Drama Lésbico Episódio 07: A Hetero Casada

Achei que a gente superava essa fase das heteros depois dos 20 anos, mas aparentemente não. Elas ainda são assunto no mundo lésbico.

“Quem vê pensa que entre lésbicas não tem drama e que a gente precisa ficar falando de hetero, mas okay, vamos lá…”

Essa é você: uma lésbica bonita, inteligente, divertida, equilibrada (!) e militante pela adoção de animais de rua. Um partidão na comunidade. Mas você tem um defeito. Você não é tão paciente assim para ficar revirando pedras até encontrar uma outra sapatão bom partido.

Nisso apareceu na sua vida uma mulher super interessante e maquiada bem-vestida bem-cuidada jovem atraente. Você inicialmente não deu corda para ela, afinal se toda santa vez que uma mulher hetero interessante passasse na nossa vida a gente se desmanchasse de amores não sobraria tempo para sexo lésbico mais nada.

Mas ela não é qualquer hetero, né? Ah, não… Ela é diferente. Única. Especial.

A química entre vocês é incrível. Só tem um problema: ela é casada (com um homem, naturalmente, porque este é um post sobre heteros casadas). Mas desde quando isso impede você de se apaixonar, não é verdade?

Mas diferente das outras 43 heteros por quem você se apaixonou no início de carreira, essa hetero de fato dá em cima de você e tem intenções reais de te pegar.

“Nossa, miga, aproveita porque hoje em dia nem as lésbicas estão com intenções reais de pegação.”

E você começa a procurar tudo quanto é justificativa para ignorar o fato de que ela é casada:

-Talvez seja uma mulher que casou cedo e não teve muitas oportunidades na vida de explorar sua sexualidade;
-Talvez seja uma hetero entediada querendo experimentar novas coisas e te colocando no mesmo nível de uma algema, corda ou vela;
-Ou talvez seja uma futura lésbica que esteja se descobrindo tardiamente.

Mas isso não importa. Se você conseguir manter algo estritamente casual e sem sentimentos (risos), vai em frente. A pegação vai ser ótima porque pegação com quem tem muita vontade reprimida é sempre ótima. A vontade dela vai superar qualquer falta de técnica.

Agora, se você for uma sapatão normal, é óbvio que você vai desenvolver sentimentos por ela e é óbvio que a história vai acabar em drama. E se você já viu algum filme lésbico que não seja happy-ending você já sabe a resposta pra isto: quem é que se ferra sempre no final?

Por exemplo, tenho uma amiga que se envolveu com uma mulher hetero casada do escritório. O marido descobriu/desconfiou e a hetero implorou para a lésbica ir lá na casa deles para jurar que nada aconteceu . Teve que ouvir que a hetero falava para a família que tinha se aproximado dela para ajudar ela a se curar (!!!) e que tinha pena da mãe dela por ter uma filha lésbica.

Bônus: depois ela descobriu que a hetero, que fazia a linha sonsiane “nossa, que sentimento novo e louco é esse que eu tenho por você?” ainda dava em cima de outras lésbicas na cidade.

“Você pensa que eu não sei que você tá correndo atrás da Laryssa? Que você pegou a Odara? Que você está de olho na Carol? E ainda quer se fazer de vítima sonsiane da sapatão louca correndo atrás de você?”

Barraco meramente ilustrativo. Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.

Outra amiga ficou de conversinha por meses com uma hetero casada para na hora do comparecimento a hetero “ai, estou sentido muito culpa de trair meu marido. Beijos.” Ou seja, só queria levantar a auto-estima dela sem sequer render na pegação.

Tá, mas o que podemos extrair dessas histórias além da fofoca?

(A) Se alguém se ferrar nessa história, vai ser você.

Eu sei que é contraintuitivo pensar que numa história incluindo uma mulher adúltera e um homem traído é você quem vai sofrer mais, mas sério, nunca conheci uma história que acabasse com “o casamento deles terminou, o homem está sofrendo muito”. Se bobear quando o marido descobrir ele nem vai se importar muito, afinal, foi sexo com uma mulher. Nem conta muito.

“Aliás, você não gostaria de trazer sua ~amiga~ para um jantar aqui em casa, não?”

(B) A hetero não vai largar o marido e a vida hetero dela por sua causa.

“Ain, mas e se ela for uma lésbica que está se descobrindo?”

Então ela que largue o marido, se assuma e depois disso vocês conversam. Todo mundo tem direito a se descobrir na vida e isso é um processo que pode levar anos, mas ninguém tem o direito de arrastar a vida de terceiros por causa disso.

E se você já leu mais textos feministas na internet do que prestou atenção nas histórias que sua tia conta das vizinhas das conhecidas, você provavelmente vai estar inclinada a problematizar a situação da hetero (foi meu caso, not blaming you). Vai achar que é uma pobre mulher oprimida sem condições de exercer sua sexualidade plenamente devido a um marido ciumento e possessivo e uma sociedade heteronormativa. Pode ser que seja isso, mas o mais provável é que ela seja simplesmente uma mulher querendo pegar alguém sem perder os benefícios que ela tem estando casada com um homem.

“Looonge de mim querer insinuar algo, né, Fátima. Você sabe que não sou esse tipo de pessoa, maaaas só lembrando que são homens que ganham mais e ocupam cargos mais altos nas empresas.”

Só dando uma lembrada de como o mundo é.

Aliás… até conheço uma história de uma lésbica que ficou de amante ali um bom tempo e conseguiu que a “hetero” largasse o namorado (era namorado de longa data, não marido, mas dá uma abstraída aí) e se assumisse…

Aí depois dessa vitória, a “hetero” deu o pé na bunda dela afinal agora livre do cara e assumida ela queria mais era aproveitar a vida e pegar outras mulheres.

Brinde

“Um brinde às maravilhas de ser lésbica!”

(C) A hetero não é sempre honesta sobre quais são as intenções dela com você.

Existem pessoas maravilhosas nesse mundo que são sinceronas e falam suas intenções mesmo que isso possa te afastar delas. Então talvez você encontre uma mulher casada que fale claramente que não é a intenção dela se separar do marido e que ela só quer um caso. E aí você quer ou não quer. E está tudo bem.

Mas a maioria das pessoas não vão ser tão honestas assim. Elas vão fazer uma leitura de você e, se você for o tipo que busca algo além de sexo casual, alguma conexão emocional, elas vão te oferecer uma promessa disso para que elas obtenham o que elas querem (sexo, no caso).

(Isso na verdade vale para qualquer relação, mesmo não sendo especificamente com heteros casadas.)

Se você fizer um esforço mental grande de se lembrar da época em que frequentava a heterolândia, uma das lendas folclóricas que rolam por lá é da mulher que aceitava ser amante porque o homem logo estaria se separando e só não fez ainda porque a esposa é louca e os filhos iriam sofrer.

“E nós não vamos cair na versão lésbica desse embuste, não é?”

Então não vai aceitando assim um “é só uma questão de tempo para eu me separar e me assumir”. Tenha amor pela sua saúde mental.

Se você quer algo além do sexo casual, lembre que o tempo, a energia e o emocional que você está gastando com uma hetero casada poderia estar sendo usada para procurar uma mulher livre e interessada em retribuir o que você tem a oferecer.

“Tenha fé, miga. Ela existe!”

Eu espero.

E como eu amo um diagrama, organizei um para você decidir o que fazer se existir uma hetero casada dando em cima de você. De nada!

 

 

Compartilhe com a irmandade!Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on TumblrShare on Google+Email this to someone
Esta entrada foi publicada em Conselhos, Relacionamento e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

18 respostas para Drama Lésbico Episódio 07: A Hetero Casada

  1. Sheila disse:

    Muitas, muitas verdades num post só <3

  2. Sheila disse:

    “-Talvez seja uma mulher que casou cedo e não teve muitas oportunidades na vida de explorar sua sexualidade;
    -Talvez seja uma hetero entediada querendo experimentar novas coisas e te colocando no mesmo nível de uma algema, corda ou vela;
    -Ou talvez seja uma futura lésbica que esteja se descobrindo tardiamente.”

    A verdade é que foco é sempre esse né? Quem é essa hétero, o que ela quer, as dificuldades e problemas da vida DELA, os desejos DELA, a opressão que ELA sofreu a sociedade heteronormativa e etc etc etc.

    DUVIDO que do outro lado haja tanto cuidado e preocupação com os sentimentos/motivações/histórico de vida da lésbica.

    • Jac disse:

      Implica em uma necessidade de sermos “nós por nós”, né? Mas aí é um outro debate tão grande… não saberia por onde começar haahahahha

  3. Paty disse:

    Que saudades dos seus posts, Jac!
    Nossa, esse post é a história da minha vida amorosa nos últimos 3 anos! Minhas últimas 2 paixões foram 2 hétero casadas do trabalho, mas não tive nada, só sofrência mesmo.
    Na busca por respostas, procurando umas histórias de sucesso pelo google pra me inspirar, acabei chegando em um blog (blogsoubi) com VÁRIAS histórias assim de mulheres casadas que vivem no dilema porque se apaixonaram por uma mulher, algumas já sabiam e tentaram levar uma vida dupla, outras se reprimiram até não aguentar mais, outras se descobriram depois, etc… enfim, isso acabou alimentando minhas fantasias por um tempo, eu sempre me imaginava em alguma das histórias que deu certo, o problema é que perdi várias oportunidades de conhecer algumas mulheres que se interessaram por mim e eu estava muito distraída, aficionada, pensando na hétero casada.
    Hoje falo pra mim mesma: “pare de ser trouxa!” Haha
    (Se alguém souber de alguma simpatia pra parar de ser trouxa assim, super aceito.)

    • Jac disse:

      Dei uma olhada no blog. Pelo que vi lá a maioria é tipo “tenho atração por mulher” sendo que pode ser uma mulher genérica qualquer, não uma paixão por alguém específico.

      Hetero casada é só névoa na comunidade. Faz volume que não tem peso, não rende relacionamentos saudáveis e ainda impede que você enxergue outras mulheres que estão livres e dispostas.

      E, claro, a gente vê um e outro caso de sucesso na vida real e um bilhão de filmes de hetero-casada-se-descobrindo e isso mexe com nossa percepção de mundo.

      Lamento pelos seus 3 anos =/

  4. Helllo disse:

    Ou talvez ela seja bi. Nós existimos.

    • Jac disse:

      Já pensou o auê que seria se eu dissesse que a pessoa que

      1-trai um parceiro
      2-não está satisfeita com a monogamia dela
      3-enrola e ludibria a lésbica/bissexual
      4-no final vai acabar com um homem mesmo

      é bissexual? Chamar somente de hetero foi uma escolha consciente.

    • Sheila disse:

      Meio óbvio que a maioria é de bissexuais, uma vez que se interessam por mulheres e homens, né?
      Mas a expressão “hetero” no post diz respeito a como essas mulheres se posicionam na sociedade e como são vistas. Elas dizem que são heteros, elas agem como heteros socialmente falando, elas só mostram que não são exatamente heteros quando estão escondidas, sozinhas conosco (na verdade daria muita discussão o quanto tudo isso é negativo pra nós). E nós lésbicas quando nos envolvemos com elas temos o hábito usar essa expressão. Exemplo: “amiga, a hetero do trabalho está dando em cima de mim”.
      O post deve ter sido escrito assim porque a autora é lésbica e está acostumada a transitar no meio lésbico e ao nosso jeito de falar no assunto.
      Sabemos que vocês existem 🙂

  5. Kim disse:

    Adorei o post, como sempre, abordando um tema comum para muitas lésbicas com o humor característico do blog! É tão bom ver que mesmo após tanto tempo, a essência do Flexões continua a mesma… * – * Well… Eu nunca passei por essa situação, na verdade muitas coisas daqui eu só acho divertido ler mas não faz parte das minhas experiências pessoais, pois sou mais introvertida (vulgo nerd), passava mais tempo jogando RPG de mesa, mas por muita sorte (principalmente para alguém azarada como eu) consegui encontrar o amor da minha vida sem ter que passar por tantos dramas (exceto o drama do namoro à distância, né amores…), mas acredito que para as mulheres que estão passando por isso, é um post de utilidade pública! Excelente como sempre!

    • Jac disse:

      Gente, não sei nem dizer se é bom ou ruim ter tido “só” um drama de relacionamento a distância. Mas na dúvida, a gente agrega os dramas dazamigas pra dar nossa cota necessária de drama e fica tudo certo hahahaha

  6. Bárbara disse:

    Eu tava com muita saudade!!!

    E caramba… quantas verdades! O melhor mesmo é se segurar e acreditar muito na possibilidade de encontrar alguém que queira algo sério (caso seja esse o seu objetivo também né).

    O problema é que a vida tem dessas coisas de apresentar pessoas que nos deixam sem saber dizer não. Quando isso acontece, jogo as mãos pra o céu e penso logo: vou me lascar, mas seja o que Deus quiser. Afinal, não dá pra fugir muito de sentimento, né? Ainda mais lésbico. Haha…

    Ficarei aguardando mais publicações. 🙂

    • Jac disse:

      Vamos considerar então uma evolução perceber que se está entrando numa cilada. Aí quem sabe um dia além de reconhecer a gente passa a evitar, né? hahahahah

  7. Ariana disse:

    O diagrama!!!rsrsrs

  8. Noemi disse:

    Chorei de rir, muito bom Jac faz mais posts sempre!

    Melhor diagrama!

  9. Gabi disse:

    Achei bastante pertinente teu post. E é isso mesmo. Acho que, em geral, temos muito problema de auto-estima. Isso vai levar a drama, invariavelmente.
    Uma hipótese: Acontece que quando estamos procurando alguém, nos apaixonamos pela imagem de auto-suficiência, independência e etc… e qual o motivo? Porque nos forçamos (ou não, que seja natural) a esse papel, diariamente, mas queremos muito que alguém nos cuide com carinho, que divida a carga de decisões e o dia a dia. Aí quando a pessoa percebe que além daquela independência toda também tem alguém que precisa de carinho, atenção, tem questões internas a resolver e tal, acaba caindo fora. Porque na verdade quem quer isso é quem caiu fora. Muitas casadas estão nessa. Possuem alguém com imagem de segurança, auto-suficiência e independência na vida, e precisam da outra parte, muitas vezes deixada de lado no casamento.

    Enfim. Sejam quais as razões pelas quais a gente se viu numa situação dessas, concordo com o conselho que você deu, Jac: tenha amor pela tua saúde mental. Se a outra teve problemas de infância, não pôde exercer a sexualidade, se vocês são almas-gêmeas e ela te aguarda para libertar do malvado dragão que a aprisiona, a verdade é uma só: cada um tem os seus problemas e esses problemas não são teus. Você pode até pensar “mas eu já passei por isso”. Que bom. E de alguma forma você teve que resolver, não foi? 😉

    • Jac disse:

      Não entendi quem é quem na hipótese ali ahahahaha A mulher casada é quem se apaixonou por um homem que seria a imagem de independência, mas, quando o cara mostra que tem também precisa de carinho, ela cai fora?

      Mas bem… eu tenho uma teoria (como sempre) que, se você dá a mão para ajudar uma pessoa a sair do buraco e não consegue puxar ela pra cima, é você quem vai pro buraco junto com ela. O principal esforço tem que vir da pessoa.

      Mas obviamente não podemos esquecer que talvez a mulher casada esteja bem feliz lá aproveitando o melhor dos dois mundos e que ela muito provavelmente não é uma pobre coitada incapaz. (Mesmo porque convenhamos que as mulheres que estão numa situação grave mesmo tipo ameaça a vida provavelmente não estão por aí procurando lésbica pra transar)

      • Gabi disse:

        Desculpa! Depois que publiquei o comentário vi que estava confuso. O que basicamente quis dizer é:
        – que já vi alguns casos onde a mulher-hetero-casada buscava carinho fora do casamento (onde o homem representava ideais de independência, segurança e etc);
        – ela encontra uma mulher que cumpre também esses ideais que ela tem em casa plus carinhos;
        – porém, toda mulher que eu conheci nessa vida gosta de muito carinho e atenção, incluindo aquelas que são totalmente independentes/seguras/etc;
        – a mulher casada constata que ela quer mais receber do que dar. E quando quer dar, não quer fazer isso de forma aberta;
        – drama lésbico.
        kkkkk

        • Jac disse:

          Em tópicos fica bem mais fácil ahahahahhaahahha

          Concordo que muito provavelmente a hetero casada tá querendo só receber e não oferecer nada (bem, quase nada) em troca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *