude ter o tempo necessário para me dedicar e realmente tocar direito (leia-se mais do que algumas poucas musicas) algum deles.
    Minha coleção de CDs era outra coisa interessante. Quando algum “amigo novo” entrava no meu quarto, a primeira frase costumava ser sempre algo do tipo “Ah, pare! Isso aqui é dos teus irmãos, né?” e havia questionamentos quanto aos posters nas paredes também.
    Meus jogos de computador, os quais por vezes eu me empolgava e passava horas, eram definidos pelo meu pai, brincando, como “jogos para a família” (normalmente depois de ele ouvir eu gritando coisas como “morre desgraça de monstro!!!”). E meu pai foi o cara que sempre me apoiou em todas as decisões, alguém que não posso reclamar por ter me repreendido por escolher ouvir rock pesado ou brincar com “brinquedos de menino”.
    O tempo foi passando e o fato de eu ter um filho acabou levando um pouco do meu “lado negro” como dizia uma amiga minha. Hoje eu sou casada (com o homem que é a encarnação de tudo o que eu sempre quis em um rapaz) e tenho meu baby boy, mas isso não me impede de continuar ouvindo o mesmo gênero musical, jogar Rock Band e Guitar Hero (além de outros jogos de pc ou xbox) e manter meu vestuário como me agrada.”

  2. Jac disse:

    Depoimento completo da Garota 1:

    “* Quando criança (até uns 8 anos), eu sempre gostei mais de brinquedos de meninos: espada, caveiras, arcos e flexas, jogos tipo GTA, Tomb Raider (por causa da Lara Croft);
    * Quando eu tinha mais ou menos 5 anos, meu tio namorava uma garota e ela passava bastante tempo comigo. Eu tinha ciúmes dela. Um dia sonhei que estava nua numa cama com ela (com 5 anos! oO). E teve um vez que eu a espionei pelada (=x). Depois, passados uns 2 anos, ela terminou com meu tio e foi morar com uma mulher o/, mas eu nem suspeitava conscientemente que ela também gostava de meninas;
    * Na 1ª série, eu tinha um melhor amigo e uma melhor amiga; eu sempre achei que eu gostasse dele, até eu descobrir que ele gostava da minha melhor amiga e que ela correspondia o sentimento dele. Eu não tinha ciúmes dele, mas eu tinha ciúmes dela. Como eu sou legal, mesmo contrariada, acabei juntando os dois no final;
    * Sempre tive mais dificuldade pra conversar com meninas do que com meninos. Com eles parece bem mais fácil, mas com elas a coisa muda um pouco, pois mulheres parecem bem mais inteligentes e tento me esforçar pra não me intimidar e parecer um pouco melhor;
    * Eu percebi que gostava de meninas com 13 anos, quando me vi apaixonada por uma colega de classe, demorou 1,5 anos para eu conseguir digerir isso, porque eu era muito ridícula e preconceituosa. Assumi-me pela primeira vez aos 16;
    * Só fui ter bonecas e passar maquiagem com 12/13 anos, por influências do meio;
    * Acho que eu tinha 6/7 anos na foto e tinha mania de usar as roupas e o tênis do meu tio. “

  3. Jac disse:

    Depoimento completo da Garota 2:

    ” Desde criancinha achava boneca sem graça. Minha mãe percebia isso e uma vez ganhei um brinquedo que era um carrinho de controle remoto e aí, apertando um botão lá, virava um robô o/
    Quando entrei no pré, lá nos pampas, gostava de um guri. Ele foi atrás da escola e beijou uma amiguinha minha. Ele saiu de lá e ficou espalhando, pra Deus e o mundo, que tinha beijado a menina. Foi então que tive minha primeira decepção com o sexo oposto e vi que homem, pequeno ou grande, tem muitos comportamentos ridículos.
    Tinha um colega que era muito amigo (que muuuitos anos depois ele me contou que é gay kkk), nos dávamos super bem. Ele não tava nem aí pra futebol e a gente acabava inventando outras coisas. Cidade pequena: andar de bicicleta, subir em árvore, jogar queimado na rua e jogar bola na rua de areia (eu fazia volume u.u). Era perto da praia lá, quase no Chuí, e nem sonhava em shopping ou até mesmo em outros referenciais da classe hauihaui
    Na primeira série, apesar de gostar de um ou outro menininho, meu interesse tinha sido despertado por uma coleguinha. O interesse durou anos, eu chegava a sonhar com ela, imaginar mil coisas. Algo muito instintivo me dizia que era melhor ficar quieta quanto àquilo… não sabia o que significava, mas me parecia muito natural. Chegava a “fantasiar” e acho, agora, impressionante como nunca tive conflitos naquela época e em nenhuma outra. Sempre me aceitei como, no mínimo, bissexual desde criancinha (apesar de não saber na infância, claro).
    Passou um tempão desde os primeiros pensamentos reais sobre uma possível homossexualidade. Quando era adolescente (15, 16 anos), a internet era discada. Ficava esperando ansiosamente dar sábado, duas da tarde, pq se pagava um pulso só a cada discagem hahaha. Entrava escondida, com medo, nas salas de lésbicas. Já dizia que gostava de meninas, apesar de nunca ter ficado com uma. Foi na internet que conheci a primeira namorada. Morávamos longe, bem longe. Nesta mesma época, fui descobrindo amizades do babado na mesma cidade que eu… e então, o negócio deslanchou.
    Sempre gostei de tênis de quadra. Joguei por muitos anos e larguei o treino uma vez lá pq tinha me apaixonado perdidamente por uma guria que jogava futsal. Lá fui eu dar uma de stalker e tudo o mais, até ficar amiga dela. Eu ia no treino de futsal só pra ir, sempre fui horrível no futebol. hahaha
    Cheguei a ficar com uns guris, mas achava horrível aquela barba, o toque e tudo mais. Tinha uma nóia de achar que sempre tinha alguém olhando e iria achar feio demais se me pegasse beijando um guri na praça.
    Depois que comecei a perceber que eu era lésbica mesmo, que adorava o beijo, o toque e me sentia muito atraída, nunca mais fiquei com guri nenhum. Pelas minhas contas, faz uns 8 anos já…. se não for mais hauihauha o/”

  4. Gabriela disse:

    Ah sim, o problema de amizade. Tive umas amigas que não podiam nem cruzar na frente da minha casa, nem ligar, nem nada. “Má influência”. Sempre ficava me questionando pq eh que eu tinha que lavar a louça enqto meus primos podiam sair correndo brincar… pq eu tinha responsabilidades domésticas e eles não. Não que achasse certo não tê-las, mas pq todos os homens deixavam os trabalhos pras mulheres? Parecia que não tava certo. Claro, esses questionamentos vão além de simples identificação de gênero… mas poxa O_o hahaha

    “No próximo post: Perspectiva Feministas e o Conceito de Patriarcado na Sociologia Clássica e o Pensamento Socio-Político Brasileiro. Beijos.”

    vish… O_o haiuhaiuah
    Beijos baby (L)

  5. Elis disse:

    Jac pegadora desde pequena!
    Ri muito com sua carta Batman/Robin pra sua prima. hahahaha

    Garota 3, também compartilho do seu momento: “Desde criancinha achava boneca sem graça. Minha mãe percebia isso e uma vez ganhei um brinquedo que era um carrinho de controle remoto e aí, apertando um botão lá, virava um robô o/”. Hehehehe
    Ameeei uma vez que minha mãe me comprou uma espada que acendia! Igual a do Skywalker!!! *-*

    Lembrei agora de uma conversa que eu tive com minha mãe também, quando eu era beeem pequena, sobre eu ser uma menina. Eu achava que as atividades das meninas eram chatas comparando com o que meu primos faziam e resolvi reclamar para ela:
    – “Por que eu tenho que ser assim?” – perguntei-lhe.
    – “Ser assim como?”
    – “Ser menina é chato, ser menino é mais legal. –‘ ”
    – “Meu amor, se você gosta de fazer as mesmas coisas que os meninos, faça ué. Você pode brincar como quiser, sejam ‘coisas de menina’ ou ‘coisas de menino’. O importante é ser você mesma! =)”
    – *-*
    – “Agora você está feliz em ser menina?”
    – “Clarooo! Somos muito mais bonitas!”
    – “É filha, somos mesmo.”

    Mãe, eu amo você!

  6. Carol L disse:

    Noossa, amei o post! Incrivel como me identifiquei com esses casos
    quando eu era criança eu me vestia de guri, não tinha bonecas… e hoje sou butch. shaushaushuash
    sério! ta muito bom esse blog, eu fico rindo muito aqui

  7. Janaina disse:

    eu sempre brinquei com os meninos kkkkkkkk
    hj vendo la atras vejo q ja dava pinta
    eu tinha uma amiga inseparavel eu dava caixa de bombom tudo
    e eu morria de ciume dela um dia ela ficou com um amigo nosso
    eu queria morrer e fiquei muito brava com ela e ela sem entender
    me pediu desculpas falo assim “eu nao sei o q ti fiz mais desculpa”
    foi a primeira mulher a partir meu coraçao kkkkkkkkkkk
    depois de tudo ela mudou pq eu nao falava com ela mais

  8. lucinara disse:

    jac amiga Linda já arrasando corações desde pequena 0/ meu orgulho, rsrs
    Bom de todas as historias relatadas, sinto indentificação com um pouquinho de cada!
    Nunca fui muito ligada a bonecas, pra falar a verdade odiavaaa ao ponto de quebrar todas que ja tive, exceção aquelas q minha mãe salvou da minha fúria qqqq
    =]
    Meu primeiro beijo foi numa coleguinha de sala aos 6 anos, estavamos brincando no patio do colegio de freiras ( choque ) e apostamos um singelo e inocente pega-pega ( sem maldade gente ) , ela venceu e sentamos pra conversar no meio da conversa tasquei um beijo nela ( arianas são tão impulsivas e diretas ) obvio que o beijo tava mais pra um ” selinho bem demorado, não sei bem o que to fazendo, mas é muito bom”
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Fugia de casa pra empinar pipa, jogar futebol com os meninos mais velhos e sempre achei um saco usar vestido, kkkk apesar de vez enquanto usar pq acho sexy salto e vestido ^^
    ahh tbém tive paixões platônicas por jovens e belas atrizes de seriados americanos =0
    A primeira foi a blossom ( do fundo do baú) e a mais demorada e mais marcante a Lana do smalville , até hoje meu cory bate quando vejo alguma coisa feita por essa atriz ( super atração por gurias do olhinho apertadinho *_* )
    Então essa é um pouquinho da minha História, obg jac pelo texto excelente me fez recordar momentos maravilhosos da minha infância e adolescencia 0/

  9. Rubens disse:

    Olá Jac tudo bem?

    Conheci teu blog através do blog da Lola, queria agradecer por ter linkado o meu guest post ! Sou Ht mas sofri muito com as convenções de gênero, tanto me encheram a cabeça que eu cheguei a pensar que era homo mesmo uma certa época, mas a confirmação não veio rsrs. (muitos pensaram que meus comportamento de criança eram ‘sinais’).

    Tenho vários amigas (os) homo e posso dizer que aprendo muito com vc’s, acho que pelo fato de vc’s terem uma vida afetiva singular vc’s conseguem enxergar muitas questões com um olhar bem amplo, acho bacana.

    Ah, queria dizer que vc é engraçada e escreve super bem o/

    • Jac disse:

      Puxa, que legal que você chegou a ler meu blog =)

      Foi justo o seu guest post que me fez lembrar que se eu não comentasse sobre heteros que desafiam papéis de gênero eu poderia dar a entender que isso é exclusividade de homossexuais.

      Achei muito corajoso da sua parte assumir que você é um homem que não acha que sua namorada é sua propriedade. Da mesma forma que é ruim saber que existem mulheres machistas (como sua ex-sogra), é um alívio saber que existem homens que sabem que mulher é gente xD

      Aliás, super legal também ter um leitor homem-hetero (obviamente não-homofóbico) o/

  10. Lei de Gaga disse:

    Oh my gosh!
    Muuuita identificação!
    * Minha ‘boneca’ era um boneco do Power Ranger verde!
    * Futebol + sapa = clichê.
    * Até hoje, converso com homens muito mais facilmente (pq n me importo com o que vão achar ou não) do que com mulheres (que fico prestando atenção em todos os detalhes).
    * Tenho altas fotos comprometedoras criança (vestida de rambo).
    * Quando eu era criança já me perguntaram se eu era menino ou menina.

  11. Sadie disse:

    Minha infância?

    Eu adorava Spice Girls! mas não queria dançar. Queria ver as menininhas dançando!

    PS. Vocês lembram da roupa da Ginger? jesuis!!!!

  12. Garota número 3 disse:

    HUAHUAHUAUH ADOREI A MONTAGEM!!
    ficou perfeita com a minha historia! a menininha até lembra um pouco a mim!

    parábens pelo post! foi ótimo!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    adorei contribuir!!

  13. Alice disse:

    Agradecendo a visita no Alice’s. Gostei do seu blog, estou linkando lá.

  14. Lilly Queers disse:

    Gente, esse foi um dos posts que eu mais amei na VIDA! me deliciei com as histórias, e fiquei MUITO FELIZ, pq inclusive encontrei um caso parecido com o meu, o que nunca tinha visto antes: de alguém que sempre se considerou BISSEXUAL, desde criança…. eu, hoje, me considero LÉSBICA, mas quando era criança nunca fui uma bolachinha CLÁSSICA, eu tinha carrinhos E bonecas, então era muito difícil me identificar com as histórias de infância gay que a gente tá acostumado a ouvir… o blog é maravilhoso, quero gastar um TEMPO lendo tudo. grande abraço, bolachas queridas!

  15. LaísaMiranda disse:

    – Bom.. meu caso é completamente diferente sei lá, minha mãe tem 2 dias que ela pegou meu celular, e tá fazendo maioor onda, só porque minhas melhores amigas, mandam msg, me chamando de meu amor, flando que me ama, e tals, mano ela tá surtada aqui em casa, dizendo que vai na casa das meninas conversar com as maes delas, VEEI ? o que minha mãe tá pensando, ela falou que minhas amigas são lesbicas –‘ … ela nn entende o que é amizade a muito tempo , ela n entende o que é ter melhor amiiga, AF! se ela for na casa das meninas vou morrer de vergonha, nossa senhora, nunca mais nem vo olhar na cara das meninas, já chorei ja tentei explicar pra ela mais n tem acordo, é phoda, até agora ela nn devolveu meu celular, to com tanto ódiooo, quem quizer tc tá ae laay-miranda@hotmail.com , =)

    • menininha17 disse:

      hahahahah …é phoda..minha mae fez a mesma coisa quando a minha amiga me escreveu amor vc ta ai? ela me olhou e falou
      iiii virou lesbika? ai eu falei virei i dai
      ai ela falou cada um faz oq quer….depois ela saiu e falou consigo mesma/
      nada do que eu nao soubesse já…/
      odeio invasao de privacidade…

      • Laney.souZa disse:

        17 aninhos..essa é a melhor fase..vai enfren se ta curtindo tua amiga,xega nela cm jeitinho,mulher smpre sab cm xegar,sem esparta a presa meninha17

  16. Lu disse:

    O MELHOR!!!!
    Já venho acompanhando seu blog e nunca tinha comentado (sou meio preguiçosa e dificil de dividir minhas experiências) =S, mas esse eu num resisti, adorei o post, ri muito. E entre as minhas lembranças……… que não são poucas, rsrs, me apaixonei pela professora do jardim de infancia, morria de ciumes dela e adorava qndo ela me botava no colo =X!!!!

  17. Ana disse:

    Nunca gostei de bonecas também, preferia brincar com meus primos, meu tio era meu herói, eu vivia seguindo ele e os amigos dele pra fazer o que eles faziam também. Eles me ensinaram a assoviar pras moças desavisadas que passavam na rua. (o_o) Me descobri há pouco tempo, e só agora percebi que eu sempre tive muitas tendências.
    Ah, e a minha família sempre achou que eu era lésbica também. HUSAHUSA

  18. menininha17 disse:

    Desde de criança gostei dos brinquedos do meu irmao.A sala de casa era enorme e tinha um tapete gigante meu irmao ficava de um lado brincandos com os jogos deles masculinos e eu do lado esquerdo.Não teve uma vez que eu nao fosse correndo chorando na cozinha pra falar pra minha mae que queria brincar com os brinquedos do meu irmão..Até ai minha mãe nem desconfiava achava que era ciúmes..
    depois aos 5 anos lembro que minha mae recebia varios amigos e amigas em casa..e tinha umas 3 que eu adorava(as mais bonitas heheh .depois falam que criança de 5 anos é inocente .. )..toda vez que eu as vi ia correndo beijá-las ..sabe aquele beijo de 10 segundos na buchecha que até estala?…e depois ficava no colo delas por horas…minha mãe dava risada e achava que eu era carente….
    quando fiz 7 anos me apaixonei pela professora do meu irmao da 4 serie..ela era linda …as vezes pedia pra ir no banheiro so pra passar na frente do corredor e a ver.arquitetava varios planos para ir falar com ela..me apresentar..e tal ..mas nunca tive coragem…
    Com 12 anos comecei a jogar futebol com os meninos era a unica no meio da mulecada…eles me adoravam(sempre me dei melhor com os meninos ) elas ficavam me olhando e me chamavam de macho femea..:((..e o me universo de amizades era só meninos….
    Depois dos 13 aos 14 comecei a estudar na mesma escola das minhas primas….que eram mais velhas …Eu adorava as amigas delas..pedia todia dia pra minha prima me apresentá-las….só de pensar que elas iriam me dar uma beijo de comprimento e que todas elas ficavam passando a mao no meu cabelo que era enorme e lindo…..(até esse momento da minha vida eu achava que tudo isso era carência…nunca desconfiei de ser lésbicas)
    Quando fiz 15 anos ,vendo filmes(prestando atenção sempre nas mulheres e no corpo delas,andando na rua( e olhando sempre as mulheres),baxando l word da internet as 3 da manha escondida da minha mae 🙂 …passando de carro na frente do lago do arouche com minhas primas e tia e escutando a famosa frase: duas mulheres se beijando que nojo…e na minha cabeça só pensava …oq eu daria pra beijar uma menina…PERCEBI QUE NAO ERA HETERO…nao me aceitei como lesbica ..mais falei pra mim mesma que era BI.
    AGORA COM 16 para os 17 comecei a gostar de uma menina da escola….n deu em nada pois mudei de cidade…E agora com quase 17 me apaixonei por uma amiga ….amo ela de paixao nunca amei ninguem assim sonho com ela …tenho medo de falar com ela….meu deus o0….BOM espero que vcs tenham gostado…. queria algumas dicas de vcs amigas…como eu faço pra conquistar a minha amiga..ou fla pra ela que eu amo ela sem estragar a amizade…help
    PS: sempre minhas meus parentes me chamavam de lesbicas pelas minhas brincadeiras…ou pelas coisas que eu falava…e quando eu responde pra minha mae ela me chama de lesbika (LOL)
    vcs acham que ela ta desconfiada? pq agora so as lesbicas que sao mal educadas ? os heteros nao?
    PS 2: jack teve um post seu que vc falou de como achar lesbicas ou como se enlesbianizar..entao o meu problema é que eu nao sou nada daquilo…tenho cabelo grande ..n tenho piercing nada alargador..
    me maqueio muito …me chamam de princesa na rua..como faço pra pessoas se tocarem…as lesbicas de tocarem?
    PS3: desculpa pelos erros de portugues fas dois anos que nao moro no brasil ..:) bjaum

    • Jac disse:

      Olha, meu conselho pra esse caso de amiga apaixonada por amiga e tal é o que eu escrevi no post http://45.55.241.106/2011/01/15/estou-apaixonada-por-uma-mulher-e-agora/

      Quanto a enlesbianar, você não é OBRIGADA a fazer isso. Mas veja lá que pra enlesbianar não precisa necessariamente cortar o cabelo e fazer tatuagem. Isso ajuda, mas você pode usar mais xadrez (qualquer mulher fica mais bonita de xadrez), pode usar um anel no dedão, usar unhas curtas (isso tem mais aplicação na prática do que em questão de estilo), usar um acessório com as cores do orgulho gay, etc, etc.

      =)

    • Eva disse:

      História parecida com a minha. Gostaria de te dar um bom conselho, mas ultimamente não tenho tido nem pra mim… rsrs

  19. menininha17 disse:

    gente esqueci de uma coisa…
    o ano passado, minha mãe tava desconfiada se o meu irmao era gay.
    Ai ela ficava resmungado pra mim:
    o que eu fiz de errado,eu pequei em que? foi culpa minha ?
    e começava a chorar e me abraçar….ai eu abraçava ela e pensava” mal sabe ela que quem é lesbica sou eu”
    eu desconfio do meu irmao seriamente….ele andao com um menino gay na escola…fica no quarto o dia inteiro lendo poesia(nao que isso seja gay)
    e só sai de casa quando os amigOSS ,certos amigos chamam..
    AI eu tava pensando em um dos post que a jack fez.
    se ser homossexual se nasce ou vc vira…
    vendo a minha situação e a do meu irmao…eu acho que é a 1-educação dos paisa, as 2-coisas que acontecem na vida…3-oq os outros falam pra gente…BOm quem sou eu pra falar neh ..mais é estranho dois casos na mesma família!!!!

  20. menininha17 disse:

    nossa vcs vao achar que eu sou o tipo fanática que nao sabe a hora de calar a boka hahaha
    mais é uma pergunta…
    jack qual é o seu face? tem orkut? msn? bjum!!!

    • Jac disse:

      Ah, eu tenho face, orkut, msn e tal mas por enquanto prefiro permanecer anônima para não afugentar as leitoras ahahahaha ^^

      • menininha17 disse:

        ok…vdd ..eu tbm prefiro ser bem anônima..pq ainda to no armario e esse nem é o meu email lol 🙂
        bjaum

  21. Laney.souZa disse:

    Catinhas smpre nos entregam..ou melhor um simples descuuido e la nossas maes as encontran..a mh foi assim,eu ja tava cm na idade de saber q era msm lesbica anos,ai n tiv oq fazer comecei um namoro a distancia..eu d pvh e ela do amapa..uma certa vez escrevi uma carta(q nunk xegaria a seu destino),nela eu contava p meu amigo Laercio,q a gnt tava se dando mega bm,q ela e eu nos amavos ital,e q tava td certo p eu ir p cidade dela,q la iamos morar juntas(santa inocencia),mas dai eu ao invez d continuar a carta,eu simplesment amassei e joguei,mas esse jogar,foi na rua melhor dizndo..na rua em frent d casa,passado uns dias,e meu padastro(sim n foi mh mae qm axou)entra cm a dita carta na mão,ai me mostrou e n fez mts perg n,pq la tava bm claro q da fruta q ele gostava eu n dxava nem o caroso,ele so me entregou e disse..tenha vergonha mh filha,vc tão bonita p fikar cm essas conversa,e ainda jogar na rua..desse dia p fren eu tntei ser mas cuidadosa..embora sm mt sucesso,pq mas tard qm dscobriu algo foi a mae msm,na mh gaveta..
    eram cartas da mh ex,a de macapa ainda,e junto cm as cartas ela tbm tinha mandado umas pginsa d uma revista cm mulheres e brinkedinhos,mas isso mhmae so descobriu pq a filha da mamae aki n tinha costume d dormi fora,ai pintou uma fsta,eu consegui q mh mae dxasse eu ir,mas n levei meu celular(p meu azar ela foi procurar nas mhs coisas e la estava mas uma vez provas do meu crime gay,dps disso fikei 4meses sm telefone,sem net,pouco via mhs migas,pouco falava cm mh amada..mas smpre q dava p ver uma miga mh,eu colokva cred no celular dela p falar cm meu amor foram os piores meses da mh vida,mas n adiantou nada,msm a distancia noso namoro durou 3anos,cmmts planos,q n foram cumpridos..e msm assim ela é meu amor d novela..q acabou e vai ser mh eterna namorada p vida toda..creio q pq nunk tivemos contato real..so porkut,msn,tel..enfim nunk trocamos carino real,e msm assim,nos amamos mt ainda,smpre q nos falamos,e como se fosse a 1º vez..mt booom.. =)

  22. Yve! disse:

    Muito bom o post!
    Acho que a gente já nasce dando pinta…rs
    Eu tenho muitas fotos comprometedoras. Cabelo curto com pose de bad boy e tem até umas que a minha mãe me obrigou a tirar como MENININHA, mas msm assim não convenceu…hauhauhuahahau

  23. Carolina disse:

    É engraçado, mas lendo o post me identifiquei com muitas coisas.
    Sabe, hoje quando eu penso na época em q eu era criança eu percebo que já havia alguns indícios de q eu um dia seria lésbica, mas na época não era possível q eu soubesse disso, já que eu nem sabia o q era ser lésbica.
    Enfim, eu sempre gostei da cor rosa, sempre amei barbies, bonecas e brinquedos de meninas, mas também gostava de carrinhos, armas e futebol, handebol. A questão é que hoje lembro que quando eu tinha mais ou menos 7 anos, ouvi a minha mãe e meu irmão mais velho conversando sobre a minha dinda, e eles estavam falando q ela era lésbica e eu perguntei oq era, a minha mãe me explicou e o engraçado é q apartir daquele dia, mesmo sem saber oq eu era, eu fiquei tão encantada dela ser lésbica q quando ela ia lá em casa eu tinha q mostrar pra ela q eu amava ela, ou seja, fiquei mais encantada por ela.
    Outra situação engraçada é q eu gostava de Sandy & Jr. (sim, eu gostava), eenquando todas as meninas ficavam encantadas com o Jr. eu sonhava com a Sandy, nossa, eu sonhava q eu estava beijando a Sandy e eu contava pra minha mãe e ela nem dava bola, pq eu tinha vários namoradinhos, aliás, eu namorei muito os meninos. Hoje percebo q todas as vezes q tive namorados foi pelo fato de me identificar com eles, já q gosto de esportes, video-games, etc.
    Não sou masculina, eu tenho dias q gosto de sair bem mulher (calça justa, blusinha cheia de frescurinhas, colar, brincos, pulseiras, salto, maquiada, etc.) e outros dias q eu gosto de estar mais a vontade (calça de skatista, baby look, tênis, um brinco bem pequeno e cabelo de qlqr jeito), são fases, de acordo com o humor da gente.

    Hoje eu sei muito bem oq sou, sou homossexual! para falar bem a verdade, não acredito muito em bissexualidade, não acho q uma pessoa possa gostar de homens e mulher da mesma forma, acho q sempre temos uma preferência. Oq pode ocorrer, é q quando estamos solteiras e carentes, oq vier é lucro, sexo é sexo, enfim, sexo sem compromisso, mas é do ser humano ter preferências, e isto já é um diferencial q nos torna ou homo ou hetero.

    BjooO!

  24. Caroline P. disse:

    Agora eu entendo o por que…

    * De eu nunca querer ter um Ken e sim duas Barbies *-*
    * De eu amar futebol (não por causa daquelas pernas cabeludas… eca!)
    * De eu sempre preferir o vôlei feminino (aqueles shortinhos…oi?)
    * De eu ter tido uma queda pela Angelina Jolie e por isso, assistir Tomb Raider 24652468 vezes sem enjoar…

    Ahá! Eu sempre soube… Também me identifiquei com muitas outras coisas do post.

    • Nana disse:

      O blog está ótimo.
      Fui uma menina predominantemente “feminina”, mas uma vez minha mãe mandou cortar meus cabelos ( foi castigo imposto por ela porque eu reclamei do modo como ela tentava desembaraçá-lo). Resultado: durante as férias de verão ouvi todo tipo de elogios, como “que loirinho lindo”, “gatinho”, por parte das meninas. Tive a minha experiência como Tomboy – e, minha mãe ajudou. E eu gostei.
      Meu cabelo voltou a crescer, mas eu sempre dizia à minha irmã que não tinha achado o Ken…era por isso que as Barbies lá de casa formavam um casal. Minha irmã acreditava…

  25. Laurinha_BM disse:

    lendo esse post lembrei de várias coisas da minha infância que Ja mostravam a q eu vim! rsrsrs
    me lembrei de quando tinha meus 5/6 anos e jogava futebol com meus primos na rua (detalhe só de short rs)
    sempre que brincava de casinha com minha prima eu era o pai… a eu aprontei tanto na infância rsrsrs

  26. NANÁ disse:

    Oi tudo bem ? Nunca gostei nada de menina boneca , sempre tive carrinhos e bola , achava isso normal, mas as coleginhas da escola não me chamavam de” hominho ” eu sofri muito , elas falavam que eu parecia homem , eu realmente sofri muito elas juntavam mais ou menos umas 30 meninas é gritavam ” hominho ” eu chorava era no meio de todo mundo , até que na minha vida adulta tentei manter as aparências , mas hoje com 25 anos de idade , sendo virgem para mim é difícil , porque não gosto de homens , porque eles tentavam alguma coisa comigo e eu nunca deixei nada acontecer a minha família é muito tradicional , percebo que quando uma garota me abraça é muito gostoso , já homem eu não sinto a mesma coisa se alguma mulher quiser conversar é só deixar o e-mail que eu retorno , abraço ………

  27. Flávia disse:

    Olá,tenho 12 anos,meu nome nao é Flávia mais não quero contar meu nome verdadeiro.Sabe tive uma infância muito normal,gostei de meninos e tal.Mais a algum tempo eu comecei a sentir atração por mulheres,eu simplismente prefiro olhar pra elas em vez de meninos,imagino coisas e tal.Emfim,penso que talvez eu seja lesbica,e não sei o que fazer,estou perdida e não sei o que fazer da minha vida nesse caso de relação,por favor me ajudem,não posso ficar com isso no meu coração para sempre…

    • Jac disse:

      Como assim “tive uma infância muito normal”???? Não querendo fazer pouco caso do seu drama, mas você ainda está na infância… Pense, eu tenho 21 e ainda sou mais jovem do que a maioria das leitoras desse blog.

      Meu conselho é não se preocupar se você é isso ou aquilo, em sair do armário nem nada disso. Se você sentir vontade de ficar com alguém fique, independente do sexo da pessoa. Mais pra frente você pensa em questões de nomenclatura…

  28. Mu disse:

    Olá, vim parar no seu blog por uma pesquisa que fiz no google, talvez voce possa me ajudar(e preciso mesmo falar com alguem sobre isso), tenho 25 anos e um irmao de 12 anos, esse final de semana estava mexendo no lap dele e descobri que ele faz muitas muitas(mesmo) pesquisas sobre sites gays no google, tipo videos mesmo!Acho que no começo eram pesquisas sobre homens nus, e hoje Gay Boy, eu não me importo, alias meus melhores e mais engracados amigos são gays, porem eu nao sei o que fazer diante disso, converso com ele?converso com meus pais?nao falo nada?ele é homossexual ou é uma fase de curiosidade?
    To com o coraçao apertado por medo da reaçao do meu pai, ele é muito ligado ao meu irmao, e ok, ele nao é tao careta, mais minha familia é arabe, meu pai veio de la ou seja homem é homem e poe o pinto na mesa!!!
    Espero que voce possa em ajudar looogoo!!!
    Beijos.

    • Jac disse:

      Olha, 12 anos é muito jovem ainda pra se poder dizer com certeza se ele é gay ou se é curiosidade, mas se são muitas pesquisas e frequentes é mais provável que ele esteja se descobrindo ainda.

      NÃO CONTE PARA SEUS PAIS!!! Ser tirado do armário a força não é uma boa experiência para ninguém, ainda mais tão jovem. Deixe isso para o seu irmão se e quando ele quiser. O que você pode fazer com relação a seu pai é por exemplo quando ouvir uma brincadeirinha ofensiva a gays, não rir e se mostrar contra, ou as vezes falar bem de um amigo gay seu pro teu pai. Mas isso a longo prazo, não precisa forçar pra trazer o assunto a tona xD

      Quanto a falar com teu irmão… Bem, eu não sei qual é sua relação com ele, se são mais próximos ou não tem tanta intimidade. Se não forem lá muito próximos, eu no seu lugar não falaria nada e esperava o tempo passar pra ver no que essa hist iria dar. Mas se vocês forem mais próximos, você poderia falar uma coisa tipo “Fulano, se algum dia você quiser conversar comigo sobre alguma situação que esteja te afligindo, pode me procurar pq eu sempre vou te amar e te apoiar independente de qualquer coisa” e esperar ele tomar a iniciativa de contar. Não acho bom você contar que viu pesquisas no pc dele e tal pq ele pode se sentir invadido e envergonhado (e com medo…).

      Espero ter ajudado =)

  29. Mariana disse:

    Qnd eu era pequena minha mãe me dava muitas barbies, e eu gostava de fingir que uma namorava a outra. (apesar de não gostar de barbie, só brincava pq minha pipa tinha quebrado e eu num tinha nada pra fazer). Qnd fikei um poko mais velha começei a gostar do scooby-doo, mas num por causa do cachorro que fala, mas por causa da daphine (sempre quis ser o fred, pra poder beijar ela! fato). Hoje tenho 16 e me descobri lésbica com 12. E gostava muito de beijar minha primA!

  30. cash disse:

    Nossaaaaaa….esse post descreveu toda a minha infância rsrsrrsrsrsr!!!!!!!! Incrível,como qd nós somos pequenas a gente não percebe as coisas e como vc escreveu,não falamos nada,acho que é mesmo a intuição feminina .Tive várias paixõezinhas qd criança,mas nunca pensei em contar para a minha mãe.

    Eu era praticamente um menino,me vestia com as roupas do meu irmão,jogava bola,brincava de carrinho com ele e com as amigos dele,sempre gostei mais das brincadeira ditas de meninos,achava mais divertidas.

    Depois na adolescência,comecei a me encaixar melhor nos padrões femininos,sofri muito com piadinhas,brincadeiras de mau gosto,sempre feitas por meninos,acha que já naquela época elas percebiam que eu seria uma ameaça/concorrente para eles rsrsrsrsrsrrrsrs .Sendo assim,fui mudando aos poucos até me tornar uma mulher mais feminina,mas de vez em quando alguma coisa escapa rsrsrssrrs.
    Acho muito mais fácil conversar com homens tbm,me sinto mais a vontade,já com as mulheres não consigo manter a concentração,meus olhos vão parar em outros lugares,que não deveriam ir rsrrsrsrsrrsrrsrsrrsrs.

  31. amanda disse:

    é dificil eu falar agora no momento poq eu nunca me assumi ! mas pelo o seu blog eu percebi que eu sou less pelo fato de q até hoje eu não gosto de bonecas não gosto de ficar com meninos e eu me identifiquei mto com seu blog e eu tenho muito ciumes de três amigas minha e sem falar q eu tenho sonhos com elas de tipo nóis se beijando e tud + . Mas eu estou feliz em saber q uma dessas minha amigas é lesbica e eu não gosto q elas fiquem com niguem e tipo faria de tud p ficar com uma delas nesse momento acho q eu me descubri de vez lendo seu blog e obg ! gostei mto !

  32. LIDI 0_= disse:

    sou desde os 5 anos , sempre gostei de brincar com meu irmão , tenho facilidade de conversar com os meninos , odeio boneca , jogo futbol , empinava pipa vivia andando com os meninos por ai meu primeiro beijo foi com a minha prima ,sempre me confundiam com menino quando era criança ,sempre dei pinta de butche, a me lembrei que me apaixonei por uma visinha do condominio ela era linda tinha cara de brava era amiga da minha irmã sempre perguntava dela pra minha irmã , quando nos mudamos eu deixei uma boneca para ela no corredor que ligava nossas casas com um bilhete escrito “Elaine te amo ……não lembro o resto mas foi isso e deixei la ,e nos mudamos .Depois me apaixonei por uma menina que era amiga da minha visinha ela era linda de olhos verdes bem grandes ,cabelos castanhos eu tinha vontade de beijar ela .. hum que dilicia . Depois tentei ser ” curada” fui para a igreja fiquei 4 anos e me apaixonei por minha melhor amiga homofóbica,parei de ir para a igreja e contei o que minha familha inteira ja sabia que eu sou lésbica faz um mes ja. Meninas passem o numero de v6 para min sou do parana, curiba quero conhecer meninas para conversar e sair por ai não conheço nenhuma lés por aqui no meu colegio e pelas redondezas chato aqui tem bastante gay inclusive meu amigo que so me da bolo aquela borboleta rosa chóck.

  33. Alema disse:

    Tenho 2 irmãos e na infância sempre brincava com eles, as brincadeiras deles (do futebol a brigar na rua com outros meninos). Quando passamos pra adolescência, eles sempre comentavam sobre as paqueras deles, perguntavam minha opinião sobre as fulanas (nada do tipo “ela é legal?” e sim “essa é gostosa?”) e com isso fui desenvolvendo um olhar diferente sobre as mulheres (como são atraentes e altamente desejáveis!). Hoje somos adultos e sei dos casos extra conjugais dos 2 (que minhas adoradas cunhadas não leiam esse blog), eles sempre me ligam pra conversar sobre mulher, futebol e etc. Engraçado que nunca conversamos sobre a minha sexualidade, mas no fundo sei que eles sabem. Essa vivência toda me fez entender e saber de muitas coisas do mundo dito masculino, tornando-me a “companheira perfeita” pra eles enquanto que com as mulheres, sou uma negação. Longe de firmar esteriótipos, mas falando das mulheres que eu conheço, poucas têm assuntos que chamem minha atenção. Minha mente é muito racional/prática e por vezes isso acaba afastando-as de mim.
    Valeu por mais um belo post!
    P.s.: meu power ranger preferido era a amarela; adorava assistir Fantasia no SBT só pra ver aquelas mulheres; Chiquititas só tinha graça por causa da Vivi e o que seria Caverna do Dragão sem a Sheila ou do X-Men sem a Vampira?!

  34. barbara disse:

    Meu primeiro beijo foi com minha melhor amiga,eu me apaixonei por ela e ela começou a namorar um menino , disse que me amava tanbem,mais não quis continuar a relação por causa do papis dela,tinha medo e tals :s mais sei la,sinto atração por varias Mulheres,mais só consigo pensar nela pra ficar! amei o blog linda!

  35. jess disse:

    minha infância foi mais normal, não me vestia de menino nem nada. brincava muito com minha prima de boneca e tudo mais. porém ela é 3 anos mais velha Entao quando ela entrou na adolescência não queria mais brincar comigo Entao eu ia brincar de carrinho e futebol com o irmão dela XD não gostava de futebol só gostava de jogar mesmo, todo dia tava eu lá no campo depois da escola, só eu de garota, até que meu pai me proibiu de ficar perto dos garotos (como se tivesse algum perigo… u_u) ah e meu primeiro beijo foi com essa les foi com essa prima ^^ quando éramos bem crianças tipo uns 6 anos mais ou menos.

    bjs

  36. J. disse:

    Eu sempre quis ter um carrinho com controle remoto! ^^ Mas meus brinquedos sempre foram + femininos, embora achasse os d garoto + legais. Meu primeiro contato lésbico, foi com 7/8 anos, qnd eu disse a uma amiguinha q tinha inventado 1brincadeira nova… O bizarro foi q minha mãe pegou a gente no flagra e deu aquele sermão a favor da heterossexualidade. rsrs Tb nunca fui vaidosa, mas adoro ver garotas se arrumando…É sempre 1tortura estar num vestiário feminino, c garotas se trocando e ñ poder olhar!

  37. H. Carter disse:

    esse post me fez lembrar de quando eu tinha uns 8 anos minha mãe ja deixava eu escolher as minhas roupas e eu sempre escolhia as roupas femininas mais masculinas q eu achava dai um dia eu fui na escola com uma calça jeans q era igual as de menino e uma vizinha minha que trabalhava na minha escola disse q o filho mais velho dela tinha uma calça igual e cantou aquela marchinha de carnaval q diz ” maria sapatão de dia é maria e de noite é joão” ou algo assim não lembro exatamente como é a musica, ai ela cantou na frente de todos os meus coleguinhas e eles começaram a rir e tals. Apartir desse dia eu comecei a só usar vestidinhos e comecei a passar baton, a pedir pra minha mãe comprar o “marido” da barbie q até então eu nunca quis, eu sempre brincava q uma namorava a outra antes e nunca tinha percebido esses detalhes, essas coisas q eu fazia até então. Eu nunca tinha parado pra pensar sobre isso antes, até hoje eu sou bastante feminina, morro de medo se que se eu me vestir como eu quero as pessoas q ainda não sabem descubram q eu sou lésbica, eu detesto como algumas pessoas que descobriram olham pra mim agora, o geito q me tratam, sei lá, é horrivel e eu não estou preparada pra isso ainda e ai eu tenho tentado parecer hetero mas cada dia parece que fica mais dificil principalmente pq eu “sai do armario” pros meus amigos durante o ensino médio ai eu me acustumei em falar coisas sem me cuidar e agora se eu me distraio um pouco durante uma conversa eu acabo falando algo q eu não devia e eu to saindo com outro grupo de amigos agora. 🙁
    Alguem tem alguma dica, um conselho, sei lá qualquer coisa pra me ajudar com isso?

    • Ju disse:

      Olha, enquanto você não se aceitar, ninguém vai. Isso parece clichê, mas é a mais pura verdade.
      Quanto ao jeito de se vestir, acho que não tem muito a ver não sabe? Eu por exemplo, não sou lá tão feminina, mas curto, um salto alto eventualmente, maquiagem, esmaltes e nada disso, me faz hetero. Minha namorada, não usa maquiagem, odeia salto e não é de maneira alguma caminhoneira, muito pelo contrário é bem feminina.
      Você acha que se esconder, ficar se machucando por causa do que os outros podem pensar é certo para você? Eu acredito que não. Se você não é feliz se escondendo, não se esconda, se liberte, seja feliz. quando você se solta de todos esses esestereótipos, a vida se abre pra você de uma forma bem diferente. Outra coisa, as pessoas que viram a cara para você ou te tratam de um jeito diferente, só por você ser lés, me desculpe, mas estão TE fazendo um favor em virar a cara para você, afinal, elas não gostam de você pelo que você é, e sim pelo que elas acham que você é, e na boa, gente desse tipo você deve manter bem longe de você.
      Bjs

  38. Joana disse:

    Bem meu caso é “estranho” pois eu nunca fiz nada pra quebrar a ditadura de gênero, sempre gostei de barbie, boneca, roupinhas, rosinha, maquiagem, misses etc etc, a diferença é que nas brincadeiras de barbie, por exemplo, a filhinha era sempre mais beijada e acariciada que o “normal” pela amante gostosa do pai hehe Fora isso também sentia atração pelas meninas mais velhas da escola e por algumas celebridades! Quando eu era pequena brincava com as amiguinhas de uma chupar o dedo da outra na hora da soneca hehehe Mas é isso! Nunca gostei de “coisas de meninos”, de me vestir “mais menininho”, e é assim até hoje. Acho que sou uma lésbica diferente. ;D

  39. Ane disse:

    Eu sou a única pessoa que descobriu que era lésbica quando uma amiga contou? o/

    (É bem isso mesmo… Uma amiga sentou e me contou… hahahahahahaha)

  40. mdejager disse:

    Curti!! Durante a gravidez minha mãe achava que eu seria um menino. Aos 5 anos vestia as roupas do meu pai, brincava de carrinho, pipa… Tinha um namoradinho, mas tbm era apaixonada pela professora. Eu sempre era o papai quando brincava de “casinha”, e “peguei” muitas amiguinhas.

  41. Amorim disse:

    Lembro-me de quanto eu tinha uns 4 ou 5 anos (nao sei ao certo), estava no jardim de infância… eu tinha uma amiguinha – Bruna – e nós dizíamos que eramos namoradas – inclusive para minha mãe, que na época não deu mta importância (eu acho), mas me disse: Minha filha, menina não namora menina. Menina namora menino!

  42. disse:

    Mais um post muito interessante, principalmente por ser fundamentado nessas bases sociológicas tão conhecidas por todos nós e tão ignorado também. Olhando e analisando esses esteriótipos (mulherzinha e sapatão), assim bem no popular mesmo, podemos notar como nossa sociedade, apesar de exigir um diferencial de todas as pessoas, cria todas as crianças, sejam homens ou mulheres, de uma forma muito robotizada, logo, nada orgânica; sem valorizar muitas vezes os seus desejos enquanto indivíduos, ao passo que vejo por exemplo muitas meninas se libertando de alguns ou todos os elementos que a caracterizavam como “mulherzinha” a partir do momento em que dispertam dessa alienação causada muitas vezes pela criação ou pela não aceitação.
    Não estou aqui querendo fazer algum tipo de apologia a androgenia, ou qualquer coisa do gênero, ao contrário, quero ser neutra a questão- afinal sou bissexual e muito feminina- mas quero sim reforçar esse estado de libertação que muitas leitoras, assim como eu, estão passando no momento, e que todas as outras já passaram algum dia ou ainda estão prestes a passar.

  43. Aline disse:

    Definitivamente esse é o meu Post favorito jac! volta e meia eu sempre volto pra ler again hahah
    :*

  44. Elaine! disse:

    Quando eu era criança adorava andar d bermuda d menino e andar d bike!hj tenho15 anoS só lesb asumida para a mae a força!tipo eu xeguei com um xupao no pescoso e ela me forso a falar quem era ai eu falei o nome da garota e q eu a amava ai ela dise q homosexual num era gent!quer quizer me conhecer ta ae o e-mail pitini1@live.com

  45. Cristina disse:

    Os três depoimentos!! Quando tinha 10 anos eu achava minha vizinha tão bonita, que n conseguia olha pra ela! ela tinha uma filha quase da msm idade que eu( isso á 7 anos) eu e essa minha amiga estavamos tomando banhu juntas quando ela ( vizinha) apareceu pelada na minha frente!! Eu n sabia oq fazer, nem me lembro mais se fiquei olhando, encarando ou se desviei os olhos! mas só sei que aquela mulher era gostosa!! até hj sonho com ela! sendo que não vejo ela a uns 5 anos!! Não posso me esquecer tb que tenhu quedas por umas atrizes, é claro que está incluido na lista Angelina Jolie, Lena Headey, Megan fox e principalmente Olivia Wilde( que tds os dias vo no google ve se tem noticias dela, vejo videos delaa e sonho com ela), não posso me esqueçer que eu tenhoo uma grande queda pela minha professora de inglês, nas aulas dela eu n consigo tira o olho dela, fico prestando atenção na boca dela,e pra quem ela olha, sempre cuidando se ela vai olha pra mim, e quando isso acontece olho diretamente nos olhos dela, me lembro que num dia de uma prova, ela chego no meu lado, botou a mão nas minhas costas e dps passou no meu cabelo e disse que gostava muito de mim e que ia senti muita falta quando terminaria o ensino médio( detalhe foi esse ano), fiquei td arrepiada, nem sabia oq fla, só disse que ia senti muita falta dela tb( saco, queria ter beijado ela ali na hora, na frente dos meu colegas, ms flata coragem) mas enfim, pena que é casada e teve um filho esse ano 😛 mas todos os dias eu sonho com ela, imaginando que daqui uns 10 anos eu vo encontra ela por ai, divorciada, eu lésbica assumida eu espero( não sei uq eu quero ainda!) e ai vcs já sabemm o resto! FIM esse foi meu depoimento!! Muito obragadaaa

  46. Saa disse:

    Sempre gosteei de brinquedos de menino
    minhas bonecas eu arrancava a cabeça
    sempre odeie rosa ou qualquer derivado
    meu primeiro beijo foi com 8 ou 9 anos
    com minha prima..
    mais pelas circunstancias hojee to confusa e apaixona pela M.A

  47. Cristina disse:

    eu sou a única que nunca beijou a primaa!! por falta de opção mesmo! não tinha nenhuma prima da msm idade que eu na minha infância! 😛

  48. Mah disse:

    Nossa,amei esse post!Como muuitas já disseram ai,eu tbm me identifiquei com os depoimentos e tudo mais…
    Meu destino é gostar de mulher mesmo.Fato#

  49. Giulia disse:

    Eu não sou lésbica, mas minha prima é. Somos quase irmãs, fomos criadas juntas e temos uma relação bem legal, ou seja, amigas pra toda hora… Conheci todas as namoradas dela, fui a única da família que, no ínicio, estive ao seu lado quando saiu do armário, (meus tios surtaram, minha avó ficou quase 2 anos sem olhar a cara dela e demais familiares ficaram chocados). Enfim, somos praticamente irmãs e gosto muito dela (sem maldade, please).
    Quando ela era criança, tb gostava de brincadeiras de menino, tipo soltar pipa e jogar bola. Tinha umas bermudas de menino que ela escondia no armário, só vestia quando a mãe não estava em casa e tb, às vezes, quando brincávamos junto com outras crianças de casinha, ela sempre queria ser o pai. As atitudes tb contam claro, ela sempre teve uma postura mais menino. Ela é 5 anos mais velha que eu, então, não sei explicar bem… tipo, eu sempre a vi como um menino, era a minha referência ( ainda é…)

  50. Noemi disse:

    Quando eu tinha uns 4 ou 5 anos pedi uma boneca Barbie pros meus pais… achava ela tao linda! Fui ganhar uma da minha tia aos 11 ou 12 anos! Aquelas pernas da Barbie, uau, que mulherão! Hahaha… era apaixonada nela! Vaaarias brincadeiras (cada vez menos inocentes). Também tive uma Susie, morena, eu dizia que era eu! Claro, minha susie era lésbica e pegava todas as outras bonecas, com muito jeitinho! Hahahahaha

  51. vania disse:

    rpa minha infancia foi jogar bola cmos meninos subir e descer com eles,me achava a tal,e ficava mega triste quando eles saiam e eu nao ia com eles,e isso até os 14 anos quando as malacas começaram a ficar visiveis(odeio é constrangedor)parei,e até hooje jogo GTA San Andreas e Vice City

  52. nossa minha infancia é bem complicada tipo tenho 15 anos, sempre gostei de brincadeiras de meninos, e tambem sempre me inturmei melhor com eles, não vou dizer que nunca fiquei com eles. já mais desculpa não foi minha praia não, certo tive q pegar manha nas brincadeiras femininas depois q minha irma nasceu, q tive q brincar com ela, brincava mais nao com mto gosto igual eu brinco de jogar bola entende, amo jogos como gta, mortal kombat, good of war, sei q ate hj tenho esses meus amigos e todo final de semana a gente sai pra bater uma bolinha, a unica coisa que incomoda a gente é q as namoradas vão junto, hahaha

  53. Karin disse:

    Eu quando tinha uns 7 anos brincava que minha prima era mãe e eo o pai, adorava ir soltar pipa com meu primo, brincar de carrinho (tenho ate hj a ferrari vermelha de controle que meu pai me compro) . Mas nada de beijar prima rs

  54. kaly disse:

    as minhas experiencias foram um pouquinho diferentes minha primeira “menina”foi na terceira série aulas de leitura e educação física era tao fácil sumir da vista dos professores mas nunca odiei ser menina,gostava dos lacinhos no cabelo,pintar as unhas,usar maquiagem e gostava de tomar banho com minha prima,acho que não é exatamente uma regra essa coisa de estranhar ser menina e nao gostar de ser menina,sou mulher e gosto muito de mulher.

    • Mariana disse:

      Sou exatamente como essa garota acima que gosta de mulher, sendo mulher.Sou muito feminina e gosto de mulher feminina.
      Me perdoem as butches, mas elas nunca me atrairam.
      Nunca gostei de imposiçoes das coisas como isso é coisa de menina, ou isso é de menino, mas isso foi mais pela minha rebeldia desde bem novinha.Nunca curti imposiçoes.
      Pra falar a verdade, desde que me descobri lésbca, ai é que fiz questão de ser bem feminina, pra não dar bandeira e poder ficar ao lado de quem eu queria, sem sentir qualquer rejeição.
      Alguem aqui diz que não consegue ficar “fria”, em um vestiário. Fico na boa..olho..elogio e tudo o mais. Faz parte!

  55. Juliana disse:

    Então, hoje tô com 15 anos. Segundo dizem, sou “esquisita” desde pequena.
    Apesar de, nas brincadeiras, ficar no meio termo entre “coisas de menina” e “coisas de menino”. Porém, sempre jogava longe os enfeitinhos que minha mae botava. Dei um bom preju com pulseiras de ouro tacadas no lixo. Isso com 4, 5 anos.
    Enfim. Quando entrei no antigo c.a, aos seis anos, com toda dificuldade de fazer amizades, por eu ter uns interesses tidos como chatos pras crianças, como tenho até hoje na adolescencia, mas nao vem ao caso. Voltando ao caso das amizades, fiz amizade com um garotinha. Ela era bem “patricinha” e eu sempre como? A rockeirinha hahahah. Bom, eu amava a Leticia. Até pedia pra minha mae comprar roupas iguais as dela, -apesar de nao ter nada a ver comigo o estilo dela- so pra “agrada-la”, isso na minha mente completamente doida.
    E nos brincavamos de Barbie. Normal, toda menininha faz isso. So que eu tinha loucura em ser o Ken. Ate um tio meu enchia meu saco com isso, com discursos “coisas de menino/meninas”. (tenho dificuldade em manter o foco, perceberam, ne?)
    Quando eu ia pra casa da Leticia, que a mae dela ia dormir, iamos brincar de casinha. Quem era o marido? Exato, eu.
    O que me questiono é: nos realmente levavamos a serio a brincadeira. Nos beijavamos e tudo mais. Isso, e TUDO mais. So que cara, tinhamos SEIS anos, uma coisa muito precoce, sei lá.
    Isso é mais um desabafo mesmo. To naquela fase do “drama adolescente”. Nao sei o que sou. Nao que eu tenha que me definir, sexualmente falando, na minha opiniao. É complicado. Tá me dando nos nervos, pq eu nao sei do que eu gosto. É horrivel.
    Até penso em ir num psicologo, sabe? Nao tanto por isso, mas enfim, eu penso em ir. So que como eu e minha mae somos SUPER chegadas, por sermos somente eu e ela de familia proxima mesmo, eu nao sei como dizer: “ei mae, quero ir num psicologo”, pq eu sei que ela vai perguntar pq, e eu sou um tanto timida pra dizer os motivos. O principal é o bullying que me marcou muito, mas deixemos isso quieto. Enfim, nao saberia dizer a ela que eu quero ir ao psicologo, sozinha. Provavelmente ela iria ficar meio assim e iriao passar trocentas coisas na cabeça dela.
    Bom, é isso. Desculpem-me pelo testamento.

  56. Livia disse:

    Eu gostava das histórias de principes e princesas, mas sempre me imaginava eu sendo o principe!!! rssss

  57. Misséria disse:

    Bom quando eu era pequena eu tinha vários brinquedos -que a sociedade diz que é de menino-(tinha um aeroporto que eu amava e uma nave espacial eram meus preferidos, o aeroporto eu acho q meu pai me deu pq ele acreditou q eu seria aquela que seguiria a carreira dele de engenheiro) meus pais desistiram de me dar bonecas pq eu arrancava a cabeça delas huahauhauhuahu criança baixastral e um dos mairos ícones da minha viadagem eu tinha uma lancheira do bambi um grande certificado que eu seria biba huahauhauhauahu adoro

  58. Bia disse:

    Adorei a matéria. Tenho 21 anos, só admiti que era bi aos 20 quando cedi às paqueras de uma amiga. Por não ter preconceito e por ter rolado uns beijos com umas amigas quando era mais novinha eu já dizia que era bissexual, mas não achava que ia realmente ficar com uma menina algum dia, acreditava ser apenas curiosidade.
    Quanto aos papeis sociais minha mãe sempre criou eu e minha irmã tendo consciência de que somos iguais em direitos aos homens, e ela tmb não tem preconceito com minha namorada, me apoiou em tudo e adora ela kkk Eu sempre gostei de bonecas, mas também adorava carinho e ver desenhos de lutas (anime como Cavaleiros do Zodíaco se alguém conhece rs ). Sou muito feminina, cabelo grande, unhas grandes, amo vestir mini saia e tudo é bem novo para mim desde que me assumi, mas fico feliz por ter descoberto isso e ter uma vida plena.

  59. Juliana Roam disse:

    Jac, so posso dizer uma coisa… vc e demais! Parabens!

  60. Bells disse:

    Parabéns pelo post rs, me lembra o quanto sofri na infância com meus gostos por futebol, “hominho de ação” e sair subindo em tudo quanto quer muro e árvore. Sem falar da minha mãe sempre brava pq n gostava muito d usar vestido e saias ( pelo menos hoje entendo o seu appeal XD)
    Por muito tempo achei que era hetero e sofri muito com as garotinhas dos 8-12 anos que me xamavam d sapata sem eu em saber o q aquilo era d verdade (garotas dessa idade sabem ser muito cruéis mesmo). Até namorei duas vezes com garotos 2 a 3 anos mais tarde pra me axar mais normal.
    Porém o que me foi indicativo mesmo foi minha primeira amiga mulher que fiz com 14 anos. Ela era nova na sala e desde o momento que a vi fui atraída pensando que era amizade rs. Fiquei amiga ela muito rápido e dormia todo final de semana na casa dela. Porém naquela época já sentia algo mais forte por ela e me culpava achando que eu tinha algum problema ( trauma daquelas garotinas) principalmente pela atração que eu tinha pelo cheiro dela ( eu realmente me achava doida de pensar em algo assim).
    Em todo caso, ela era estritamente hetero e resolvi não forçar a amizade, agora pelo menos me senti um pouco melhor vendo que muitas outras pessoas passaram pelo mesmo que eu na infância.

  61. kah. disse:

    Quando eu era criança, eu odiava:

    – brincar de barbie
    – a cor rosa
    – minha mãe escolhendo minhas roupas e me obrigando a usar vestidos
    – ficar com as gurias na hora do recreio e ter que ouvir aquelas conversas de mulherzinha
    – maquiagem. eu até hoje não sei pra que serve um blush
    – a xuxa
    – ouvir meus amiguinhos me dizendo que eu era “meio diferente das outras gurias”
    – etc.

    sempre achei as brincadeiras dos guris mais interessantes e emocionantes.. gostava de jogar o nintendo 64 do meu irmão, gostava de jogar futebol, correr o dia inteiro na minha rua e chegar em casa no fim do dia que nem um bagaço, deixando a minha mãe enlouquecida, enfim.. curtia “brincadeiras de menino”.

  62. Shaki disse:

    Well, comigo foi o seguinte.
    *Quando eu era pequena, no prézinho, eu me lembro de falar que ia casar com minha melhor amiga da época.
    *Minha cunhada (uns 15 anos mais velha) tomava banho comigo quando eu era criança, e eu sempre reparava nos peitos dela (enormes).
    *Com uns 9 anos eu tive uma paixãozinha por uma amiga, ficava me imaginando do lado dela e morria de ciúmes das outras amigas que ela tinha.
    *Sempre tive muitas imaginações com várias das minhas amigas (não paixão, só ficava imaginando). Coisas como beijando elas, essas coisas.
    *Minha primeira atitude lésbica foi com 11 anos, com minha melhor amiga (que continua melhor amiga). Ainda tenho um tanto de paixão por ela, enfim .*Me descobri lésbica com 13, quando percebi que meu único e real interesse era por garotas.

  63. Sarah disse:

    Engraçado ler isso hoje. Ainda essa semana eu estava refletindo sobre a minha infância e percebi que sempre dei pinta! Não gostava de usar os vestidinhos que a minha mãe insistia em comprar pra mim e a minha bicicleta era uma BMX. Mas acho que o fato mais marcante foi quando eu assisti o filme “Christiane F., 13 anos drogada e prostituída”. Na época era uma subversão muito grande arrumar uma fita desse filme, eu era uma criança! E lembro que eu fiquei completamente fascinada pela amiga de Christiane. E pela pró[ria Christiane também, mas a amiga dela pra mim era um máximo. Fiquei apaixonadinha mesmo. No geral era assim, eu sempre achava as mulheres bonitas nos filmes/novelas.

  64. Erika disse:

    Nossa… Esses dias mesmo eu tava pensando no meu passado, e como eu dava pinta, nuss’
    Minha mãe comprava bonecas pra mim e eu acabava rancando-lhes os membros…
    Eu brincava bastante com meu primo, soltava pipa, jogava video-game, até mesmo ja fui uma lutadora quando pequena… Os cabos de vassouras da minha avó viravam espadas pra mim e pra minha prima’
    Então desde pequena me chamavam de macho-men, (kkk) mas na verdade eu não achava graça, achava ofencivo.
    Desde que eu aprendi a falar eu sempre tive a voz grossa… Imagine, eu na escola com todas aquelas crianças e eu com uma voz de homem, minha voz era mais grossa doque a voz de qualquer um (e até hoje é) e sempre jogava isso na minha cara (jogavam, até eu aprender a cuidadosamente esconder minha voz), acho que eu até sou meio traumatizada por causa disso… Mas agora eu vejo que não é algo tão ruim assim.
    Um belo dia, acho que meu primo queria zoar com minha cara’ e me falou assim:
    – “Nossa Erika, sua voz é tão grossa e você ja parece macho mesmo, se você virar sapatão não vai precisar afinar a voz pra falar, só vai precisar se assumir.” o.O
    Pra mim foi o fim… Mas sempre foi verdade hehe

  65. Dreamer disse:

    Haha, muito bom o post, falou coisas sérias com um tom de humor, texto delioso de ler.
    Sempre que tiver um tempinho vou passar por aqui.

  66. Emily disse:

    Nunca , jamais esquecerei minha primeira paixão , eu não sabia o motivo ,mas sabia que era errado… eu tinha uns 7 anos quando passou A usurpadora pela primeira vez, eu simplesmente não conseguia perder a novela , era perdidamente apaixonada pelas personagens da Gabi Spanic *-*.
    Então eu comecei a notar que não era só pela Gabriela Spanic , mas que por QUASE TODAS as atrizes lindas e gatas kkk, tipo Carolina Ferraz em Por Amor!
    Aos 8/9 eu já sabia que gostava meeeesmo de meninas , inclusive eu sempre tive uma professora favorita ,saudades de minha inocência que me fazia poder abraçar e beijar as ”tias” e sentir o perfume delas.
    Aos 10 , quase na adolescência eu comecei a ter interesse pelo corpo feminino , eu simplesmente adorava ver minhas primas mais velhas se trocando , ou observar o corpo de mulheres nos ônibus , ruas , praias :p , etc.
    E sempre tive interesse por mulheres mais velhas , tipo eu tinha uns 12 e sonhava em ficar com alguém parecido com Demi Moore <3 .
    Sem falar que eu dei uns pegas em uma prima durante a infância , e uma amiguinha da 4ª série…
    Muiiitas coisas aconteceram até meus 15 quando conheci minha primeira namorada …chorei…blá blá blá..
    Mas entre esse longo caminho , existem muitos filmes lésbicos e muitos episódios de Xena kkkk.
    E eu sempre repito : ''Essa é a melhor coisa que poderia ter acontecido comigo…''
    O que seria de mim sem uma paixão platônica por cada atriz linda~?
    Ficar horas pesquisando no google se ''tal atriz'' tem algum indício lésbico…

  67. Luisa disse:

    Eu fui muito, muito, muito moleca! E felizmente não lembro da minha família me reprimir quanto a isso. Minha mãe conta rindo que eu nunca dei bola pras bonecas que ganhava mas UM DIA vi uma negra na vitrine e quis comprar uhauahuha. Só tinha primos homens então era uma beleza, brincava com tudo quanto é brinqueto deles: espadinha, arco e flecha, capa de super herói, lego, playstation etc. Ah, eu tinha uma fixação por boné pra trás.
    Odiava as saias, vestidinhos e tamanquinhos que minha mãe me comprava, lembro quando juntei dinheiro e comprei uma camiseta masculina com um rato estampado. Quando cheguei em casa minha mãe nem ligou.
    Na escola foi diferente. Lembro de quando tinha treze anos, durante a aula, peguei o boné do meu amigo e vesti virado pra trás. A professora comentou na frente das minhas amigas que eu poderia muito bem ter nascido homem, daria mais certo. Nossa, como eu fiquei chateada com aquilo. Chorei horrores quando cheguei em casa, coloquei na cabeça que eu deveria ser extremamente feminina dali em diante – e olha que eu nem era mais masculina, tinha deixado a maioria das molecagens na infância.
    Até hoje não superei, cuido nos mínimos detalhes pra não relaxar em alguma coisa na aparência, ficar de fora de alguma das “coisas de mulher”. Sei que é uma grande besteira, mas preciso disso.

  68. suellen cervantes disse:

    eu estava pesquisando sobre homossexuallidade na infancia e achei vcs,ainda bem! Pois hj eu tenho 26 anos sou lesbica sumida des dos meus 15 anos(18anos pra minha familia)mais pelo que eu me lembro minha primeira experiencia foi na creche nem sei com que idade,eu estava brincando de casinha com uma coleguinha,que se chamava Aline e nos beijamos,me lembro bem da sensação boa,depois fomos ao banheiro e demos outro beijo se a professora ver,falamos que iamos ser namoradas,mais nunca iamos contar pra ninguem pois tinhamos medo de ficar de castigo.
    enfim anos se passaram nem me lembrava mais dela mais todas a minha amigas imginarias se chamava Aline,(e eu nunca sou explicar o pq até um dia me lembra dela,ai eu ja tinha uns 15 anos.)quando eu lembrei dela percebi que sempre fui lesbica,mais nunca tinha prestado a atenção.
    Aos 8 anos me apaixonei pela professora da1°serie(prof°-Rosemeire,uma mulher baixinha,cor de jambo,olhos vivo,sorriso lindo,corpo violão,linda!)e me lembro tbm de ficar rezando todos os dia pra Deus pedindo perdão por gostar da minha professora.
    Só queria deixar aqui,um pouco da minha infancia pra se um dia alguma menina ou mulher achar que ela eh precose e dever ter algo de errado cm ela isso eh super normal.

  69. Carla disse:

    Minha filha tem quatro anos e só brinca com os meninos na escola. Ela gosta das princesas, mas sempre escolhe um personagem masculino para ser nas brincadeiras. Eu sei que ela é muito pequena, mas vcs acham que é um indicativo de homossexualidade?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *