Projeto Literatura Lésbica – 002

Saudades de um bom conto lésbico, né, minha filha? Mas não se preocupe que nós temos uma solução.

Literatura Lésbica

Tempo ao Tempo

Tempo ao Tempo - Olivia Pilar

Autora: Olívia Pilar

Tipo: conto fofinho

Resumo: Amigas de infância que descobrem que há mais que amizade entre elas.

Onde Comprar: Amazon

Um conto bonitinho, mas que não trouxe nada de surpreendente. Foi do ponto A, para o B e depois para o C. Fim. A cena em que rola a confissão de amor entre elas poderia ter sido estendida para fins de lezploitation, mas foi cortada em seu ápice. Uma pena.

Nota 5 de 10.

Luxúria

Luxúria - Drikka SIlva

Autora: Adriana P. Silva (a.k.a Drikka Silva)

Tipo: conto erótico (caso não tenha dado para perceber pelo título)

Resumo: Uma mulher conhece outra mulher, elas transam muito.

Onde comprar: Amazon

Nem só de livros cult vive a lésbica. Luxúria entrega o que promete sem muita enrolação e com muitas cenas de sexo, de vários tipos (nem todas modalidades de meu gosto, vou dizer). É ideal para quem gosta de mulheres mais masculinas, mas exige um esforço de abstração para quem prefere femmes.

E ainda temos um final polêmico/curioso. Eu como não estava assim com grandes expectativas apenas aceitei e não questionei muito.

Nota 7 de 10.

Asexus

Asexus - Cris Soares

Autora: Cris Soares

Tipo: conto erótico

Resumo: Kaitan viveu um vida de luxúria e parou em Asexus, um inferno para gente como ela. Porém, uma vez por ano ela é liberada para retornar à terra para fazer uso de seu corpo.

Onde comprar: Amazon

Asexus tem uma premissa no mínimo criativa incluindo um elemento sobrenatural no meio de um conto erótico. É curtinho e bem escrito, então temos um ótimo custo-benefício. E é bom eu mencionar que há a narração de um sexo hetero – o que pode te atrair ou não, mas não tira o mérito de ser um raro “conto bissexual”.

Nota 7 de 10.

A Aposta

A Aposta

Autora: Cristiane Schwinden

Tipo: conto de comédia

Resumo: Funcionários fazem uma aposta para descobrir a orientação sexual da chefe.

Onde Comprar: Amazon

Já devo ter lido umas três ou quatro vezes A Aposta. É uma leitura leve e realmente divertida, ideal para aliviar a cabeça. Ainda tem uma temática fanfiqueira que eu adoro: a chefe em ambiente corporativo. Mas, infelizmente, não espere muita lezploitation e cenas sensuais.

Destaque para Dorothy e Mary Poppins (e Everton e Emerson), que ajudam a criar os momentos divertidos.

Nota 8.5 de 10.

Amora

Amora

Autora: Natalia Borges Polesso

Tipo: coletânea de contos

Onde Comprar: Amazon, mas deve ter em qualquer livraria!

Amora é um livro de contos lésbicos que aborda diversas perspectivas e vivências. Temos histórias de início de relacionamento, de término, com protagonistas crianças, adolescentes, adultas e idosas. Naturalmente não aborda toooodas as possibilidades de vivências porque isso é impossível, mas no geral, o livro é bem amplo dentro do nicho lésbico/bi.

O livro também tem um grande mérito de ter “furado a bolha” da literatura lésbica e ganhado o renomado prêmio Jabuti de 2016. Além disso, seu conto “Vó, a senhora é lésbica?” foi usado para uma questão do Enem, para revolta dos conservadores.

Mulher Questionando
“Lésbica com mais de 40 anos? Pensava que elas simplesmente desapareciam da terra depois de sair da universidade…”

Então não resta dúvidas que o livro é bom, artístico e bem escrito. Inclusive, vários trechos eu marquei pelo seu valor poético.

“Todos entraram, todos sentaram, todos beberam, todos levataram para ir dançar, como um cardume, eles não se separavam. Até que uma amiga a puxou pela mão para fumarem um cigarro.”

Amora – Primeiras Vezes

“A Taís sorriu com aqueles dentes brancos e enormes, sorriu dentro da minha boca.”

Amora – Vó, a senhora é lésbica?

Mas, embora o livro já seja reconhecido por quem entende do assunto, vou dar aqui meus pitacos de lésbica que não é de humanas.

Confesso que inicialmente eu não fui engajada por Amora. Senti que os contos eram muito mais “hetero, venha aqui ver esse material de lésbicas que fiz para você” e com uma ambição mais artística que de entretenimento. Isso se reflete também no final dos contos que foram tristes ou neutros.

Meu palpite é que finais felizes são “baratos“, então para algo ser reconhecido por seus termos artísticos no meio hetero, precisa ter ali algo dramático e triste. Já nós lésbicas ainda somos muito ávidas de finais felizes, então acho que existe uma incompatibilidade de públicos-alvos.

Mulher Revoltada
Vamos levar mais uns 50 anos antes de aceitar um final para lésbicas que não seja feliz!

Mas, para minha alegria, o tom dos contos cult-para-hetero-ver muda e do quinto conto em diante temos uma escrita mais acessível, com a autora bem mais à vontade, incluindo até um pouco de humor e muito mais referências à nossa cultura. Passei a me sentir bem mais contemplada pelo livro.

Algumas das referências da comunidade lésbica feitas no livro são: vampiras lésbicas, convento, leskut, a pegadora do bar lésbico, time de handebol/futebol, relacionamento professora e aluna. Que lésbica/bi não tem teve contato com dois ou mais desses temas?

Mulher falando
“Faltou falar dos signos, amore. E de umas exes tóxicas. Aí eu poderia compartilhar o trecho do livro como indireta no instagram.”

Infelizmente, o final do livro na seção “Pequenas e Ácidas” voltou com as ambições artísticas com força e a escrita me alienou. Acredito que aqui pese o seu perfil. Você é de humanas e gosta de uns textos viajandões contemplativos? Acho que você vai curtir. Você tem um perfil mais signo de terra objetivo  (euzinha), você vai preferir os contos.

“Ela bate cinzas numa xícara. Resto de chá de camomila, saliva de dias e agora as cinzas se misturam no fundo amarelo. Ela pensa. A janela aberta acolhe um sopro que faz as migalhas do prato dançarem um pouco e se espalham e se grudam nas folhas dos livros, páginas lisas não mais.”

Amora – Fracasso
Porta dos Fundos - Xuxa

Mas bem, mais interessante que comentar o livro como um todo é comentar os contos específicos. Cuidado com os spoilers abaixo.


Primeiras Vezes

Resumo: Mulher perdendo a virgindade com homem e depois fazendo sexo com amiga.

É o conto “dá aqui esse Jabuti”. Tem um estilo de escrita bonita, porém é meio frio e distante. Para minha sorte, o livro não se manteve com o mesmo estilo indo para a escrita mais casual.

“Os pensamentos há anos presos num lugar escuro da cabeça, agora soltos em palavras. Palavras que foram para na cabeça de Letícia.”

Amora – Primeiras Vezes

Vó, a senhora é lésbica?

Resumo: Mulher descobrindo que a avó é lésbica.

Esse é um conto bem para hetero ver que existem lésbicas na terceira idade – não acontece nada demais nele, inclusive. Achei um verdadeiro desperdício escolherem ele para virar um curta metragem sendo que o próprio livro tem contos mais interessantes como “Flor, Flores, Ferro Retorcido”, “Tia Marga” e “Deus me Livre”.


Flor, Flores, Ferro Retorcido

Resumo: Menina tenta descobrir porque os pais chamam a vizinha de “machorra”.

Melhor conto do livro e um dos que devem mais agradar lésbicas gregos e heteros troianos. Achei que encontrou o equilíbrio perfeito entre a escrita mais cult e uma história interessante.

Mas o ápice é o final, que inclusive me foi surpreendente. Que final mais lindo! É o despertar lésbico de uma menina com sua primeira crush, esta que nem percebe o que acontece.

“Ela se agachou e colocou a mão na minha testa, como se para conferir alguma febre. Bobagem, tu tá ótima. Não há nada de errado contigo. Eu ergui os olhos para ver se ela tinha cara de honesta. Ela tirou os cabelos da frente do rosto e o transformador explodiu. As faíscas que caíam iluminaram os olhos dela e, naquele momento, ela era a flor mais bonita que eu já tinha visto.”

Amora – Flor, Flores, Ferro Retorcido

Como eu imagino esse gerador explodindo:

Fireworks

Mas com a versão feminina do Renato Borghetti na frente.


Minha Prima está na cidade

Resumo: Mulher, no armário, leva novas colegas de trabalho para casa para um jantar de confraternização. Ao encontrar a esposa, que estava viajando, apresenta para as colegas a esposa como sua “prima”.

O conto que eu tive mais ódio da protagonista. Imagine o baita desaforo que é ser posta no armário dentro da sua própria casa! Eu teria feito um escândalo, falado que sou a esposa, que sou sapatão, fanchona, sargento, lésbica – eu colo velcro e gosto de botar a aranha pra brigar.

Quer ficar no armário, fique, mas não obrigue a mentir quem eu sou dentro da minha própria casa!


Os Demônios de Renfield

Resumo: mulher se envolve com suposta vampira lésbica.

Achou que não ia ter conto erótico? Achou errado, minha cara. Eu já nem esperava mais algo assim em um livro “sério” e fui surpreendida. Também percebi uma certa referência a cena de sexo da Alice de The L Word com a Uta, aquela vampira. Referência confirmada pela autora, porque obviamente não segurei a curiosidade e fui perguntar.

The L Word - Alice e Uta
Aquele quentinho no coração com a referência a The L Word.

Dramaturga Hermética

Resumo: a tal Dramaturga troca e-mails com Ana, aparentemente uma ex.

Gostei porque para mim esse foi o conto mais enigmático do livro. Ou bem, pelo menos não sei se as pessoas tem a mesma visão que eu tenho e não sei o que a autora quis contar exatamente.

Assim, com minhas palavras, a dramaturga basicamente manda um e-mail para ganhar um pouco de atenção e se certificar que Ana ainda ficaria com ela. Quando a Ana chama ela na chincha e quer marcar um encontro real, a dramaturga dá uma enrolada e não comparece. Por fim, Ana se cansa da lenga-lenga e escolhe “ignorar” a conversa com a dramaturga.

Primeiro que eu já vi muito dessas mulheres muito cheia de sentimentos, que se acham muito complexas e incompreendidas. E a linguagem da dramaturga reflete isso, cheia pedâncias e maneirismos, muito nhenhenhe, 40 linhas para falar o que poderia ser dito em 4.

Gostei da quebra de expectativa que é ler a resposta da Ana: objetiva, sem alimentar demais o nhenhenhe da dramaturga. “Ah, que bom que você está bem. Vamos marcar então, pode ser nessa quarta?” Fim. Não é a toa que ela se irritou quando a dramaturga não quis encontrar com ela.

Mulher com Raiva
“Você pegue esses textos pedantes e mande pra outra idiota.”

Diáspora Lésbica

Resumo: Grupo de amigas lésbicas no bar fofocando.

Ah, esse conto sim me representa! Tem tudo o que eu mais gosto: amigas, lésbicas, dramas, fofocas.


Deus me Livre

Resumo: Uma mulher vai dar o testemunho numa igreja evangélica falando como saiu do mundo das drogas dizendo que casou com o anjo que a ajudou no processo. No fim, descobre-se que era uma mulher.

Infelizmente, o fato de o conto estar em um “livro lésbico” estraga a surpresa do final, mas achei uma ideia muito boa. Uma prova de que nem todo final feliz é bobo.


As Tias

Resumo: Casal de lésbicas idosas enfrenta dificuldades para acompanharem uma a outra no hospital porque não são reconhecidas como esposas.

Um dos contos que menos gostei. Parece que foi escrito para dizer para os heteros “tá vendo? tá vendo a importância do casamento gay? tá vendo?“.

Mulher desconfiada
“Já não é meio batida essa cena de casal lésbico passando constrangimento no hospital?”

Wasserkur ou Alguns Motivos para Não Odiar Dias de Chuva

Na história, a protagonista basicamente choraminga porque está chovendo e a crush não foi no date. Mas com palavras bem mais abundantes e rebuscadas.


Tia Marga

Resumo: a tia fofoqueira da família morreu e a apatia se instala entre os demais parentes. Porém, a lésbica descobre a solução: retomar o ciclo de fofocas.

Achei um conto genial. O mais engraçado do livro, inclusive. Gostei que o final não é previsível: você não imagina que a lésbica vai jogar o primo gay na fogueira – que é basicamente o que ela fez.

Gostei também que a tia fofoqueira não foi vilanizada (um alento para meu futuro de tia fofoqueira). Outro exemplo de final feliz (não para o primo gay, de certo) muito bem pensado.


Inventário da Despedida: Um conto em Quatro Distâncias

Entendi mais nada.

Nota 8 de 10.

O que acharam destes contos? Deixe um comentário e indique um livro lésbico imperdível! No próximo post teremos Carol e mais alguns que vocês me indicarem.


Gostou? Comente e segue a gente! (Tô bem ativa no Insta👀)

🏳️‍🌈 🔝 TODOS OS POSTS DO BLOG 🔝 🏳️‍🌈

🏳️‍🌈 🎞 FILMES LÉSBICOS 🎞 🏳️‍🌈


3 respostas para “Projeto Literatura Lésbica – 002”

  1. “O conto que eu tive mais ódio da protagonista. Imagine o baita desaforo que é ser posta no armário dentro da sua própria casa! Eu teria feito um escândalo, falado que sou a esposa, que sou sapatão, fanchona, sargento, lésbica – eu colo velcro e gosto de botar a aranha pra brigar.

    Quer ficar no armário, fique, mas não obrigue a mentir quem eu sou dentro da minha própria casa!”

    ♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️

    Nem preciso dizer o quanto concordo né?

    Me diverti muito com o post e vou ler Amora. Os contos, não hahahaha
    Eu sei que é muito fácil desejar um entretenimento tão difícil de produzir como um livro lésbico, com personagens bem construídos e uma história envolvente (e obviamente eu mesma não quero nem sou capaz de produzir rs). Mas podia ter né?
    É algo que realmente falta. Uma história realmente completa com personagens que possamos nos apegar, porque contos curtos tem muitos por aí.

    1. Bem, a autora de Amora lançou mais recentemente um romance chamado Controle. Está na minha lista para ser lido e é minha maior aposta para assim grande romance lésbico. Estou lendo Carol e até agora não ocupa esse lugar heheh

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *