Killing Eve – Primeira e Segunda Temporadas

Killing Eve é a série obsessão lésbica do momento. É simplesmente impossível ficar indiferente ao relacionamento problemático de Eve e Villanelle. Vamos então descobrir o que torna a série tão boa e se o ship Villaneve vai sair do porto ou não.

Killing Eve - Capa

Primeira Temporada

Vou fazer um resumo das minhas opiniões não-lésbicas para avançarmos logo ao que realmente interessa na série:

Killing Eve - Lesbian Kiss

Acreditar que a Villanelle (Jodie Comer) é uma psicopata foi fácil porque a atriz faz por merecer seu BAFTA. Mas… exigiram muito da minha suspensão de descrença quando querem me fazer acreditar que essa mulher magra (digo, sem músculos mesmo) é uma assassina que faz parte de uma mega organização criminosa. Poderiam ter contornado isso evitando as mortes com uso da força, usando só envenenamento e outras técnicas discretas.

Killing Eve - Villanelle stabs Bill
Vocês querem me convencer que uma mulher dessas consegue dar 50 facadas em um homem que sequer tenta empurrar ela?

Mas bem, deixando claro que acho as cenas de assassinatos bem forçadas, a trama em si de perseguição entre a agente do MI6 à “assassina super perigosa” é muito boa e envolvente. Ajuda que a gente quer ver o ship acontecer? Ajuda… Mas acho que até os 5 heteros que assistiram ficaram investidos na história.

Também são muito divertidas as interações de Villanelle com crianças, inclusive na segunda temporada. Por favor, deem um programa infantil para ela.

Xuxa
Nossa Villanelle dos anos 80. Saudades, sumida. Como anda a Ivete?

Eve e Villanelle: Fazendo Lésbicas Obcecadas

Como todas sabemos, Killing Eve mexeu demais com o emocional das sapatões. Isso se deve a incrível capacidade que eles tiveram em criar tensão sexual por uma temporada inteira. Eu tentei não esperar nada amoroso/sexual entre as duas, pois sabia que Villanelle era uma psicopata – logo, incapaz de realmente se importar com Eve.

Mas a série foi tão eficiente em mudar minha determinação. Eu realmente sentia aquela sensação no peito (ahã, peito) de nervosismo com a tensão sexual entre elas.

Now Kiss

Killing Eve conseguiu esse nível de engajamento lésbico usando a mesmíssima técnica de Orange Is The New Black em seu começo. Não é a toa que ambas são/foram “séries obsessões lésbicas”. Nos temos inicialmente a hetero que vive sua vidinha pastel ao lado de um homem (aparentemente não existem heteros solteiras no mundo) , mas que é atormentada com a aparição da lésbica/bi bandida interessante. Sim, é basicamente uma versão um pouco mais elaborada do clichê de Lésbica-Psicótica-Atormentando-Hetero-Ingênua que eu tanto falo (Breaking The Girls, Chloe, Je Te Mangerais, Cracks, The Hunger…)

O fato de Villanelle ser uma psicopata acrescenta mais um ingrediente a nossa curiosidade. A gente não sabe se ela tem um real interesse ou não em Eve – da mesma forma que não sabemos com certeza se Eve tem uma atração sexual por Villanelle.

Killing Eve - Sandra Oh

E convenhamos, não tem como manter o interesse por um casal muito consolidado. Depois de Alex e Piper ficarem mais estáveis, OITNB perdeu muito do seu público lésbico. Com Alex e Maggie em Supergirl aconteceu o mesmo. E lésbicas são o melhor público de uma série: falamos a respeito dela obsessivamente, criamos artes e memes, escrevemos fanfics e comentamos a respeito no twitter e em blogs lésbicos maravilhosos.

Killing Eve - Art

Então compreendo perfeitamente que não tornem Villaneve (ótimo nome de ship, né?) um casal romântico em que tudo já está resolvido. Mas, isso não justifica de forma alguma a falta de beijo/sexo entre elas.

Eve e Villanelle: Fazendo lésbicas de trouxas

Depois de criar tanta expectativa, é claro que eu fiquei muito, muito, mas muito frustrada com o final da primeira temporada. Eu queria matar a roteirista da série! Você poderia ter terminado no mesmo lugar da história e só acrescentar um beijo enquanto elas estavam deitadas. E aí durante o beijo Eve esfaqueia Villanelle – pronto, acabamos do mesmo jeito, mas com uma grande diferença para o público lésbico.

Eu já estava desconfiada que a Killing Eve seria só queerbaiting: uma estratégia para atrair o público LGBT, mas sem se comprometer com uma história assumidamente LGBT. E com o final fiquei mais ainda com essa sensação.

Killing Eve - Villanelle Vestido Rosa
É… fomos feitas de trouxas…

Outra coisa que eu reparei é que, como de costume em produções que demonstram lésbicas/bi, a primeira temporada é toda organizada de forma em que a “menos lésbica” faz a “mais lésbica” de trouxa.

Como assim? Acompanhe…

Eve é “mais hetero” porque mostraram ela fazendo sexo só com homem. Ela fez de trouxa Villanelle criando expectativas lésbicas que viraram só uma facada no final.

Killing Eve - Villanelle Rude

Villanelle é “meio que bissexual” porque mostraram ela tendo sexo com homens e mulheres (embora seja dificil definir a sexualidade de uma psicopata). Ela fez de trouxa Nadia, que é a “mais lésbica” porque mostraram ela apaixonada só por uma mulher. Villanelle fez ela de trouxa por prometer um conto de fadas lésbicos… e depois passar por cima dela com um carro.

Porta dos Fundos - Xuxa
“E eu aqui reclamando do que minhas exes fizeram comigo.”

E, por último, mas não menos importante, todo o conjunto da série faz VOCÊ, que é a mais lésbica de todas por ser lésbica do mundo real, de trouxa. Como? Te manipulando emocionalmente para você continuar assistindo esperando uma possibilidade de fan service.

Killing Eve - Diagrama

Nisso a série perdeu alguns pontos comigo. Sinto que todas nós estamos sendo feitas de trouxas enquanto poderíamos estar prestigiando séries com personagens realmente lésbicas. Mas, como a gente também deixa os outros fazerem a gente de trouxa, lá fui eu ver a segunda temporada, né?

Segunda Temporada

Opinião Geral

Incrivelmente, em termos de suspense e humor, eu achei que a série conseguiu manter o bom nível da primeira temporada. Continua sendo uma série interessante, embora tenham desviado o foco da Villanelle e da organização secreta dos Doze. Acho que foi uma boa ideia para não desgastar muito esse plot inicial guardando-o para a terceira temporada e aumentando a vida útil da série.

Também temos que mencionar que as roupas de Villanelle estão muito mais estilosas nessa temporada. E por estilosas eu quero dizer lésbicas, obviamente.

Killing Eve - Villanelle Fashion

Até os disfarces de Villanelle vieram em dois sabores lésbicos nessa temporada. Inclusive achei ambas mais atraentes que a própria Jodie Comer que convenhamos tem um jeito bem hetero.

Killing Eve - Villanelle Undercover
Sabores esquerda cirandeira espiritual e adolescente fã de rock que se acha muito especial, profunda e diferente das outras adolescentes.

Então em termos de estilo visual Killing Eve está de parabéns. Mas agora o enredo lésbico…

Eve e Ghost: A Oportunidade Desperdiçada

Gente, porque diabos não usaram direito The Ghost, a assassina de aluguel que seria o oposto a Villanelle, para criar um real interesse em Eve? Eu já tinha minha fanfic perfeita: Eve se tornaria obcecada pela Fantasma igual era por Villanelle na primeira temporada o que levantaria a dúvida na gente se ela realmente tem interesses românticos/sexuais por Villanelle ou se ela tem crush por qualquer assassina de aluguel por aí.

Female Japanese Assassin
E claro que na minha fanfic a Fantasma seria bem mais sexy e lésbica. Assim eu passaria o resto da temporada fazendo fan service.

Mas The Ghost era só uma escada para o vilão da temporada que era um psicopata também, mas por alguma razão misteriosa precisava de uma assassina de aluguel. Aliás, alguém consegue me explicar o que Villanelle fez com a Fantasma? Não entendi mesmo…

Villaneve: O Marasmo da Presença

Estranhamente Villanelle vai trabalhar para Eve. Isso não fez o menor sentido especialmente porque… não estavam mais procurando ela devido aos 400 assassinatos de pessoas importantes? Como assim essa brotheragem toda? Villanelle passou a receber um salário oficial do governo?

E pior do que esse roteiro estranho é que tivemos novamente um encontro maravilhoso da Eve com Villanelle com uma ótima tensão sexual… que não deu em nada. Sério. Villanelle diz com todas as palavras “você vai me dar o que eu desejo? Eu custo muito caro” e a Eve responde “sim”. Mas afinal, qual foi o preço pago pelos serviços da Villanelle? Não transaram, não beijaram, não foram no show da Ana Carolina, sequer um jantar romântico. Só teve tensão sexual sem liberação.

Killing Eve - Eve and Villanelle

E aí entramos numa queda absurda da tensão sexual entre as duas quando elas começam a trabalhar juntas (quem vê pensa que convívio diário poderia matar a paixão). Eve começa a menosprezar Villanelle porque ela já não é mais a assassina bissexual sexy e perigosa. Ela agora só é uma funcionária.

E então Villanelle, inteligentemente, percebe que Eve já estava tratando-a muito mal. Assim ela é “obrigada” matar uma mulher só para Eve voltar a ter interesse nela. E, somando a isso, Villanelle põe Eve em seu devido lugar de hetero de vida chata – que é o que toda lésbica/bi deveria fazer quando é maltratada por uma hetero.

Killing Eve - Villanelle

Don’t speak to me like that, Eve. I like you, but I don’t like you that much. Don’t forget, the only thing that makes you interesting is me.

-Villanelle

Não por um acaso, tivemos cena semelhante de Alex e Piper em Orange Is The New Black… E claro, não funciona se você é essa pessoa que impõe limites em um dia e no outro você está assim:

Killing Eve - I Love You

Mostrar sexo? Só se for hetero.

Mais uma coisa desagradável do show é que as cenas de sexo diminuíram e, para piorar, só mostram algo quando é sexo hetero. Eve fica excitada com Villanelle, mas com quem ela faz sexo mesmo? Com homens. Uma hora se rastejando para o marido (literalmente!) com Villanelle assistindo e outra sentando em cima do Hugo (essa expressão poderia virar gíria gay perfeitamente: sentando em cima do Hugo) enquanto escuta a voz de Villanelle.

Killing Eve - Sexo Hetero Hugo

Tô fazendo amoooor com outra pessoa,
mas meu coração… vai ser pra sempre teu.
O que o corpo faz, a sapatão trouxa perdoa…

Já quando a Villanelle tem um threesome com duas modelos, o que eles mostram? Nada! N-A-D-A! Como que uma série que depende de audiência lésbica para sobreviver consegue diminuir ainda mais suas cenas lésbicas?

Continuam fazendo a “mais lésbica” de trouxa. Villanelle é obrigada a ver Eve se rastejando pro marido transar com ela, mas Eve não pode ver nada do threesome lésbico – só fica sabendo porque as modelos passam já vestidas indo embora. Ah, me poupe!

Killing Eve - Threesome
Petição para refazerem Game of Thrones é o #%$&$. Quero essa cena refilmada já!

Chega de Queerbaiting!

Depois que resolvem todo o drama policial, temos a cena final de Villanelle e Eve. Eu, assim como Villanelle, fui enganada a achar que realmente elas iriam escapar nem que seja para fazer sexo. E quando Eve faz aquele discurso de “o que você está pensando que está acontecendo aqui?” me doeu na alma porque eu estava tão iludida quanto Villanelle. Esse foi o diálogo que basicamente deu um tapa na cara de todas as lésbicas que assistem.

Killing Eve - Art Alaska
Sorry, sapatão, não vai rolar San Junipero.

É claro que não faz o menor sentido Eve namorar, casar , ter filhinhos em uma cabana no Alasca com Villanelle. Ela é uma psicopata! Mas eu não espero um romance entre elas! Histórias de lésbicas não são só romances Disney não. Elas podiam perfeitamente fazer sexo (com uma cena bem explícita e demorada, por favor) com raiva, com violência, por tesão e por vingança. Ela não precisam ficar de conchinha depois – inclusive prefiro e espero algo mais hardcore para elas.

O que não pode ser mais aceitável é ficar esse queerbaiting sem fim.

Killing Eve - Eve and Villanelle 02 Queerbaiting

Eve Não Vai Ficar com Villanelle

Encontrei na net alguns prenúncios (foreshadowing) interessantes sobre como elas não ficarão juntas. Um, indicado nesse site aqui, é que a palavra que fez Carolyn ganhar o concurso de soletração é “Sisyphean”, uma palavra derivada de Sísifo, um homem condenado a toda a eternidade a rolar uma pedra grande até o cume da montanha para ela rolar abaixo e começar de novo a empurrá-la montanha acima.

Sisyphus
Pareceu familiar, sapatão?

Outra que vi nesse tumblr aqui (sim, ainda existe tumblr), se traduz assim:

Meu detalhe favorito de Killing Eve? O escondidinho.

Villanelle exige a receita porque “Eve gosta de escondidinho”. Mas até onde a gente sabe, Eve não gosta realmente disso. Ela troca com o almoço do Bill na primeira temporada e o mero fato de que ela tinha o resto no freezer quando Villanelle estava em sua casa indica que não é algo que ela realmente goste.

É um maravilhoso símbolo de como Villanelle construiu toda uma fantasia sobre Eve sem verdadeiramente falar com ela a respeito.

Killing Eve - Art Villanelle Dream

Ideias Para Terceira Temporada

Meu sonho de princesa lésbica é que Villanelle largue mão da Eve e comece a transar com outras mulheres. Imagina se começarem a mostrar todo o rebuceteio da comunidade de lésbicas assassinas? Já mostraram Nadia, podem existir outras tantas para gerar drama e pegação.

Killing Eve - Villanelle Its Going To Be Amazing

Já perdi toda a minha simpatia pela Eve, mesmo sendo bem interpretada pela maravilhosa Sandra Oh (sdds Cristina Yang). Adoro tensão sexual, mas detesto gente que fica nesse chove e não molha eternamente.

Eu sequer me importo mais com o ship Villaneve exatamente para ser sincera, quero ver é pegação lésbica bem construída com muita tensão sexual. Se não é com Eve, que seja com outra. Afinal, minhas exes estão aí para provar que, sim, é possível ser psicopata e ter uma vida lésbica normal.

Killing Eve - Villanelle Cowboy Hat
Especialmente se você tiver esse charme e estilo!

Criei finalmente um instagram do Flexões. Cola lá, gata!


Icon-Facebook Facebook
Icon-TwitterTwitter

Icon-Instagram Instagram do Flexões
Icon-Instagram Instagram Pessoal


Icon-Star Lista de Posts do Blog

Obrigada por compartilhar e comentar! É o que me incentiva a continuar postando =)
error

6 respostas para “Killing Eve – Primeira e Segunda Temporadas”

  1. Mesmo sem esperanças de ver essas duas em um sexo selvagem continuarei acompanhando a trama pelo prazer das boas atuações e minha dose nada discreta de trouxismo (: ótimo texto como sempre Jac 😍😍

    1. Como sempre o melhor é não ter expectativas ahahaha Lá vamos nós para tentar não ser trouxa na terceira temporada…
      Obrigada, gata =)

  2. O fato de ficarem mostrando a sexo hetero com a personagem envolvida no “casal lésbico principal” é meio desanimador – e pra mim mostra que os produtores não estão assim tão preocupados com o público lésbico.
    Porém a gente vive uma seca tão grande de entretenimento com algum apelo pra nós que a gente acaba tendo que perdoar e aceitar o que tem rs

    Vou assistir, porém me consolando que TLW volta esse ano e vamos ter entretenimento lésbico-lésbico

    1. Pois é, a gente acaba vendo o que tem – especialmente se a séries ainda coloca o drama lésbico como principal e a série em si é de boa qualidade.

      Quanto a The L Word, eles estão chamando de “Generation Q” o que me deixa beeem receosa que vão querer focar em diversidade e identidade ao invés de relacionamentos lésbicos (afinal,pra que focar em lésbicas, né?). Vão cair do cavalo bonito se quiserem militar demais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *