Projeto Filmes Lésbicos – 006

Cansada de ver filme de diretores desconhecidos, decidi ser cult e ver somente filmes de diretores renomados como Tony Scott, Steven Soderbergh e Nicole Conn.

Catherine Deneuve

What a drag!

Filme: Passion

Passion Poster

Gênero: Contem-cenas-lésbicas-mas-não-é-filme-lésbico; Lésbicas-e-Crimes;

Sinopse by Jac: Duas mulheres começam a brigar por assuntos profissionais e tudo vira um thriller.

Opinião: Assista ao trailer. A sua impressão deve ter sido a mesma que a minha: metade do filme vai ser Rachel McAdams sendo uma lésbica predadora delícia obcecada e a outra metade vai ser um thriller.

Fuén, jogue suas expectativas no chão, vire pro lado, cave um buraco e as enterre de vez. Eu tive que reassistir o trailer para ver se realmente todas as cenas delícias estavam no filme. Esse foi o primeiro e muito provavelmente o último filme do Brian de Palma que eu vi na vida (não, eu não vi Missão Impossível!).

Noomi Rapace também conseguiu ganhar minha antipatia. É uma vergonha que todo mundo fale tão mal da Kristen Stewart, enquanto Noomi Rapace fez o papel mais inexpressivo da história do cinema.

Uma hora e meia com essa cara!

Uma hora e meia com essa cara!

Para vocês terem uma noção, uma hora Christine (Rachel McAdams) conta uma história triste e Isabelle fica com a cara de bunda padrão dela, mas solta uma lágrima. Eu pensei que ela não estava acreditando em nada, logo eu também não me envolvi com a história e senti vergonha da Christine. Qual não foi minha surpresa ao descobrir futuramente, graças aos diálogos, que a Isabelle realmente acreditou naquela ladainha? Quer dizer, precisava nem de atriz, era só passar os diálogos escritos na tela.

Passion - Noomi Rapace 02

Para não me ajudar nem um pouco, eu peguei uma raiva absurda da Noomi Rapace de cabelo preso com franja. Ela de cabelo solto até fica bonita, mas eles não poderiam deixar ela no melhor estado dela, né? Tem que prender o cabelo! Aí tudo o que eu via era aquele monte maciço de rosto cheio de base mal passada e com dois olhinho piquititinhos no meio. Mais pro final do filme consegui perceber quem a Noomi Rapace me lembrava.

Acho que está bem óbvio quem é mais expressivo.

Acho que está bem óbvio quem é mais expressivo.

Mas pelo menos um mérito Brian de Palma tem. Ele foi o único diretor na Galáxia que conseguiu pegar uma mulher linda, passar um batom vermelho nela, torná-la uma bitch, colocá-la em um subtexto lésbico e ainda assim estragar a personagem a tal ponto que eu nem me apaixonei por ela.

Passion 01

Gente, não existe pessoa mais fácil do mundo para mulheres lesbo-predadoras do que eu! Você tem que ser um gênio para estragar isso. E como ele conseguiu isso? Meus palpites:

  • Colocar a Regina George contra a única lésbica/bissexual de verdade do filme;
  • Não explicar em momento algum qual o interesse lésbico da Regina George com a Isabelle;
  • Uso incorreto do Lezploitation – não tem sentido algum elas se beijarem e isso não afeta em nada a trama;
  • Lezploitation RUIM.
Sugando a alma da Regina George. Nem como beijo de raiva serve!

Sugando a alma da Regina George. Nem como beijo de raiva serve!

Entretanto seria um erro pensar que eu só odiei as duas protagonistas e a relação delas. Eu odeiei também:

  • A edição com os cortes à la Nicole Conn (não interessa se o diretor é famoso).
  • A direção de arte que acha que pessoas vivem em lares tipo Casa & Jardim feat mau gosto;
Essa luminária... argh!

Essa luminária… argh!

  • Um soundtrack brega, brega, brega todo trabalhado em Kenny G. Qualquer cena de reflexão e já começava a tocar aquele saxofone demoníaco.
  • O roteiro super mal costurado. Lisbeth Salander pega o namorado da Regina George, e aí? Regina George tenta dar uns pegas na Lisbeth Salander para quê?
  • Passion? Passion pelo quê? Uma pela outra que não é. Pela carreira também não porque elas esquecem essa história de trabalhar lá pelo meio do filme. Por vingança talvez? Não sei, alguém me ajuda com isso?
  • A tomada de 27s de merchandising da Apple que eu fui obrigada a assistir;
Okay, eu entendi que a Apple está copiando a indústria tabagista de décadas atrás e investindo pesado em merchan nos filmes.

Okay, eu entendi que a Apple está copiando a indústria tabagista de décadas atrás e investindo pesado em merchan nos filmes.

  • O sapato/tamanco que eu deveria ser visto como sexy, caro e elegante e…
Drag Queens achariam exagerado e cafona.

Drag Queens achariam exagerado e cafona.

Nossa, esse filme não teve absolutamente nada de que eu gostasse? Incrivelmente, tivemos um momento bom no filme!

Finalmente uma representação das nobre funcionárias do sistema penitenciário em toda sua glória!

Finalmente uma representação das nobres funcionárias do sistema penitenciário em toda sua glória!

Final: Se o filme já é esse absurdo todo, o final concentra 90% da loucura do Brian de Palma. Algum problema psicológico aconteceu, que ele começou a se sentir uma mistura de Aronofsky e Christopher Nolan. Tivemos a sequência vergonhosa de balé.

Nossa, que inovador, que artístico!

Nossa, que inovador, que artístico!

Tivemos a revelação dos planos assassinos de Lisbeth Salander.

"Deixa eu usar essa máscara nem um pouco suspeita e segurar essa faca enquanto estou no jardim facilmente avistável por qualquer um que passe na rua."

“Deixa eu usar essa máscara nem um pouco suspeita e segurar essa faca enquanto estou no jardim facilmente avistável por qualquer um que passe na rua.”

Mais para o final mesmo tivemos a reviravolta em que a lésbica ruiva chantageia a Lisbeth Salander para conseguir sexo.

Sendo que a ruiva estaria super bem cotada no mercado lésbico e conseguiria sexo sem chantagem bem facilmente e com uma mulher mais bonita.

Sendo que a ruiva estaria super bem cotada no mercado lésbico e conseguiria sexo sem chantagem facilmente e com uma mulher mais bonita.

E como ela chantageia?

"Vou salvar os vídeos que provam que você é culpada aqui nesse celular azul dos anos 00 que não possui memória interna, acesso a internet ou conexão USB."

“Vou salvar os vídeos que provam que você é culpada aqui nesse celular azul dos anos 00 que não possui memória interna, acesso a internet ou conexão USB.”

Mas obviamente a chantagem era tão bem bolada que ela guardou o celular no quarto da chantageada e ainda não fez backup nenhum desses vídeos. A única cópia dos vídeos estava naquele celular! Por que outro motivo ela começaria um cat fight para a Lisbeth Salander não destruir o celular?

"Me dá! Me dá! Solta o celular, tribufu!"

“Me dá! Me dá! Solta o celular, tribufu!”

E o final mesmo foi completamente WTF. Lisbeth mata a lésbica ruiva e é enforcada pela suposta irmã gêmea da Regina George. Mas não. Ela acorda na cama (o que não quer dizer que a irmã gêmea não enforcou ela) com a lésbica ruiva morta do lado. Fim.

Obrigada por avisar senão eu não perceberia.

Obrigada por avisar senão eu não perceberia.

Nota do Filme: 4
Nota do Romance Lésbico: 0
Nota da Lezploitation: 2

///\\\///\\\///\\\///\\\///\\\///\\\///\\\///\\\

Filme: Side Effects

Side Effects Poster

Gênero: Lésbicas-e-Crimes; Contem-cenas-lésbicas-mas-não-é-filme-lésbico; Até-Que-Não-É-Tão-Underground;

Sinopse by Jac: Uma mulher está em depressão e procura ajuda psiquiatrica. Ao mudar de medicamento… shit happens.

Opinião: Uhm, já que eu estou na vibe de Passion ainda, que tal um outro filme que una Lisbeth Salander + Sistema Carcerário + Lesbianismo + Diretor Famoso + Merchandising da Apple?

"Hey, olha o que eu descobri no meu super macintosh!"

“Hey, olha o que eu descobri no meu super macintosh!”

Eu preciso me desculpar com você leitora que não viu esse filme porque o simples fato de Side Effects estar nesse blog já é o maior spoiler do filme. Quer dizer, eu não pude evitar o spoiler, assim como a leitora que me aconselhou a assistir o filme não teve culpa que faltando 40 minutos para o fim do filme eu já sabia todo o mistério.

Side Effects começa chatérrimo com toda aquela baboseira sobre como a indústria farmacêutica é má e como os médicos contribuem com essa grande vilã mundial.

"Vamos todos discutir nossos planos ardilosos e maléficos para ganhar rios de dinheiro às custas da saúde das pessoas."

“Vamos todos discutir nossos planos ardilosos e maléficos para ganhar rios de dinheiro às custas da saúde das pessoas.”

E para ser bem sincera, fiquei meio decepcionada com Soderbergh. Conheço pouquíssimo o trabalho dele, mas não lembro de ver tosquices em Onze Homens e Um Segredo (exceto a relação machista e clichê do George Clooney com a Julia Roberts) – apesar que sua maior obra ser um remake de um filme de 1960 não é exatamente uma credencial de bom diretor.

Em Side Effects nós temos duas cenas horríveis (pare de ler daqui para frente se você não quer mais spoilers). A primeira é o assassinato do Channing Tatum. Até eu que nunca cortei uma carne animal ou humana sei que a faca não entra tão facilmente e com aquele som de facada no algodão.

Side Effects 03

E como o Channing Tatum reage após receber a segunda facada? Grita PARE. É, como “por favor, pare de me esfaquear – isso machuca”. E vira de costas para a assassina. Ele vira de costas! Mas obviamente ele tentou fugir porque é óbvio que Channing Tatum não teria a mínima condição de vencer a Rooney Mara em uma luta corporal.

"Ai, para!"

“Ai, para!”

A outra cena é da Lisbeth Salander seduzindo a Catherine Zeta-Jones. Nessa hora eu não sabia se estava vendo um filme ou um pornô.

Sensual seduction - para necrófilos.

Sensual seduction – para necrófilos.

"Uhm. Vejo que a senhorita não fez sua lição de casa. Menina má, muito má. Uma menina tão desobediente merece uma punição, vem cá."

“Uhm. Vejo que a senhorita não fez sua lição de casa. Menina má, muito má. Uma menina tão desobediente merece uma punição!”

Just kidding, não teve diálogo algum na cena. Sério que para eu pegar a Catherine Zeta-Jones eu não preciso falar nada? É só fazer aquela cara de morta ali e mostrar um pouco de pele?

Okay, essa parte é mais sexy - pena que piscou, perdeu.

Okay, essa parte é mais sexy – pena que piscou, perdeu.

Se fosse só essas duas cenas, vá lá. Mas nós temos várias cenas com diálogos tão inteligentes quanto:

Eu imagino uma dona de casa vendo o filme e respondendo "a gente não pode confiar em comerciais, não, minha filha".

Eu imagino uma dona de casa vendo o filme e respondendo “a gente não pode confiar em comerciais, não, minha filha”.

E temos o sabichão do Jude Law resolvendo mistérios. Eu já não simpatizo com o ator, imagina ele interpretando o srº homem-branco-hetero-vítima com dotes detetivescos querendo arruinar o plot lésbico?

Biscoito Scooby para você, babaca.

Biscoito Scooby para você, babaca.

Final: Eu não sei se eu estou de saco cheio de roteiros cheios de reviravoltas-e-mais-reviravoltas ou se eu estou tendo o azar de pegar diretores e escritores ruins. De qualquer forma, eu odiei as vinte e sete reviravoltas que o roteiro deu.

Quem nasceu para Soderbergh nunca vai ser Nolan, né?

Quem nasceu para Soderbergh nunca vai ser Nolan, né?

Talvez se eu não soubesse que as duas mulheres iriam se pegar, eu pudesse ter odiado menos o filme. Mas eu passei metade do tempo com aquele blablabla chato sobre a maléfica indústria farmacêutica e a outra metade vendo o Jude Law (argh) raining on lesbian parade.

Preciso nem comentar que eu odiei que a Catherine Zeta-Jones foi presa, né? Sorte que minha mente já imaginou ela encontrando Matron Mama Morton e tendo muito, muito sexo lésbico na cadeia.

"Eu mereço muito mais do que uma Rooney Mara traidora!"

“Eu mereço muito mais do que uma Rooney Mara traidora!”

Nota do Filme: 5
Nota do Romance Lésbico: 1
Nota da Lezploitation: 2

///\\\///\\\///\\\///\\\///\\\///\\\///\\\///\\\

Filme: Elena Undone

Elena Undone Poster

Gênero: Straight-Meets-Lesbian; Você-Só-Assiste-Por-Ser-Lésbico; Você-Já-Viu-Isso-Antes;

Sinopse by Jac: Esposa de pastor conhece lésbica e a mágica acontece.

Opinião: Ver Passion e Side Effects não foi exatamente uma grande experiência lésbica para mim. Então quando eu voltei do cinema após ver quase duas horas de sexo falocêntrico (obrigada, Almodóvar) eu percebi que precisava regular minha dosagem de lesbianidade. Eu precisava de um filme feito por lésbicas, para lésbicas, com um roteiro bem clichê, bem romance barato e que me trouxesse um final feliz para as lésbicas. Sim, eu precisava de Nicole Conn.

Já comentei antes com vocês, mas eu tenho um sério problema com partes marcantes dos rostos de algumas pessoas. Eu não consigo me concentrar em mais nada. Não é maldade minha, juro! A boca da Angelina Jolie, por exemplo, arruinou toda a tentativa de suspender minha descrença em A Troca.

E juro que não era porque eu estava achando sexy!

E juro que não era porque eu estava achando sexy!

Já a primeira vez que eu vi Elena Undone eu não conseguia parar de olhar para o nariz da Necar Zadegan.

"Meu nariz!"

“Meu nariz!”

Sério, eu não quero ser maldosa aqui, mas parecia que a Nicole Fucking Conn falava para a Necar Zadegan sempre beijar com a cabeça virada para a câmera.

Elena Undone 02

Vocês vão me perdoar, mas isso me desconcentrou à beça. No entanto, dessa vez que eu assisti Elena Undone, eu evoluí. Deixei de ser essa judging bitch que normalmente sou e passei a reparar em coisas mais elevadas, mais importantes e mais significativas como:

Ana Paula, é você?

Ana Paula, é você?

God!

God!

Linda!

Linda!

"Eu sei que eu sou linda!"

“Eu sei que eu sou linda!”

Really? Não basta eu ter que lidar com meus sentimentos com a Ana Paula (Arósio), Jill Bennett e Lisa Ray? Agora eu preciso stalkear Traci Dinwiddie também? Eu não consigo nem escrever o nome dela ainda!

(Para poupar o seu trabalho lá vai: eu não descobri se ela é lésbica ou bissexual, mas ela definitivamente já teve alguns casos com mulheres. Ela também é toda lésbica de yoga, ops, perdão, pessoa-que-já-se-relacionou-com-pessoas-do-mesmo-sexo de yoga e toca tambores do oeste da África e sei lá mais que diabos dessas coisas exóticas orientais)

Traci Dinwiddie

Mas do que mesmo que eu estava falando?

Elena Undone 07

Ah, sim! Bem, Elena Undone é um filme da Nicole Conn, né? Então você pode deduzir a qualidade dele. Temos…

  • Cenas da infância da Peyton, com a mãe dela dando importantes lições que futuramente serão usadas para pegar mulher.
E pelas roupas da infância da Peyton, podemos constatar que ela nasceu em 1920.

E pelas roupas da infância da Peyton, podemos constatar que ela nasceu em 1920.

  • Um guru amoroso muito chinfrim e cheio de frases de efeito.
Caio Fernando Abreu.

Caio Fernando Abreu.

Clarice Lispector.

Clarice Lispector.

-Um filho problemático que acha ruim sua mãe estar pegando a Traci Dinwiddie.

Elena Undone 11

Mas eu acho que a gente consegue perdoar o roteiro pobre, não é mesmo?

Elena Undone 12

Final: Nah, nenhuma novidade.

"Você guardou esse anel horroroso que eu te dei? Realmente aqui está a prova de amor que eu precisava!"

“Você guardou esse anel horroroso que eu te dei? Realmente aqui está a prova de amor de que eu precisava!”

Nota do Filme: 5
Nota do Romance Lésbico: 6
Nota da Lezploitation: 7

///\\\///\\\///\\\///\\\///\\\///\\\///\\\///\\\

Filme: The Hunger – Fome de Viver

The Hunger Poster
Gênero: Straight-Meets-Lesbian; Antigo; Até-Que-A-História-Não-É-Clichê;

Sinopse by Jac: Vampira procura companhia.

Opinião: Aproveitando a onda de diretores famosos do post, decidi rever The Hunger de Tony Scott (apesar que o filme parece bem mais com uma obra do irmão, Ridley Scott). Considere tudo daqui por diante como spoiler.

The Hunger começa bem conceitual, bem anos 80 e bem apavorante (eu destesto macacos, ainda mais em fúria). Isso pode ser estranho para muita gente, mas logo o filme deixa de pirar tanto e passa a se focar no drama do John – um vampiro (essa palavra nunca é usada para descrevê-los – parece ser um tabu tanto quanto “lésbica”) que está em processo de envelhecimento.

The Hunger

Eu fiquei impressionada com como eu consegui simpatizar com a personagem do John. Primeiro porque ele deveria ser o contraponto do romance lésbico, logo, meu inimigo natural. Segundo porque eu não simpatizo muito com o David Bowie. Mas, milagrosamente, eu senti muita pena de assistir o desespero de John.

The Hunger

Mas chega de falar de homem! Vamos falar agora da nova Tekpix Catherine Deneuve. Que elegância! Que porte! Que mulher! Em que universo a gente poderia ter imaginado que uma diva do calibre dela poderia fazer um filme com cena de sexo lésbico – TRINTA ANOS ATRÁS? Okay, ela fez Repulsa ao Sexo e Belle de Jour, mas ainda assim, estamos falando de lesbianidade aqui. Catherine Deneuve é tão melhor do que certas outras atrizes por aí…

Brigitte Bardot

Xô, fubazenta!

Temos também a tomboy fofíssima que, assumo eu, estava sendo criada para ser a próxima escrava sexual companheira da Miriam – o que não é um destino ruim, convenhamos.

The Hunger

Que fofa! Aposto que quando crescer vai virar uma Kristen Stewart de tão estilosa.

Wait… o filme é de 1983, então nós já sabemos como a tomboy cresceu…

Beth Ehlers

Ai que horror!

Susan Sarandon infelizmente está em um papel chato, sem muita personalidade que só serve de presa para a Miriam. Uma pena!

Dependendo do seu estado emocional, o filme consegue te provocar todas aquelas reflexões sobre nossa morte e envelhecimento, mas eu achei um outro aspecto muito interessante e que você não vê por aí em qualquer filme. Você não consegue achar um personagem bom ou mau entre os principais.

The Hunger

John parece um pobre coitado enganado com uma promessa de vida enterna, mas acaba matando a tomboy. Miriam parece uma bitch que troca de amantes sem muitos problemas, mas é uma coitada assombrada com o medo de ficar só. Sarah é uma tonga que não serve para muita coisa, mas acaba herdando a bitchness da Miriam.

Outro bom aspecto do filme foi a cena de sedução da Sarah. Miriam tocava a música tema de toda lésbica predadora elegante e sofisticada: Dueto das Flores. Vocês lembram da cena da Bette Porter dando uns pegas na Alice em The L Word no meio da ópera? É disso que eu estou falando. Nada de piano chumbrega na cena de sexo. Nada de Kenny G.

The Hunger

Final.: Eu gosto dos finais que são cíclicos, então aprovei essa coisa de vampira predadora sexual velha out, vampira predador sexual nova in.

No entanto, eu tenho um certo problema com zumbis do nível “só consegui terminar de ver a primeira temporada de The Walking Dead porque fiquei abraçada na namorada apertando a mão dela”. E eu comprei um filme sobre vampiros, então não estava preparada psicologicamente para ver zumbis, especialmente antes de dormir. Então eu demorei horas e horas para conseguir dormir a primeira vez que vi o filme. Na segunda eu me recuperei melhor percebendo que os zumbis de vampiros pareciam mais com múmias.

Mas ignorando o fato que os exes da Miriam são múmias zumbis vampiros, fiquei contente também por eles se libertarem.

The Hunger

Aliás, falando em exes, não pude deixar de notar uma certa semelhança entre mim algumas lésbicas e Miriam. Nós amamos nossas pessoas, mas uma hora elas se tornam insuportáveis e nós temos que trancá-las num caixão torcendo para que não voltem a urubuzar nossos novos relacionamentos – o que volta e meia acontece.

Algumas vezes acontece também de algumas lésbicas (eu definitivamente não) passarem a ser as mortas-vivas das suas exes chorando pela a eternidade “Sarah, Sarah”.

Então é sobre isso que se trata The Hunger: se você não se livra direito dos seus mortos-vivos, eles voltarão pra te urubuzar.

The Hunger

“NÃÃÃÃOOO!!!”

Nota do Filme: 9
Nota do Romance Lésbico: 6
Nota da Lezploitation: 4

///\\\///\\\///\\\///\\\///\\\///\\\///\\\///\\\

Nota 01: Para quem não sabe, está passando em muitos cinemas Flores Raras que conta a história de blablabla arquiteta, poetisa blablabla lésbicas. Não sei se o filme é bom ou ruim ainda, mas qual é a chance da gente ver mais um filme centrado em um relacionamento lésbico no cinema mainstream ainda em vida? Temos que aproveitar!

Nota 02: Eu sei que o blog está abandonado, está em decadência e que as leitoras de modo geral preferem posts mais sobre vida lésbica a posts sobre filmes, séries e afins e eu lamento muitíssimo deixar o blog como está. Os últimos 12 meses tem sido de sacrifícios para mim. Para vocês terem idéia, se eu pegar exatamente 12 meses atrás até a presente data, eu passei por QUATRO empregos. Minha inspiração e vontade foram drenados e isso afeta muito o blog. Acredito que até metade de Outubro eu ainda estarei na minha motanha-russa, mas depois vou querer um tempo para minha vida, para voltar a me inteirar do mundo lésbico real e, quem sabe assim, elevar o blog para o que já foi um dia. Deixo essa nota em consideração a todas as pessoas que não desistiram do blog ainda =)

Compartilhe com a irmandade!Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on TumblrShare on Google+Email this to someone
Esta entrada foi publicada em Mídia e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

36 respostas para Projeto Filmes Lésbicos – 006

  1. Camila Paixão disse:

    Eu me interessei demais pelo Passion, principalmente pela Noomi Rapace estar interpretando outra bissexual. Gostaria de ver esse filme no cinema, já que ele tecnicamente vai lançar no Brasil dia 23/08, mas nem sinal dele nas estreias dos cinemas aqui do meu estado.

  2. ;) disse:

    Olha q minha dica já caiu no post seguinte :)))

    Mas acho que eu gostei bem mais do filme do q vc…. 😛

  3. disse:

    Como gosto de sofrer, vou ver Passion…

  4. Ireth ripoll disse:

    Cara adoreii tipo eu nunca vi nem um dos filmes mas dizem q elena udone èo bicho
    #SQN:

  5. Leona disse:

    Olá meninas, esta é a primeira vez que comento aqui, mas já havia dado uma olhadinha aqui outras vezes e acho sensacional os posts, principalmente sobre filmes. Eu gosto muito das análises recheadas de um humor muitas vezes ácido e que faz toda a diferença.
    Agora, a respeito do filme Passion, achei que eu é quem não tinha sido intelectual o suficiente para compreendê-lo, e olha que eu já tinha visto a versão original francesa Crime de Amor e não tinha entendido (mas eu sempre tive esse problema com a maioria dos filmes franceses rsrsrs…). Eu esperava mais do remake, pelo menos que a relação entre as duas fosse mais explorada ou mesmo mais esclarecida que na versão original, mas enfim…
    Parabéns pelo blog !!!

  6. Yasmin disse:

    Esse “The Hunger” parece bom, adoro uma breguice 80′ hehe

  7. Lais disse:

    Adoro suas análises Jac, mesmo que o filme seja muito ruim, pelomenos vc deixa engraçado! Me divirto litros XD

    Baixei Passion e só dando uma olhada por cima, o filme já parecia um tédio completo……quando tiver com vontade de sofrer e agora rir, eu assisto haha

    Anyway, já que o poste é sobre diretores renomados, eu recomendo Mulholland Drive de David Lynch, não é classificado como lésbico (mas quem assiste acha que é). Achei muito bom e definitivamente a sequência do filme não é clichê , inclusive acho que seria interessante fumar alguma coisa antes de ver ou tomar um chá de cogumelo, talvez…kkkk
    Sério, o filme só é bom se vc perceber porque ele é genial, tem até algumas pistas que o diretor deixou pra entender o filme (http://www.papodeboteco.net.br/2011/07/mulholland-drive-2001-uma-analise.html). A história toda pode ter várias versões, dependendo da análise de cada um.

    Como é meu primeiro comentário, depois de tanto tempo sendo observer, tenho que dizer que já aprendi muita coisa nesse blog, PARABÉNS!!! =)

    • Leona disse:

      Mulholland Drive é realmente muito bom, sem falar que a Naomi Watts está sensacional neste filme.
      Até esse Mulholland Drive foi mais fácil de entender do que Passion rsrsrsrs…

  8. Limoncella disse:

    Cara, como eu amo esse site! Já estava com saudade dos seus posts
    Morri de rir com o que você disse sobre Passion e a inexpressividade da Noomi. Ainda assim, quero ver esse filme.
    Elena Undone é um clássico, mas confesso que também não gostei muito.
    The Hunger já estava na minha lista, porque é só eu ler lésbica+deneuve na sinopse que já tenho motivos de sobra pra querer assistir ao filme.

    Amei esse seu projeto de filmes lésbicos. Além de ser hilário, foi através dele que eu conheci outros filmes de temática lésbica que sejam tão bons quanto Imagine Me & You. Acho que o que eu mais gostei até agora foi Kyss Mig.

    Mas falando em clássicos, já assistiu Persona? Dizem que é excelente, mas imagino que não tenha beijos, já que é da década de 60. Só a história mesmo que deve ser muito boa.
    Tem também Fingersmith (ou Falsas Aparências), que apesar de ter 3 horas de duração, é um ótimo filme/minissérie. Tem a tal da reviravolta que você disse que já está de saco cheio, então não sei se você iria gostar. hahaha

    E não vejo a hora de assistir blue is the warmest color e ler sua opinião sobre ele hahahaha

  9. Alice disse:

    Eu tinha muitas esperanças em Passion: De Palma dirigindo, Rapace e McAdams se pegando, o que poderia dar errado? Bem, o filme consegue ser tão ruim quanto o Crimes de Amor original. Puta desperdício de direção e elenco.

    Ao contrário de você, eu gostei bastante de Side Effects, justamente pelas reviravoltas. Mas concordo que as cenas de sedução lés foram meio toscas, e a gente sempre fica puta quando a sapa se ferra no final, né?

    The Hunger eu achei chatíssimo, talvez pelo fato de o tema vampiresco-terror não me atrair nada.

    Helena Undone eu não me lembro se assisti, vou tentar assisti-lo para relembrar.

    Eu estou adorando as análises de filme, morro de rir com seus comentários; por favor, não pare! 😀

  10. Leona disse:

    Desculpem mas saindo um pouco dos filmes citados no post, estava vendo o trailer do novo filme do Bruno Barreto, Flores Raras, que tem a Glória Pires e fala sobre o relacionamento entre Elisabeth Bishop e Lota de Macedo, gostaria de saber se alguém já foi conferir e o que acharam?
    Será que ele merece estar nos próximos posts?

    • gabi disse:

      todos os filmes merecem estar aqui
      mas tenho certeza que esse “Flores Raras” é um lixo.
      odeio a Glória Pires
      hahahhaa

      • Leona disse:

        Ok… rsrsrs… Eu perguntei mesmo por causa da história, pois vendo o trailer me pareceu interessante, ainda mais porque gosto de filmes baseados em fatos reais. E quanto a Glória Pires ( quanto ódio neste coraçãozinho…rsrsrs…) acho interessante a reação do público, principalmente os acostumados a vê-la nas novelas globais fazendo quase que sempre os mesmos papéis “comportados” para os padrões da sociedade, e agora de repente vendo este outro lado dela como atriz que ninguém jamais imaginaria vê-la fazendo de modo explícito no horário nobre por exemplo, ainda mais se tratando de um romance lésbico. Embora nos EUA seja comum grandes atrizes interpretarem lésbicas no cinema, no Brasil o fato de atrizes serem versáteis causa alvoroço ainda mais se tratando de atrizes como a Glória Pires (confesso que não acho ela tão ruim assim…rsrsrs…). Enfim, acho que daria um bom debate.

  11. Pois é... disse:

    Nota de Impugnação!

    Prezada responsável por esse site e demais colegas leitoras,

    Venho por meio desta expressar minha indignação: Pow!!! 2 postes seguidos de filme… tem dó!

    Tem tanta coisa mais interessante pra ser debatida aqui através da mente brilhante da dona do recinto (Tô puxando saco pra ela não me xingar) e das sensíveis meninas que contribuem nos comentários.

    Tantos assuntos atormentam nossas cabecinhas perdidas, sofridas e malignas (hehe).

    Ex.:
    Como se comportar diante da família dela;
    No primeiro encontro, quem paga a conta? (isso é pertinente já que em tese não tem homem na situação).
    Uma campanha por uma lésbica na novela das 18:00h;
    Pequenas lésbicas e grandes negócios;
    Maneiras de matar o Marcelo Rezende e acabar com o Cidade Alerta;
    O que tinha no saquinho do dr. Chapatin …?

    Essas coisas que fazem a diferença na vida da gente sabem?

    Você pode mais.

    Espero que isso não se repita!

    Tenho dito.

    • thaís aquino disse:

      srta. pois é, tenha seu próprio blog, e escreva sobre o q quiser. não gosta da temática filme lésbico, não leia.
      vá fazer seu mimimi com sua cabecinha maligna, perdida e sofrida (suas palavras) em outro lugar.

  12. duda disse:

    Mesmo. Demorando de colocar post estamos aq pra ler sempre q. Escrever ,bjs espero q vc posso organizar o seu tempo como deseja ^^

  13. gabi disse:

    HAHAHA, eu vi Passion em outro país, no cinema
    mas vi tãooooo chapada
    que não concordo em nada com você Jac
    KKKKKK
    brincadeira
    vou ter que ver de novo

  14. Dayane disse:

    Bah, seu comentário sobre o filme Elena Undone me deixou um tanto chateada… Verdades a parte, (como por exemplo o nariz grande ser meio marcante mesmo) rs acho que o filme tem muitos outros detalhes a serem abordados… Ví vááários filmes lésbicos, e não achei mesmo que a história tenha um enredo clichê… Pelo contrário, representa uma situação que pode mesmo ser real, diferente de filmes de vampiras lésbicas e afins (nada contra quem gosta) é certo que a parte do guru dar todos aqueles “conselhos” é bastante dispensável, mas gostei de verdade de como o tema foi abordado, a conclusão que ele teve também…. As cena do primeiro beijo ( beijo esse mais longo de qualquer filme lésbico, eu achei MUITO inspiradora, e a música que toca de fundo, descobri que foi composta ESPECIALMENTE para aquela cena, então achei mais legal ainda…. )Enfim, eu, Dayane, daria nota 9 para o filme, acho que se alguém estiver lendo esse post, e se interessar pelo filme, dificilmente vai se arrepender.

    • Ma disse:

      Eu gostei muito do filme Elena Undone dou um 9 também , já vi muitos filme lésbico que foram muito frustante para mim. Como Circunstance e Segredos íntimos que pensei em um final e foi outro completamente diferente. Nos dois filmes uma delas casam com homem, mesmo amando sua parceira isso e muito chato .

    • Noe disse:

      Verdade essa cena do beijo longo é muito boa. A história do filme é plausível talvez, eu gosto. Mas o NARIZ da atriz é péssimo. Sou que nem a Jac com partes estranhas de corpos, mas principalmente nariz…. 🙁

    • Dee disse:

      Minha nota tb é 9!!! Sou fissurada neste filme!

    • Tina disse:

      Cara, concordo com você..

      Não podemos dizer que é um filmaço, tem seus erros..

      Mas sou fissurada nesse filme, já assisti umas 10 vezes..

      Amo a química entre as atrizes, ao contrário do que falaram sobre a Necar ( Elena) acho ela maravilhosa, charmosa e aquele nariz de turca dá todo um charme nela.

      Aquele beijo… Meu Deus, que beijo! Eu já repeti a cena milhões de vezes só pra rever e rever, a música de fundo super casou com o momento.

      Não curto filme clichê, mas dentro dos clichês é um dos melhores junto com Kyss Mig outro clichezão que adoro..

      E o que falar da Traci? Socorro que mulher linda, perfeita, maravilhosa e SIM ELA É LÉSBICA!

      QUERO AS DUAS PRA MIM

      BEIJOS

  15. Cássia disse:

    Há muito tempo eu não ria tanto lendo um site, seu humor foi melhor que os filmes!rs.
    E concordo, a Traci ‘Hssdjfifsdhsnsnfnjhf’ tira a concentração total!

  16. Vanessa disse:

    AHHHHHHHHHHHHHHHHHHH
    Alguém viu isso?
    http://www.youtube.com/watch?v=m9aKUCX-JMI
    Primeiro video que mostra cenas diferentes daquelas dos trailers (francês e inglês) de La vie d’Adele

  17. Leona disse:

    Pra quem curte filmes diferentes com temática Lés, encontrei um site em espanhol com links para ver online ou baixar vários filmes. O único problema é que na maioria o áudio está em espanhol, ou então legendados em inglês ou espanhol, mas quem não se importar aí vai o link:
    http://latetafeliz.blogspot.com.br/2013/05/pelis-less.html

  18. Mari disse:

    Jac, vc já assistiu Lírios d’água? Eu adoraria ver um review seu nesse filme, pq ele é muuuuito bom!!!

    • Jac disse:

      Meio que já vi (fui passando de cena em cena bem louca obcecada pela história). Um dia posto sobre ele =)

  19. Priscilla disse:

    “Loving Annabelle”, ainda não assisti esse filme, mas parece bom, acho que vale a pena ver…
    Vi nesse site, o texto falando sobre o filme: http://lounge.obviousmag.org/meros_devaneios/2014/01/quando-as-regras-ditam-a-felicidade.html

    Bem, fica a dica para você 🙂

  20. Dee disse:

    Jac, este post é excelente, vc está de parabéns, sempre!

    Fique tranquila, sua vida vai entrar no eixo e tudo vai ficar bem, torço por vc! Acompanho o blog há algum tempo e já me diverti muito com seus comentários, são muito inteligentes!

    Deixando a rasgação de seda de lado (ainda q merecida!), vc tem o link para baixar Elena Undone? Sou fã do filme (td bem, é água com açúcar, etc, etc…) e queria uma indicação de link, se tiver jeito!!!

    Grande abraço, força querida!

  21. Jasmine disse:

    Elena Undone, dos melhores filmes com a tematica lesbica 100% que já vi! Agora não me venha, com historia, o Nariz da Necar sim é grande mas a mulher essa é bem linda no seu conjunto, a sua voz é forte e poderosa,o casal é lindo , faz-nos sonhar.! Nota 9 , não 10 porque a Peyton para o final torna-se uma personagem egoísta ..( nada de novo) e fria ..tadinha da Elena….nossa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *